Não tenha medo de ser rejeitado, críticas e desprezos dizem mais sobre o outro do que sobre você.

A rejeição não é um prato bom de saborear. Os sentimentos que experimentamos quando nos sentimos rejeitados não são agradáveis. Na verdade, já foi comprovado que ao se sentir rejeitado se ativa as mesmas regiões do cérebro que a dor física.

No entanto, algumas pessoas experimentam uma maior sensibilidade à rejeição do que outras. Essas pessoas podem perceber uma rejeição muito maior do que realmente existe e isso gera um nível de angústia e dor emocional que se torna avassalador e persistente. Nesses casos, é possível que essa pessoa sofra de uma disforia sensível à rejeição.

O que é disforia sensível à rejeição?

A palavra “disforia” significa insatisfação ou desconforto e refere-se a um estado geral de infelicidade, desesperança ou desconforto. A disforia sensível à rejeição não é um distúrbio psicológico em si, mas um intenso sentimento de infelicidade e transbordamento emocional que ocorre como resultado ao ser rejeitado e receber críticas.

Basicamente, vai além da sensibilidade à rejeição para se tornar uma reação exagerada à rejeição real ou percebida que decorre da hipersensibilidade. Isso significa que essas pessoas geralmente veem os eventos por meio desse filtro, portanto, mesmo comentários ou interações neutras em valência, em que a maioria das pessoas não se sentiria rejeitada, geram uma resposta exagerada.

De fato, o conceito de disforia sensível à rejeição tem pontos em comum com o construto de sensibilidade interpessoal, segundo o qual a pessoa mostra uma consciência e sensibilidade excessivas em relação ao comportamento e sentimentos dos outros. Pessoas com alta sensibilidade interpessoal estão particularmente preocupadas com situações de crítica ou rejeição, permanecem excessivamente atentas ao comportamento e humor dos outros e são excessivamente sensíveis a problemas nas interações interpessoais.

A disforia sensível à rejeição é frequentemente associada ao TDAH. Na verdade, o conceito foi cunhado na década de 1960 por Paul Wender, que foi o primeiro a reconhecer a desregulação emocional como um componente persistente, prevalente e altamente prejudicial do que hoje conhecemos como TDAH.

No entanto, novos estudos também associaram extrema sensibilidade à rejeição à depressão, ansiedade e transtorno de personalidade limítrofe. A verdade é que qualquer pessoa pode ser extremamente sensível à rejeição sem sofrer de algumas dessas condições psicológicas.

A origem da extrema sensibilidade à rejeição

Um estudo realizado na Universidade da Califórnia indicou que a extrema sensibilidade à rejeição pode se desenvolver como resultado de uma experiência de ter sido rejeitado na infância ou no decorrer da vida, negligência ou abuso.

Em termos gerais, pode ser o resultado da exposição a situações em que os atos físicos ou emocionais de outros, sejam abertos ou encobertos, ativos ou passivos, comunicaram rejeição.

Essas experiências podem explicar as diferenças nas respostas do cérebro à rejeição. Neurocientistas da Universidade da Califórnia também descobriram que pessoas com disforia sensível à rejeição tinham atividade aumentada no córtex cingulado anterior dorsal em resposta a expressões faciais de desaprovação, mas não a expressões faciais de raiva ou desgosto.

Essa descoberta sugere que, no nível neural, pessoas com maior sensibilidade à rejeição podem ser mais sensíveis a expressões faciais potencialmente rejeitadas, mas não a expressões faciais ameaçadoras em geral.

Portanto, a disforia sensível à rejeição pode ser qualitativamente diferente da sensibilidade geral à ameaça.

É provável que experiências de vida potencialmente traumáticas e relacionadas à rejeição tenham gerado uma resposta de ativação de um sistema nervoso hipersensível que pode fazer com que a pessoa reaja mais fortemente a ameaças e críticas.

O problema é que, uma vez instalada, essa hipersensibilidade se perpetua, levando as pessoas a processar informações de maneiras que priorizam a detecção e a resposta rápida às ameaças de rejeição, tornando-se defensivas.

De fato, a disforia sensível à rejeição envolve três mecanismos diferentes:

1 – Expectativa ansiosa de rejeição ou crítica;

2 – Percepção ligeiramente distorcida e rápida de rejeição ou crítica;

3 – Reação emocional exagerada à rejeição ou crítica;

Sinais de Disforia Sensível à Rejeição

A Disforia Sensível à Rejeição não é sobre ter a pele muito fina ou ser o rei do drama, a pessoa realmente experimenta uma dor genuína e intensa por se sentir rejeitada. Alguns dos sinais mais comuns são:

– Alta sensibilidade e apreensão sobre a possibilidade de ser rejeitado, criticado ou excluído que gera ansiedade.

