Não se crucifique pelo que passou, o tempo trará as respostas!

Se preserve quando necessário, se respeite, se negue ao que pode acabar mal.

Se agarre em sua fé, não importa qual seja o estágio da sua espiritualidade.

Você está aprendendo! Está crescendo! Está progredindo conforme o trajeto que se faz e com as coisas que fez.

Se compreenda um pouco mais a cada dia!

Mesmo com a quantidade de dúvidas e questionamentos, o tempo trará as respostas, coisas se inverterão!

Você vai ter que desvendar os mistérios que rodeiam seu mundo, seu coração, sua casa interna.

Vai ter sol, vai ter chuva. Vai ter um tempo mais ameno, vai ter silêncio e reflexão.

Se cuide e seja alguém que ainda gosta de admirar estrelas, que enxerga o lado bom das coisas e que não quer deixar de sentir novas sensações, novas amizades, e viver novos amores.

Não se crucifique pelo que passou. Talvez sua linha de raciocínio não seja igual ao do outro.

Talvez você não queira coisas momentâneas e nem ficar sentado esperando o que não vem.

Continue. Construa-se, desconstrua-se.

Se valorize, e acima de tudo, dê-se o direito de sentir paz e serenidade.

Busque a luz do caminho.

Não se vicie em viver nas sombras se você pode encontrar o arco-íris.

Há um lugar guardado na alma de outro alguém que também te busca.

Alguns reencontros te trarão plenitude e rejuvenescimento.

Deixe acontecer, viva intensamente!

Não passe por essa vida sem ter o que contar, sem ter o que relembrar, sem ter o que sentir.

Aproveite para renovar o olhar e o viço da alma.

Sua história é agora. Escreva um novo capítulo e torça sempre por um final feliz!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Sil Guidorizzi
Sou Paulista, descendente de Italianos. Libriana. Escritora. Cantora. Debruço-me sobre as palavras. Elas causam um efeito devastador em mim. Trazem-me â tona. Fazem-me enxergar a vida por outro prisma. Meu primeiro Livro foi lançado em Fevereiro de 2016. Amor Essência e Seus Encontros pela Editora Penalux. O prefácio foi escrito pelo Poeta e Jornalista Fernando Coelho. A orelha escrita pelo Poeta e jornalista Ivan de Almeida. O básico do viver está no simples que habita em mim.