Não há problema em se afastar daqueles que não sabem te amar

Por Bianca Sparacino

Como seres humanos, às vezes temos que nos permitir ir embora, abandonar nosso amor, ser honestos e conscientes com nossos corações e compreender quando algo simplesmente não está mais funcionando.

No entanto, isso em si é uma coisa extremamente difícil de fazer. É difícil aceitar o fato de que você pode ter que abrir mão de algo que antes lhe trouxe tanta alegria. É difícil parar de se importar.

Começa assim: você conhece alguém e se preocupa profundamente, vê tanto potencial nele, inicia um relacionamento, ou uma amizade com ele, e as coisas são realmente lindas, nos sentimos esperançosos.

Existe uma conexão e você se sente valorizado, e você faz planos com essa pessoa e vocês têm piadas internas e você dá a ele muito do seu coração. E às vezes isso dura, e isso é algo que acho que todas as pessoas desejam na vida. Mas como seres humanos que estão em constante mudança, como seres humanos que estão constantemente sendo confrontados com as maneiras pelas quais a vida tenta nos por a prova, como seres humanos que estão lidando com tantos mundos diferentes dentro de nossas próprias mentes, tantas dificuldades e experiências diferentes – às vezes as coisas mudam. A vida transforma nossos corações.

Portanto, quando você tem empatia ou é o tipo de pessoa que ama profundamente, ir embora pode ser um processo muito longo, pode ser dolorosamente difícil.

Quando você ama com todo o coração, pode ser fácil dar desculpas pelo jeito que alguém te faz sentir, apenas para mantê-lo em sua vida. E a verdade é que muitas pessoas altamente sensíveis e empáticas compreendem isso de um nível profundo e enraizado e, muitas vezes, elas enxergam no outro um reflexo do que elas próprias passaram.

Veja, aqueles que amam os mais duros e que são as almas mais gentis, muitas vezes viveram em um mundo que não era tão bom para eles e amaram pessoas que nem sempre protegeram seus corações.

Eles entendem o que significa ser o tipo de pessoa que foi decepcionada, eles sabem o que é ser afastado, questionar seus corações por causa disso, e dentro disso pode ser extremamente confuso decidir se deve ficar ou lutar, pode ser extremamente difícil se dar permissão de se separar apenas para fazer algo funcionar.

Você quer acreditar tão desesperadamente no potencial do outro e na esperança que têm dentro de si, que deseja desesperadamente proteger alguém de ter que sentir o que sentiu, de ter que passar por isso também.

E assim você fica.

Esse tipo de pessoa deseja desesperadamente proteger alguém de nunca ter que se sentir da maneira que eles se sentiram, de nunca ter que passar por isso.

Mas em que ponto isso se torna auto-sabotagem?

Em que ponto preocupar-se profundamente com outro humano passa a significar que você não está mais se preocupando consigo mesmo?

É importante que os empatas entendam que ir embora não significa que estão desistindo de alguém.

Às vezes, temos que entender que ir embora pode ser o melhor presente que damos a alguém e a nós mesmos, porque nos ajuda a aprender lições dentro de limites, nos ajuda a crescer e vice-versa.

Se permanecermos em relacionamentos que traz problema atrás de problema, se continuarmos a amar alguém pela conveniência ou para acalmá-lo, estamos realmente dando a ele o espaço para crescer?

O espaço para encontrar o tipo de amor que será genuinamente o amor certo para ele em qualquer estação ou estado em que esteja no momento?

Porque a verdade é que às vezes o amor muda.

O problema é que nós adicionamos muita negatividade ao afastamento.

Quando você se preocupa profundamente, fica tão preocupado em machucar alguém que começa a se sentir mal por criar limites, por pedir o que você precisa – mas isso não serve para você, e não serve para o relacionamento, porque isso não é saudável. E isso não é culpa de ninguém.

