O maior erro que cometemos ao buscar a felicidade

O que você quer da vida? Você pode querer passar mais tempo com sua família. Ou tenha um emprego mais gratificante e estável. Ou talvez encontre sua cara-metade. Ou melhore sua saúde. No entanto, por que você realmente quer essas coisas?

É provável que sua resposta seja: ser feliz.

Nesse ponto, vale a pena perguntar: tem certeza de que essas coisas vão te deixar feliz?

Um experimento conduzido no Imperial College of Science revelou que não somos muito precisos em prever a intensidade de nossas emoções e sentimentos. Temos a tendência de pensar que eventos positivos nos deixarão muito felizes, mas então descobrimos que não foi tão ruim. Isso nos levaria a uma busca infrutífera pela felicidade que provavelmente acabaria levando à insatisfação, frustração e decepção.

Buscando felicidade na direção errada

Nossa cultura está tão obcecada em buscar a felicidade que presumimos que o desejo de ser feliz não precisa de justificativa. Nós consideramos isso um dado adquirido. Achamos que a felicidade é boa porque ser feliz é bom. No entanto, o filósofo Nat Rutherford questiona se é válido e sensato construir nossas vidas com base nesse raciocínio circular.

“No mundo moderno, a felicidade é a coisa mais próxima que temos de um summum bonum, o bem maior do qual fluem todos os outros bens. Seguindo essa lógica, a infelicidade se torna summum malum, o maior mal a evitar”, escreveu.

No entanto, um estudo desenvolvido na Universidade da Califórnia mostrou que a busca obsessiva pela felicidade está associada a um risco aumentado de depressão. Psicólogos da Universidade de Denver também descobriram que as pessoas que valorizam a felicidade mais relatam ser menos felizes em condições estressantes em comparação com aquelas que não dão tanta importância à felicidade.

Portanto, provavelmente…

um dos nossos maiores erros na busca da felicidade consiste em nos preocuparmos demais em ser felizes, a ponto de julgar todos os aspectos de nossa vida de acordo com sua contribuição para aquele estado emocional idealizado.

Estamos mais preocupados em como buscar a felicidade do que em tentar entender o que ela realmente é e em que medida é uma meta desejável na vida.

Desenvolvemos uma concepção limitada e muito pragmática de felicidade voltada mais para a busca de emoções positivas do que para o significado.

Quanto estamos dispostos a sacrificar para sermos felizes?

Em 1989, o filósofo Robert Nozick nos colocou um dilema: imagine por um momento que existe uma máquina que pode nos dar tudo o que queremos. Isso poderia cumprir todos os nossos desejos.

Podemos ser grandes escritores, inventores renomados ou empreendedores de sucesso. Poderíamos viver a vida com que sempre sonhamos, aquela que nos faria felizes. No entanto, essa máquina é na verdade um simulador, então teríamos que viver submersos em um tanque com eletrodos conectados ao nosso cérebro.

Você se conectaria a essa máquina para ser feliz?

Psicólogos das universidades de Groningen e La Soborna apresentaram o mesmo cenário para 249 pessoas. A grande maioria dos participantes decidiu não se conectar à máquina, rejeitando a suposta felicidade que ela lhes oferecia.

A possibilidade de tomar uma pílula diária que lhes proporcionasse experiências agradáveis ​​ao longo da vida convenceu apenas metade das pessoas. Em vez disso, quase todos optaram por tomar uma pílula que melhoraria seu funcionamento físico, cognitivo e social.

Este experimento revela que, embora estejamos imersos na busca pela felicidade, não estamos realmente dispostos a sacrificar tudo para ter experiências agradáveis. Nosso “eu” mais profundo realmente aspira a uma vida significativa que vai muito além da felicidade e frequentemente se conecta com o esforço.

Portanto, embora a felicidade seja desejável, não é a única coisa desejável. Entendê-la nos ajudará a nos livrar da “tirania da felicidade”, para que paremos de procurá-la obsessivamente, perdendo-a no caminho.

