Admiro tanto que acabo tendo a pretensão de querer ser como ele. Já me peguei cantando para ele os versos de Tom Jobim: “Não há você sem mim e eu não existo sem você!” Ele sorri quando eu canto.

Meu melhor amigo me ensina a ser humano.

Ele me ensina que a vida é uma orquestra linda, mas dói.

Ele me ensina a apreciar os acordes tristes… e aí dói menos.

A beleza distrai a tristeza.

Foi assim que eu assisti à sua morte na Sexta-feira Santa.

Eu sabia que era passageira.

Era apenas um interlúdio feito de acordes menores, dilacerantes de tão tristes.

Meu amigo não sabe ser morto.

Ele gosta é de ser vivo, vivente!

E é assim que eu entendo a dinâmica da Ressurreição.

Quando digo: “Ele está no meio de nós!” eu estou convidando o meu amigo a ser vivo através de mim.

Quem ama, de verdade, leva sempre a criatura amada por onde vai.

E é assim que o amor vai se tornando concreto no meio de nós. É assim que a vida vai ficando eterna… e a gente vai ressuscitando aos poucos…

As pessoas olham para mim… eu espero que elas não me vejam… eu espero que vejam o meu melhor amigo, em mim.

*Via Pde Fábio de Melo

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!