Santa Clara já dizia: “Nós nos tornamos o que amamos, e quem amamos molda o que nos tornamos”.

Quando cheguei a uma escola da Ivy League, no coração do Meio-Oeste, os costumes da Nova Inglaterra eram novos para mim. Eu ainda não tinha aprendido a cultura e fiz um curso intensivo.

Joguei fora todas as minhas meias e aprendi a usar mocassins no velho estilo do casual despreocupado. Comprei um blazer azul-marinho e estudei a maneira descuidada com que meus professores enfiavam lenços de seda nos seus bolsos.

Nas aulas, fui apresentado a todos os tipos de novas ideias intelectuais e formas de pensar que eu nunca havia encontrado antes. Tive que me ajustar a essas ideias e aprender como reagir a elas e incorporá-las à minha maneira de pensar. Eu nunca tinha consumido um Martini, mas rapidamente aprendi a pedi-lo como se eu o bebesse há anos. Comecei a comer ostras cruas também.

A experiência de se reinventar

Foi uma época inebriante. Se você já teve a experiência de se reinventar, sabe como pode ser agradável desafiar a si mesmo e crescer. No início, é muito parecido com fingir.

Tenho certeza de que, como um jovem impetuoso, fui longe demais na pretensão e na fraude absoluta sobre quem eu realmente era, mas da maneira certa e na medida certa, há muito a ser dito sobre passar por essas experiências de crescimento, mesmo que nos sintamos estranhos.

Às vezes, precisamos experimentar novas expressões de nossa identidade, caso contrário, estagnamos.

Algumas fases pelas quais passamos nos ajustam bem, enquanto outras são silenciosamente descartadas. (Não me pergunte sobre minha adolescência e a banda punk de que fazia parte.)

Esses hábitos se tornaram parte de quem eu sou. Agora uso sapatos sem meias, regular e não ironicamente. Tornou-se tão habitual que nem penso nisso.

Agora que estou de volta ao Meio-Oeste, isso se tornou uma marca permanente da minha excentricidade, mas simplesmente não consigo me obrigar a usar meias novamente.

Somos todos especialistas em fingir. De certa forma, os adultos estão ainda mais comprometidos com o fingimento do que as crianças.

As crianças transitam claramente entre o real e o faz de conta. Os adultos, no entanto, são muito menos sofisticados.

Nos tornamos acidentalmente aquilo que fingimos ser – mesmo que não tenhamos a intenção de que isso aconteça. É por isso que devemos ter cuidado com o jogo que estamos jogando e pensar cuidadosamente sobre quem somos e quem queremos ser.

Quem somos e o que queremos ser

O que quero dizer é que, muitas vezes, temos uma imagem ideal de nós mesmos em nossas mentes, uma imagem que estamos nos esforçando para alcançar.

Há um longo caminho a percorrer, mas por meio de um ato de vontade, uma pessoa pode, com o tempo, realmente crescer para se adequar a essa imagem.

Por exemplo: meu objetivo na faculdade era aprender a me vestir e me apresentar como um adulto. Com o tempo, depois de agir e me vestir como um adulto, eu realmente cresci. A meta, aquele eu futuro que é imaginado, já estava presente na forma de uma semente a ser nutrida.

Agir, mesmo sem vontade

Até hoje, ainda tenho objetivos. Eu quero ser um cristão melhor. Quero ser uma pessoa que ora com naturalidade e alegria. Quero ser mais paciente com meus filhos e um pai mais atencioso.

Mesmo quando não estou com vontade, ajo como se eu já fosse essas coisas. Tento ser paciente com meus filhos, embora, por dentro, me sinta impaciente.

Tento orar com alegria, embora esteja lutando para manter o foco.

Com o tempo, descobri que fica mais fácil e, eventualmente, caio no hábito e me torno o que há tanto tempo procuro.

Santa Clara coloca isso muito bem:

“Nós nos tornamos o que amamos, e quem amamos molda o que nos tornamos. Se amamos as coisas, nos tornamos uma coisa. Se não amarmos nada, não nos tornamos nada.”

Somos formados pelo que nos cerca

Se desejamos viver uma vida bela, alcançar nossa visão ideal de quem podemos ser, começamos por nos cercar de beleza e bondade, passando tempo com pessoas que são dignas de nossa atenção.

Somos formados pelo que nos cerca – os amigos que admiramos, os livros que lemos, a música que ouvimos, a comida que comemos, a televisão que assistimos.

Então, passe algum tempo perto de pessoas que o enaltecem, que são gentis, atenciosas e o inspiram a imitá-las.

Nossos amores dizem muito sobre quem somos e, eventualmente, nossos amores nos transformam.

Portanto, cuidado com o que você ama!

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações Aleteia.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!