Por um momento eu me questionei: como pode ser amor se estou abrindo mão? Como posso amar alguém se estou tendo que ir embora? A resposta veio quando olhei pro espelho e pra dentro de mim: a gente vai embora não por deixar de amar alguém, mas pra não perder o amor por nós mesmos.

Ninguém dorme amando alguém e acorda deixando de amar. A distância, a falta, a irresponsabilidade, tudo isso machuca. Essas coisas afastam o amor. E aos poucos ele se transforma em algo que não vale mais a pena ser sentido ali. Naquela relação. Com aquela pessoa. Então você parte.

Mas não por essa ser a sua vontade, e sim, por parecer ser a coisa mais certa.

E que quando você descobre a leveza que o amor é capaz de proporcionar na tua vida, de dentro fora do teu corpo, você entende que não precisa se submeter a qualquer relação que te tire a paz.

E é por isso que você vai embora. Mesmo amando.

E é assustador quando chega o momento em que você percebe que não ama mais aquela pessoa que por tanto tempo, achou que fosse o amor da sua vida. Ou pior, que ainda ama, mas não dá mais.

É incrível como as coisas mudam, como o amor muda, nem sempre a gente fica com ”o amor da nossa vida”, um dia a gente percebe que amores da vida não doem.

E você vai entender o significado do amor quando precisar recolher o seu e seguir a sua viagem. Sozinho. Mesmo sem deixar de querer, mas precisar não querer mais porque dói ficar, dói querer, dói continuar amando aquela pessoa. A dor de partir parece melhor. e às vezes é.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Iandê Albuquerque
Sou recifense, 23 anos, apaixonado por cafés, seriados e filmes de romance, mas amo cervejas e novelas se houver um bom motivo pra isso. Dramático, intenso e extremamente intuitivo. Leio horóscopo, sorrisos e corações partidos. Escrevo cartas e me meto em dar conselhos, - até agora, eles tem servido como remédio pra muito gente.