O sangue nos torna parentes, mas a lealdade nos transforma em uma família!

Chegamos ao mundo como se tivéssemos caído do céu. Imediatamente, nos vemos ligados a uma série de pessoas com quem compartilhamos sangue, genes. Uma família da qual faremos parte, que tentará inculcar seus valores, uns mais outro menos …

Todo mundo tem uma família. É fácil ter uma: todos temos origens e raízes. No entanto, o difícil é mantê-la e saber como construí-la, alimentar o vínculo todos os dias para garantir que ela permaneça intacta.

Todos temos mães, pais, irmãos, tios … às vezes os membros são tantos que nem conhecemos todos, tantos primos distantes que nem temos relacionamento. Devemos nos sentir culpados por isso?

A verdade é que, às vezes, quase sentimos a obrigação moral de nos darmos bem com aquele primo ou tio com quem compartilhamos tão poucos interesses e que sempre fizeram pouco na vida.

Pode existir um vínculo sanguíneo, mas a vida não nos obriga necessariamente a concordar com todos; portanto, às vezes, afastar-se ou manter um vínculo de “circunstância” não deve causar nenhum trauma.

O que acontece quando falamos sobre a família no sentido mais estrito? Pais e irmãos?

Os laços são mais fortes que o sangue

Às vezes, tendemos a pensar que ser uma família pressupõe compartilhar algo mais do que sangue ou uma árvore genealógica.

Há pessoas que quase inconscientemente acreditam que uma criança deve ter os mesmos valores que seu pai, compartilhar as mesmas ideias e se comportar de maneira semelhante.

Há mães e pais que ficam surpresos com a diferença entre seus filhos ou irmãos.

Como é possível se todos eles foram criados pela mesma pessoa?

É como se dentro do núcleo familiar houvesse uma harmonia explícita, sem diferenças excessivas entre os membros que fazem parte dele, onde tudo pode ser controlado e ordenado.

Devemos deixar claro que nossa personalidade não é geneticamente transmitida 100%, algumas características podem ser herdadas e, certamente, compartilhar um ambiente leva a compartilhar uma série de manias.

No entanto, os filhos não são cópias dos pais, nem serão capazes de fazer com que seus filhos correspondam às suas expectativas.

A personalidade é dinâmica, é construída dia após dia e não para nas barreiras que os pais às vezes tentam criar.

É daí que surgem as desilusões, os desacordos, os confrontos …

Para criar um vínculo forte e seguro no núcleo familiar, as diferenças devem ser respeitadas, a independência e a individualidade de cada pessoa devem ser promovidas, sem colocar muros, sem culpar cada palavra ou comportamento …

Pontos-chave das famílias que vivem harmoniosamente

Às vezes, muitos pais veem seus filhos saindo de casa sem querer mais fazer contato. Há irmãos que param de se falar e famílias que contam as cadeiras vazias deixadas em casa.

A que tudo isso se deve?

É claro que toda família é um mundo à parte, com suas diretrizes, suas crenças e, às vezes, com as janelas fechadas, onde apenas as pessoas que fazem parte dela sabem o que aconteceu no passado e como vivem o presente …

No entanto, podemos falar de um eixo básico geral que pode nos fazer pensar.

– O objetivo da educação é dar ao mundo pessoas seguras de si mesmas, capazes e independentes, que possam alcançar a felicidade e que possam oferecê-la aos outros.

Como você consegue tudo isso?

Oferecendo amor sincero, que não é imposto e não pode ser controlado.

Uma afeição que não pune a forma como uma pessoa é, pensa ou age.

– Nem sempre devemos culpar os outros pelo que acontece.

Não se pode culpar uma mãe ou um pai porque se sentem incapazes de fazer certas coisas, ou aquele irmão que, talvez, sempre tenha sido tratado melhor do que nós.

É claro que quando você precisa educar alguém, sempre comete erros.

No entanto, também devemos assumir o controle de nossas vidas e ser capazes de reagir, dizer, saber dizer não e pensar que somos capazes de empreender novos projetos, novos sonhos com confiança e maturidade, sem ser escravos das memórias familiares do passado.

Ser uma família nem sempre pressupõe compartilhar as mesmas opiniões ou os mesmos pontos de vista.

E não por esse motivo, devemos julgar, punir ou, pior ainda, desprezar.

Comportamentos como esses criam distância e levam a encontrar, dia após dia, mais lealdade nos amigos do que na família.

– Às vezes, sentimos a obrigação moral de continuar mantendo contato com os membros da família que nos machucaram, que nos fazem sentir desconfortáveis, que nos julgam continuamente.

Eles são parentes e dizem ser da nossa família, é verdade, mas devemos levar em conta que a coisa realmente importante nesta vida é a felicidade e a conquista de um equilíbrio interior.

Paz interior.

Se esse ou esses membros da família violarem seus direitos, mantenha distância!

A maior virtude de uma família é se aceitarem exatamente como são, com harmonia, carinho e respeito.

*Via La Mente es Meravigliosa. Tradução e adaptação REDAÇÃO Seu Amigo Guru.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!