Muitas vezes as histórias que lembramos de nossa infância não são tão felizes e repletas de amor como gostaríamos, e essas histórias, em alguns resultam em traumas e acabam refletindo em seus relacionamentos na vida adulta.
Ressignifique as suas histórias de dor, só assim poderá viver relações realmente felizes!

Nosso primeiro contato com o amor e nossos primeiros traumas acontecem quando ainda somos um embrião e corremos ao encontro do óvulo em uma competição acirrada rumo a conquista da vida!

O engraçado é que quando finalmente conquistamos nosso espaço na barriga da nossa mãe, comemoramos rapidamente o nosso primeiro contato com o amor e já começamos a contabilizar sensações e sentimentos que não são nossos, mas que absorvemos como tal, alguns sentimentos e emoções que causam boas sensações e um amor indescritível, mas muitos outros que geram uma imensa dificuldade de amar.

Esses sentimentos e emoções “desajustados” geram dúvidas e por isso, muitos de nós, deixamos de acreditar que somos merecedores de uma vida feliz repleta de amor, isso porque nos apegamos e damos maior peso às atitudes de falta de amor que nos causaram dor, desconforto, irritação e revolta.

Mesmo aqueles que se sentiram muito amados na fase embrionária, acabam se deixando levar por sentimentos que ainda precisarão aprender a lidar, e aqueles que se sentiram rejeitados, mal amados, também nessa fase, ou durante a infância, acabam consumindo mágoas, raivas, medos, inseguranças… que se misturam a vários outros sentimentos resultantes de emoções que trouxemos impregnados em nossa alma antiga….

Ao sermos gerados, passamos longos 9 meses absorvendo sensações que podem tanto nos transformar em pessoas fortes, ricas em amor e afeto, seguras e autoconfiantes para lidar com o mundo fora da barriga, como também podemos absorver sentimentos de culpa, desespero, insegurança, desamor, o que nos faz mais tarde, pessoas tristes e medrosas… com traumas diversos, que não conseguem sentir o sabor de viver e vivem em constante desarmonia em todas as áreas da vida!

Ressignifiquemos as nossas lembranças e deixemos o passado no passado, se preciso, façamos todas as espécies de terapias para que superemos e assim consigamos fazer do presente o nosso melhor momento, afinal, como Lulu Santos sabiamente cantou… “nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia… Tudo passa, tudo sempre, passará… A vida vem em ondas como o mar… NO indo e vindo do infinito… Tudo que se vê não é igual ao que a gente viu a um segundo, tudo muda o tempo todo no mundo. Não adianta fugir, nem mentir pra si mesmo, agora, há tanta vida lá fora, aqui dentro, sempre… Como uma onda no mar…

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Iara Fonseca
Jornalista, poeta, educadora social, fundadora e editora de conteúdo do Rede de Ideias: PRODUÇÃO DE CONTEÚDO. Seu interior é intenso, sempre foi, transforma suas angustias em textos que ajudam muito mais a ela própria do que a quem lê. As vezes se pega relendo seus textos para tentar colocar em prática aquilo que, ela mesma, sabe que é difícil. Acredita que viemos aqui para aprender a ser, a cada dia, um pouco melhor, para si mesmo, e para o outro!