Aceitar o sofrimento, condição indispensável para encontrar a felicidade

Para Epicuro, a felicidade consiste em buscar o prazer e evitar a dor e o sofrimento. De acordo com esse filósofo grego, a ausência prolongada de dor nos dá paz de espírito ou ataraxia, um estado em que estamos “em paz conosco mesmos”.

No entanto, uma vida plena e satisfatória vai além de equilibrar esse contador de prazer e dor.

Na verdade, Friedrich Nietzsche nos lembra que muitas vezes estamos dispostos a sofrer ou enfrentar situações desagradáveis ​​se tivermos a certeza de obter uma recompensa.

“O homem não repudia o sofrimento como tal, ele até o busca, desde que um sentido seja mostrado a ele”, escreveu Nietzsche.

A visão de uma felicidade que depende fundamentalmente de nossos estados de ânimo, geralmente fugazes e influenciados pelas circunstâncias, inevitavelmente nos condena a viver em um estado de insatisfação em busca de uma quimera inatingível.

A vida, mesmo a das pessoas mais afortunadas, não escapa da dor, da perda, da decepção, da doença, da tristeza e da solidão. A dor é uma consequência inevitável de estar vivo.

No entanto, quando o sofrimento tem um propósito ou encontramos um significado nele, pode ser mais suportável. Na verdade, felicidade e sofrimento não são mutuamente exclusivos, mas sim dois lados da mesma moeda. Um não existe sem o outro, portanto, fugir do sofrimento não nos aproxima da felicidade.

Como buscar a felicidade por meio da e udaimonia?

Em vez de felicidade, Aristóteles preferiu falar de eudaimonia. Embora muitos traduzam essa palavra como “felicidade”, na verdade é um conceito mais parecido com “florescimento humano” ou “equilíbrio significativo”.

A visão de Aristóteles da eudaimonia é complexa porque abrange não apenas o que nos dá prazer, mas também a satisfação individual, a excelência, o comprometimento e a virtude moral.

Ao contrário da felicidade, a eudaimonia não é o resultado de nossos estados mentais – que muitas vezes são inconstantes – mas sim de levar uma vida significativa.

Se aplicarmos essa ideia à busca da felicidade, podemos entender que a chave não é nos perguntarmos o que nos faz felizes, mas o que nos preenche, nos permite crescer e nos faz sentido. As respostas a essas perguntas não costumam levar ao prazer epicurista e momentâneo, mas são projetadas no futuro, dando sentido às nossas vidas.

“Nenhuma vida digna de ser vivida deve atender ao padrão estabelecido pelas visões epicuristas ou utilitaristas de felicidade, de modo que seus seguidores modernos estão destinados a se desiludir com as imperfeições da vida humana”, escreveu Rutherford.

Portanto, florescer como pessoa por meio de ações significativas pode ser o segredo da felicidade, pois viria como resultado disso.

Almejar a eudaimonia nos permitirá abraçar nossas imperfeições e prosperar apesar delas, encontrando o que é significativo em nossa vida. A felicidade será um resultado lógico. Portanto, talvez não devêssemos nos perguntar o que nos faz felizes, mas o que é significativo para nós.

Fontes:

Rutherford, N. (2021) Por que nossa busca pela felicidade pode ser falha. In: BBC .

Hindriks, F. & Douven, I. (2016) Máquina da experiência de Nozick: Um estudo empírico.
Psicologia Filosófica; 31 (2): 278-298.

Ford, BQ et. Al. (2014) Procurando Felicidade Desesperadamente: Valorizar a Felicidade está Associado a Sintomas e Diagnóstico de Depressão. J Soc Clin Psychol ; 33 (10): 890–905.

Mauss, IB et. Al. (2011) A busca pela felicidade pode tornar as pessoas infelizes? Efeitos paradoxais de valorizar a felicidade. Emoção ; 11 (4): 807-15.

Sevdalis, N. & Harvey, N. (2007) Previsão enviesada de afeto pós-decisão. Ciências psicológicas ; 18: 678-681.

Nozick, R. (1989) The Experience Machine. In: University of Colorado.

*DA REDAÇÃO SAG. Traduzido do RP. Foto de Victória Neves no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!