– Experimentando uma reação física de desconforto com frequência devido a uma sensação de não se encaixar ou ser mal compreendida, algumas pessoas podem sentir náuseas ou um nó no estômago, enquanto outras têm dor no peito ou palpitações.

– Necessidade de aprovação e validação que faz com que a autoestima dependa do que os outros pensam, gerando intensa frustração e infelicidade quando não é recebida.

– Pensamentos ruminantes incessantes e negativos de ser rejeitado, que podem durar dias após o evento, causando considerável desgaste emocional.

– Respostas emocionais exageradas a uma ofensa percebida, como choro ou raiva descontrolada.

As pessoas que são altamente sensíveis prestam muita atenção aos detalhes nas relações interpessoais e muitas vezes tiram conclusões precipitadas fora do contexto que validam seu medo de rejeição.

Um atraso na resposta a uma mensagem, por exemplo, será percebido como uma rejeição.

Como resultado, eles tendem a insistir no que disseram ou fizeram “errado”. Eles também costumam se auto-sabotar e acabam afastando a outra pessoa porque sua atitude defensiva transmite a ideia de que não estão interessados ​​na interação.

Algumas pessoas com disforia podem manifestá-la continuamente duvidando de suas ações e buscando confirmação de outras pessoas.

Outros podem ficar tímidos e se isolar para evitar ser rejeitados. Algumas pessoas muito controladoras também podem ter disforia, já que controlar os outros é a maneira de impedir que os abandonem.

As 5 chaves para lidar com a hipersensibilidade à rejeição sem quebrar

Aceite a rejeição como parte da vida. Embora seja difícil de administrar, críticas e reprovações fazem parte da vida. Nem sempre podemos evitar essas situações, por isso é melhor entender que não podemos nos encaixar com todos, em todos os lugares e em todas as circunstâncias.

Concentre-se no círculo de apoio. Não se trata de nos isolarmos em nossos círculos de confiança, mas de equilibrar nossa visão e entender que, assim como existem pessoas que nos apoiam, também existem pessoas com as quais não nos encaixamos. Isso nos ajudará a eliminar a negatividade ligada à hipersensibilidade à rejeição.

Pratique a atenção plena. A atenção plena pode nos ajudar a reconhecer os pensamentos e sentimentos que experimentamos diante de críticas ou sentimento de exclusão, mas sem nos apegarmos a eles. Dessa forma, evitaremos cair em um loop tóxico.

Resposta de atraso. Para lidar com a disforia temos que aprender a controlar os primeiros impulsos. Trata-se de aprender a responder, em vez de apenas reagir. Esperar alguns minutos pode nos dar o tempo necessário para avaliar se nossa reação é proporcional à situação ou se estamos exagerando.

Cuide-se e ame-se. A sensibilidade decorre principalmente do foco nos outros. No entanto, quando mudamos o foco para nós mesmos, tudo muda. Se aprendermos a nos tratar com amor e respeito, seremos menos dependentes da validação externa, teremos menos medo de ser rejeitado ou de críticas, isso tudo nos afetará menos.

Não tenha medo de ser rejeitado, críticas e desprezos dizem mais sobre o outro do que sobre você. Tenha em mente quem você é.

Fontes:

Bedrossian, L. (2021) Compreender e abordar as complexidades da disforia sensível à rejeição em alunos com TDAH. Conformidade com Deficiência para o Ensino Superior ; 26(10): 4.

Gao, S. et. Al. (2017) Associações entre sensibilidade à rejeição e resultados de saúde mental: uma revisão meta-analítica. Revisão de Psicologia Clínica ; 57: 59-74.

Berenson, KR et. Al. (2009) Sensibilidade à rejeição e interrupção da atenção por sinais de ameaça social. J Res Pers ; 43(6): 1064-1072.

Ayduk, O. et Al. (2008) Aplicando a abordagem de sistemas de processamento cognitivo-afetivo para conceituar a sensibilidade à rejeição. Bússola da Psicologia Social e da Personalidade ; 2(5): 2016-2033.

Burklund, LJ et Al. (2007) A face da rejeição: A sensibilidade à rejeição modera a atividade do cíngulo anterior dorsal a expressões faciais de desaprovação. Neurociência Social ; 2(3-4): 238-253.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações RT. Foto de Daniel Franco no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!