Alguém pode ser uma pessoa absolutamente incrível. Alguém pode ser o amor da sua vida por anos e pode lhe ensinar muito, e fazê-lo crescer muito, e fazer muito por você, e ajudá-lo em suas temporadas, mas você ainda pode chegar a um ponto em que o faz não ver um futuro com ele, ou você pode chegar a um ponto em que precisa ir embora.

Está tudo bem. Nós nos afastamos por muitos motivos, superamos as pessoas por muitos motivos, e é normal fazer isso.

Você tem que entender que você não é uma pessoa má por não ser capaz de fazer as coisas funcionarem. Você não é uma pessoa ruim por precisar ir embora.

Mas porque pode haver muita confusão mental quando se trata de amar profundamente e ter que ir embora, às vezes temos que classificar como nos sentimos em um relacionamento e aprender como ter compaixão por nós mesmos nesses momentos.

Em vez de se convencer de que está tudo bem, que você precisa se agarrar e se esforçar mais e se segurar firmemente a esse relacionamento, é importante avaliar se você deve ficar ou se deve ir, e eu escrevi algumas maneiras de você aprender como determinar se você deve ou não manter alguém em sua vida, se o seu amor lhe deu tudo o que pode ou não.

Eu acredito firmemente que você precisa ir embora, não quando acaba o amor, mas quando você perceber que não há crescimento. A falta de crescimento é o grande problema.

Determinar a hora de ir embora é o começo de tudo, porque vai te ajudar a parar de associar o quanto você sente, o quão profundamente você se importa, etc com o quão profundo um relacionamento deve ser em sua vida.

Você pode se importar profundamente com alguém e deixá-lo ir.

Você pode se importar profundamente com alguém e entender que precisa de espaço.

Você pode cuidar profundamente de alguém e superá-lo.

Em primeiro lugar, pergunte-se – como essa pessoa me faz sentir?

Acho que uma das maiores maneiras de determinar se você precisa ou não continuar a colocar sua energia em um relacionamento, ou a maneira mais importante de determinar se você superou alguém, é simplesmente conectar-se com a forma como essa pessoa o faz sentir.

Você não se sente bem depois de estar com ele.

Um relacionamento positivo deve ser edificante. Claro, você enfrentará algumas dificuldades ao longo do caminho, mas um relacionamento saudável é principalmente uma experiência construtiva. Vocês devem aceitar um ao outro – dar apoio e ser responsivo.

Você muda quando está com ele?

Você sente que tem que ser mais disso ou menos daquilo para o fazer feliz?

Você nunca deve sentir a necessidade de ser outra pessoa apenas para agradar alguém.

Um sinal de que um relacionamento precisa ser superado está presente sempre que você sente que tem medo de crescer e se tornar a pessoa que você foi inspirado a se tornar.

Você não terá que se aquietar, ou a maneira como ama, ou a maneira como se preocupa, ou as coisas que deseja na vida, a fim de manter alguém por perto. Não precisa mascarar o problema em que se encontra.

No final do dia, às vezes as pessoas em sua vida vão querer coisas diferentes, e tudo bem. É uma questão de determinar se essa diferença é algo violável, ou se essa diferença é pedir que você comprometa partes realmente importantes de si mesmo para manter esse amor em sua vida.

Você sente que pode ser você mesmo? Como você é visto?

Você sente que está crescendo?

Como se você tivesse alguém ao seu lado que deseja crescer com você, e crescer de maneira individual também. Alguém que está animado para ver as maneiras como você está trabalhando para atingir seus objetivos, alguém que os compreende e compreende o quão profundamente você está se esforçando e tem orgulho de você lá, e o mantém lá, e não faz você se sentir mal por querer transformar e evoluir.

As pessoas em sua vida deveriam estar maravilhadas com sua evolução, deveriam encorajá-la, porque mudar e crescer só vai atrapalhar os relacionamentos que não estão dispostos a crescer com você.

Se houver tensão, se você sentir que precisa se conter porque está com medo de perder alguém, porque sua grandeza seria um problema, porque o que você quer é muito grande para alguém segurar, então essa é uma bela bússola para se afastar.

