O senso de humor reduz o estresse entre você e o seu filho com TDH

Para todos os pais cujo filho com transtorno de déficit de atenção (TDAH ou DDA) colocou maionese no micro-ondas ou perdeu seu caderno de tarefas escolares MILHARES DE vezes, o humor é um substituto saudável para a expressão de decepção ou aborrecimento.

Para cada criança que se sente mal por não ter sido convidada para a festa de aniversário de um colega de classe ou por não entrar no time de futebol, uma boa risada pode ajudar muito na cura da dor.

Criar uma criança com TDAH requer resiliência emocional para lidar com as lutas inevitáveis ​​na escola, os confrontos sociais com os amigos – ele é o ingrediente que vai ajudar uma criança a se recuperar da derrota.

O principal ingrediente da resiliência é o senso de humor, sem dúvidas.

Encontrar o engraçado em uma situação aparentemente sem esperança é um conforto inenerrável – um adolescente reprovando em seu teste de direção realizado pela quarta vez, por exemplo – diminui a frustração e também melhora a auto-estima.

Quando as coisas ficam difíceis, é preferível enxergá-las como coisas engraçadas para manter as coisas em perspectiva.

Na verdade, o senso de humor é um atributo de que a maioria das crianças com TDAH precisa.

Tente desenvolvê-lo em seu filho.

Você não precisa dos instintos cômicos de um palhaço, apenas o impulso de criar um momento leve quando a oportunidade surgir.

Nunca é tarde demais para rir!

Os bebês riem quando apresentados a caras engraçadas, ruídos engraçados e comportamento exagerado. Rir é algo inerente a todo ser humano.

Descobri que famílias com TDAH bem ajustadas usam o humor para lidar com problemas grandes e pequenos.

Vamos enfrentá-lo: ajudar seu filho com TDAH na escola é ajudá-lo a superar as falhas com leveza, isso pode criar um tom descontrído em casa.

Os pais precisam equilibrar essa gravidade com atitudes interlúdicas e humorísticas.

Abaixo estão alguns exemplos de como jogar a carta do humor ajudou a desarmar a tensão e criar uma vibe estimulante.

Terapia do riso

Tammy é uma criança enérgica, emocional e teimosa de 5 anos com TDAH. Por quase duas semanas, ela teve colapsos emocionais quando lhe pediram para desligar o videogame e se preparar para dormir. Todas as noites havia uma discussão aos gritos e ameaças de tirar seus videogames. Quando o pai de Tammy a pegou para carregá-la para seu quarto para um intervalo, ela se tornou um feixe de fúria se contorcendo em seus braços, batendo nele quando suas mãos estavam livres.

O pai de Tammy decidiu decidiu que tomaria uma atitude diferente. Em vez de pressionar com sua autoridade paterna – o que teria adicionado lenha à fogueira de Tammy – seu pai começou a brincar e fazer cócegas nela. A risada irritada de Tammy logo se transformou em uma risada brincalhona, e ela se acalmou.

Ginny ficava facilmente irritada e frustrada. O jantar foi chato, então ela brigou com os pais quando eles pediram que ela se juntasse a eles para uma refeição. Como muitas crianças com TDAH, ela achou mais fácil iniciar tarefas que envolviam diversão. A ordem dos pais para vir jantar interrompeu sua diversão e não ofereceu nenhuma diversão em troca. Para ela, era o equivalente emocional de ir para a prisão.

Depois de muitas batalhas, os pais de Ginny descobriram que ela reagia melhor às brincadeiras. Ser bobo tornava as tarefas mundanas da vida mais palatáveis. “Ginny, é hora do jantar” parecia uma ordem, mas “É hora de comer e ser feliz, Gi!” foi brincalhão o suficiente para chamar sua atenção e sua cooperação.

A maioria das crianças, com ou sem TDAH, responde bem a essas abordagens despreocupadas e patetas dos rituais diários.

Brincar de palhaço

Tanto Tina quanto sua mãe adoram contar essa história. Tina estava sentada à mesa da cozinha tomando café da manhã, enquanto sua mãe estava em pé no fogão, mexendo ovos. Na verdade, Tina estava com problemas para tomar café da manhã, mas estava realmente muito triste e abatida para comer. Ela soube na noite anterior que uma de suas melhores amigas havia enviado convites para festas de aniversário – e Tina não foi convidada. Ela se sentiu traída e ignorada.

Mal engolindo o nó na garganta, Tina falou sobre seus sentimentos com a mãe. Os pais de sua amiga deram permissão apenas para uma festa muito pequena, explicou sua mãe, e ela não podia convidar a todos. As palavras tranquilizadoras de sua mãe não ajudaram. Por sua vez, a mãe de Tina se sentiu desamparada e frustrada.

Então a mãe de Tina se virou para ela com um sorriso no rosto. “Você sabe fazer uma borboleta?” ela perguntou. Tina balançou a cabeça, intrigada com a pergunta. Sua mãe disse: “Observe!” Ela pegou um pedaço de manteiga do fogão, caminhou até a porta da cozinha aberta e, com um lance alto, jogou a manteiga no meio do quintal. Tina ficou surpresa por um segundo, então riu tanto que balançou da cabeça aos pés. Sua mãe se aproximou e deu-lhe um grande abraço. O incidente da “borboleta de manteiga” conseguiu quebrar a tensão e levantar o ânimo de Tina.

Uma criança em pé

Cody é um menino brilhante de 8 anos com TDAH. Ele foi bem na escola depois que começou a tomar medicamentos para melhorar sua concentração. Mas Cody era tímido e tinha problemas para fazer amigos. Ele tinha um bom senso de humor, mas era muito reservado para demonstrá-lo.

Seu terapeuta deu-lhe um dever de casa para a semana: Encontre 10 piadas, conte todas para duas pessoas e descubra qual era a mais engraçada. Ele copiou dez piadas de um livro e as experimentou com seu irmão e um colega de classe. O vencedor foi: “Por que o esqueleto teve aulas de paraquedismo?” “Para provar que ele tinha coragem!”

A tarefa da segunda semana era a mesma: encontrar 10 novas piadas e contá-las a outras duas pessoas. Depois de seis semanas, Cody teve uma coleção de 60 piadas e as contou para uma dúzia de pessoas! Ele não estava apenas se divertindo lendo livros de piadas e acessando sites, mas também estava se tornando mais confiante ao conversar com outras crianças de sua classe. Logo, outras pessoas estavam pedindo a ele para contar piadas e convidando-o para participar de suas atividades extracurriculares.

A mensagem em todas essas histórias é que o riso pode suavizar as arestas da vida de crianças com TDAH e de seus pais. Portanto, ria mais com seus filhos, leve a vida mais leve e não se preocupe tanto, eles vão te agradecer muito no futuro.

O senso de humor para uma criança com TDH é um ótimo remédio.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações Additude.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!