Não resista às mudanças! Resistir só gera mais tristezas.

A Natureza da Mudança: Encontrar o previsível no imprevisível.

“A vida é uma série de mudanças naturais e espontâneas. Não resista a eles – isso só cria tristeza. Deixe a realidade ser realidade. Deixe as coisas fluírem naturalmente da maneira que quiserem.” – Lao Tzu

A vida acontece, e o que acontece é algo chamado mudança. Algumas mudanças são resultado da biologia e da passagem do tempo, dentro do ciclo natural ou da ordem das coisas. Outras são autogeradas, sob nosso próprio controle e esforço obstinado, ou dependem de encontros com outras pessoas significativas – família, amigos, colegas e íntimos. Ainda assim, outras mudanças ocorrem como resultado das circunstâncias ou do destino, um proverbial “encontro com o destino”.

Nossas experiências são focadas externamente ou internamente; eles seguem um padrão linear, regulado pelo tempo cronológico, espaço e estrutura social, ou transcendem o tempo comum e emergem das profundezas de nossa psique e de nossos próprios esforços internos.

Eles podem ser sutis e graduais, fáceis e bem-vindos, ou difíceis e exigentes.

Podemos enfrentar a mudança com aceitação e graça, ou com protesto e resistência.

O significado pessoal de cada mudança ocorre quando decidimos fazer mudanças. Isso significa que passamos do estado passivo de apenas observar como as coisas se desenrolam para tomar alguma ação que nos permite utilizar a mudança para criar um resultado de nossa própria escolha.

Mudar nosso foco do que acontece (os próprios eventos) para o que fazemos com o que acontece é outra maneira de descrever a transição

.

Em última análise, a maneira como fazemos a mudança é nossa escolha e responsabilidade pessoais.

O perigo de passar por uma mudança sem nos permitir experimentá-la verdadeiramente é que a transição por meio da mudança pode não ocorrer de fato.

Se ficarmos muito desconfortáveis ​​para manter o curso durante a transição, muito ansiosos para resolver o problema, podemos perder a mensagem e o efeito transformador que a acompanha.

Mudança sem transição pode servir apenas para recriar velhos cenários e reforçar velhos padrões de comportamento. Para que a mudança tenha um efeito salutar sobre nós, precisamos aprender a trabalhar efetivamente com ela e não correr para o outro lado quando ela se apresentar.

Tudo muda o tempo todo, assim nos dizem os antigos filósofos e místicos.

O I Ching, o Livro das Mutações, é um texto chinês clássico que serviu como ferramenta para a tomada de decisões e para prever o futuro por mais de cinco mil anos.

Embora tudo seja transitório, mudando continuamente, o conceito de mudança e seu processo evolutivo seguem as leis naturais básicas, que por suas propriedades cíclicas e repetitivas tornam a mudança essencialmente imutável.

O I Ching é composto de um sistema de símbolos cujo objetivo é nos ajudar a encontrar ordem nas ocorrências aleatórias da vida.

Basicamente, todas as situações na vida passam por seis estágios mutáveis, mas previsíveis, que são espelhados em cada símbolo do I Ching: surgindo, começando, expandindo, movendo-se em direção ao potencial mais elevado, atingindo o potencial máximo e descendo em direção ao oposto.

Os antigos reconheceram que toda a vida segue o ritmo do universo. É a pessoa sábia que internaliza esse ritmo, se harmoniza com o “que tudo circunda” e conforma o que faz com o fluxo da vida, o Tao.

Embora a mudança possa interromper o fluxo normal de nossa vida diária e prejudicar nosso funcionamento normal, ela também nos dá a oportunidade e o desafio de examinar nossas vidas e alterar seu curso, se assim escolhermos. Ou para manter o curso, fazendo melhores escolhas e decisões na vida que já vivemos.

Afastar-nos muito rapidamente do que a mudança tem a oferecer pode nos privar de obter insights valiosos ou de sermos presenteados por uma lição poderosa.

A chave aqui é entender que a mudança é a regra, não a exceção.

Quando aceitamos e dominamos esse conceito, é muito mais fácil ajustar nossas vidas de acordo com ele, com o conhecimento e a confiança de que estamos sendo carregados em seu fluxo.

Colocando as mudanças de lado por um momento, vamos nos voltar para a outra peça essencial da equação – a complexidade do desenvolvimento da personalidade individual.

O desenvolvimento saudável da personalidade é determinado pela interação complementar de três sistemas organizacionais: o corpo (soma), o psíquico (psique) e o comunitário ou social (ethos).

Abundam as teorias do desenvolvimento da personalidade, mas é a teoria fundamental do psicanalista Erik Erickson que pode nos ajudar a compreender melhor as mudanças no contexto de todo o ciclo de vida.

Sua teoria ajuda a iluminar e esclarecer como um indivíduo encontra e processa mudanças intrínsecas e, por inferência, pode contribuir para um entendimento sobre se um indivíduo é ou não capaz de se levantar para a tarefa de fazer mudanças para si mesmo no mundo.

Este é um resumo dos oito estágios psicossociais e das crises e qualidades do ego que acompanham cada estágio do ciclo de vida.

Cada uma dessas crises representa um período de potencial elevado e uma virada na vida.

Idealmente, o domínio de cada estágio e da crise associada produz a força do ego, ou qualidade do ego.

Para Erickson, conflito e crise são positivos e necessários; eles são “fontes de crescimento, força e compromisso”. Mas mesmo que um indivíduo falhe em completar uma determinada tarefa, levando-a inacabada para estágios futuros, cada estágio subsequente fornece recursos adicionais e oportunidades para resolver antigos conflitos e crises.

Além da teoria, no entanto, existem muitos fatores práticos que influenciam se e como nos envolvemos na mudança.

O temperamento, a nossa disposição desde o nascimento – quer sejamos descontraídos e adaptáveis, ou sérios, tímidos e medrosos, ou difíceis e inflexíveis – podem colorir a forma como vemos e engajar o mundo e nos influenciar no avanço.

A socialização precoce desempenha um papel enorme.

Os pensamentos, atitudes e comportamentos de nossos pais e de outras pessoas importantes podem influenciar muito o que pensamos e sentimos, bem como o modo como nos comportamos.

Por exemplo, pode-se ver facilmente como o amor, a aceitação e o otimismo estimulam a confiança e a esperança em oposição à crítica, ao julgamento, ao ridículo, ao pessimismo e até ao abuso.

O sistema de crenças da família e da comunidade é invariavelmente “herdado” pelo indivíduo; as crenças da “tribo” são frequentemente programadas desde o início da vida.

O medo de fazer mudanças e correr riscos são, muitas vezes, crenças limitantes adquiridas.

As crenças limitantes sobre a mudança, como lidamos com a mudança e o que realmente somos capazes de fazer, podem precisar ser abordadas, alteradas ou mesmo descartadas ao longo do caminho.

Nossas experiências de vida cumulativas, o que aprendemos por meio de transições sucessivas, nos dá as ferramentas necessárias, habilidades e sabedoria adquirida.

Uma vez que até mesmo a ideia de mudança para muitos de nós é muitas vezes opressora e provocadora de ansiedade – e para alguns de nós, algo a ser evitado a todo custo – espero que esta visão geral tenha deixado sua mente à vontade sobre a perspectiva de mudança e a realidade processo de passar por ele.

*Foto de Ehimetalor Akhere Unuabona no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!