Se o amor só funciona quando você está operando a partir de um estado de carência, quando você não é capaz de assumir totalmente quem deseja ser, então esse tipo de amor se beneficia por você ser uma versão inferior de si mesmo.

Uma versão mais silenciosa de você mesmo.

Uma versão menos evoluída de você mesmo.

Uma versão de você mesmo que está tentando superar seus limites, mas sendo solicitada a permanecer confinada a algo que quer mantê-la pequena, preservada ou protegida com conforto. E onde isso deixa você? Qual é esse custo?

Quando você sente que não consegue expandir um relacionamento, fica genuinamente feliz?

Esse é um problema que precisa ser superado.

Seu relacionamento tem uma base de compaixão?

Embora a química e os valores compartilhados sejam importantes, no final do dia, relacionamentos sólidos são construídos sobre a compaixão que existe entre duas pessoas.

A bondade é o que mantém os relacionamentos juntos. É a bondade e boa vontade um para com o outro. É estar do lado do parceiro, é estar no time dele.

É a disposição de perdoar as falhas, de ter graça por elas e seus erros e de encontrar compreensão e resolver os problemas de um lugar de empatia.

É o apoio, a admiração, o respeito, a dedicação e o compromisso que vocês têm um com o outro. E quando você supera alguém, você pode começar a ver todas as maneiras pelas quais você talvez tenha perdido isso em um relacionamento.

Isso não acontece o tempo todo, o problema é que a bondade geralmente não desaparece da noite para o dia; ela se desgasta lentamente com o tempo. É sobre isso que falamos quando dizemos que superamos certos relacionamentos na vida.

Às vezes, podemos estar apaixonados por uma pessoa, mas não pela maneira como ela nos trata ou nos vê.

Às vezes, podemos estar apaixonados por uma pessoa, mas conforme a vida e a experiência ocorrem, perdemos nossa bondade uns para com os outros.

Os comportamentos que geralmente indicam que a bondade pode estar diminuindo incluem irritabilidade, raiva, distanciamento, maldade e falta de respeito de qualquer tipo. E, infelizmente, uma vez que essa bondade se esvai, uma vez que você sente que não pode aparecer totalmente como é, ou pedir o que você precisa, ou mesmo fazer a menor coisa sem sentir que está pisando em ovos, ou que vai ficar chateado alguém, ou como se ele simplesmente não consegue ver as coisas de sua perspectiva – o relacionamento se torna um terreno fértil para a dor.

É assim que penso que muitos de nós machucamos uns aos outros.

Sufocamos o nosso amor, não nos afastamos, e acabamos em conexões que nos quebram, onde não nos sentimos emocionalmente seguros ou cuidados, onde o calor se esvai no comodismo, e onde nos iludimos e não enxergamos o problema.

Este é um sinal revelador de que você precisa superar alguém.

Se você sentir que não é respeitado, se você sentir que alguém simplesmente presume que você vai ficar por perto e alimentá-lo e se apegar nele só porque está junto com ele por um período de tempo, apenas porque você é leal e dedicado, isso não está certo.

Você não deve permitir que você mesmo seja maltratado ou amado pela metade, você não deve permitir que alguém se safe fazendo você se sentir chateado o tempo todo, ou não digno, ou deixar que ele te machuque com suas ações, suas palavras, etc porque muitas vezes acabamos machucando aqueles que mais amamos, de quem somos mais próximos, porque de uma forma estranha, essas são as pessoas que nos querem por perto, essas são as pessoas que lutam mesmo que não mereçamos.

E então, se este é você, você precisa entender que embora possa ter muito carinho e amor em seu coração por este relacionamento e esta pessoa, isso não está protegendo seu coração, não está promovendo bondade dentro do relacionamento.

E você merece mais que isso. Esse é um problema em sua vida? Então é hora de se afastar.

*DA REDAÇÃO SAG. Tradução e adaptação. Com informações Thought Catalog.*Foto de Ravi Roshan no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!