Não existe distância quando uma alma cuida da outra, quando se capta o que o outro sente.

Um breve sorriso, um abraço apertado, um toque leve na alma fazem milagres dentro da gente.

Tenho certeza que em algum lugar há um anjo de luz lhe protegendo, há um ombro amigo, há alguém disposto a lhe acolher e lhe ouvir.

O mundo, embora doente, ainda mantém sentimentos bons espalhados pelo universo, pelas proximidades, pelo desejo de paz e compreensão.

Ele ainda reaproxima pessoas com a mesma sintonia, com a mesma necessidade de busca de auxílio ao próximo.

A porta certa sempre se abre no momento exato; o olhar humano que não se envaidece e se preocupa, sempre vai se encontrar com o seu.

Não ligue se alguns azedumes cruzarem o seu caminho ou se lhe derem indiferença ao invés de amor.

“Acho que algumas pessoas são escolhidas a dedo. São enviados do bem”.

Mesmo diante dessa multidão de rostos desconhecidos, desses lugares que atravessam oceanos, desse desejo de se encontrar, haverá sempre um coração amigo pronto a te receber.

Deus ensina essas pessoas a serem simples sem viverem dentro de uma vestimenta de julgamento, sem que te derrubem e espalhem suas feridas, suas angústias, seus sonhos mais bonitos que esperam pra nascer.

ELE as ensina a abrirem espaço para outras se chegarem, se sentarem e a se sentirem confortáveis diante do que são.

Não existe tempo fechado, nem distância pra quem lhe encobre com um manto de luz e fraternidade.

Não se apegue à regra, à imposição, à suposição.

Não se frustre e nem se entristeça.

Sempre haverá atitudes dignas, amáveis e verdadeiras, vindas do amparo de outro coração que cuida da gente e para isso não existe distância que impeça.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Sil Guidorizzi
Sou Paulista, descendente de Italianos. Libriana. Escritora. Cantora. Debruço-me sobre as palavras. Elas causam um efeito devastador em mim. Trazem-me â tona. Fazem-me enxergar a vida por outro prisma. Meu primeiro Livro foi lançado em Fevereiro de 2016. Amor Essência e Seus Encontros pela Editora Penalux. O prefácio foi escrito pelo Poeta e Jornalista Fernando Coelho. A orelha escrita pelo Poeta e jornalista Ivan de Almeida. O básico do viver está no simples que habita em mim.