Não é a mesma coisa se sentir culpado e ser culpado! A culpa é um dos sentimentos mais angustiantes e paralisantes que podemos experimentar.

Uma vez que nos culpamos, ela se agarra à consciência e fica difícil nos separar dela. Como uma hidra de mil cabeças, ela geralmente volta mesmo quando a consideramos ausente.

O pior é que podemos sentir-nos culpados por praticamente tudo, pelo que fizemos ou deixamos de fazer, pelo que pensamos ou sentimos, pelas palavras ditas ou que silenciamos …

Na verdade, não é estranho que a culpa nos consuma, pois somos filhos de uma “cultura da culpa” que há séculos arrasta o pecado original. Portanto, todos nós acreditamos que devemos expiar uma culpa, mesmo que não estejamos muito claros sobre sua razão de ser.

O engraçado é que a cultura ocidental planta a semente da culpa em nós desde muito jovem. Outra pesquisa descobriu que crianças americanas de 2 e 3 anos já desenvolveram uma tendência maior de se sentirem culpadas depois de cometer uma ofensa do que as crianças taiwanesas.

Não é a mesma coisa se sentir culpado e ser culpado

A culpa assume muitas formas, quase tantas quantas pessoas e situações. No entanto, de um modo geral, podemos experimentar cinco tipos principais de culpa:

1. Culpa “saudável”

É sobre se sentir culpado quando fazemos algo errado. Pode ser devido a danos que causamos a outra pessoa – seja intencionalmente ou não – ou até mesmo uma violação de nosso próprio código de ética. Podemos nos sentir culpados, por exemplo, por mentir ou xingar. Também tendemos a nos sentir culpados quando voltamos a velhos hábitos prejudiciais que pensávamos estar definitivamente enterrados no passado, como fumar ou beber.

Esse tipo de culpa não é negativo em si- ou pelo menos não tão negativo. Se tivermos feito algo errado, a culpa nos avisa. Ativa o sentimento de responsabilidade pelo dano causado e gera um sentimento de remorso ou arrependimento, um estado psicológico que nos leva a tentar reparar o que fizemos de errado.

Nestes casos, o mais importante é não nos recriminarmos demais e assumir uma atitude proativa para compensar o nosso erro. Podemos nos desculpar com a pessoa e / ou pensar no que devemos fazer para evitar que nos comportemos dessa forma novamente. Caso encerrado.

2. Se sentir culpado por negligência

É esse tipo de culpa que sentimos quando não fazemos algo que deveríamos ou gostaríamos de fazer. É a culpa que sentimos quando, por exemplo, sabemos que o dever nos chama, mas decidimos fazer outra coisa que seja mais agradável ou satisfatória.

Nos sentimos assim quando procrastinamos ou atrasamos decisões importantes e as coisas acabam dando errado. Na verdade, esse tipo de culpa geralmente é gerado pela inação, quando não exercitamos o autocontrole e sucumbimos aos nossos primeiros impulsos.

Se sentir culpado pela procrastinação é difícil de administrar porque, a rigor, não fizemos nada de errado, o problema é que nos punimos pelo que deixamos de fazer.

Nós nos punimos por preguiça ou indiferença. Ou talvez porque não fomos capazes de antecipar as consequências de nossa negligência.

Para nos libertarmos desse tipo de culpa, devemos reconhecer esses pensamentos desagradáveis ​​e aceitá-los, mesmo que no início nos façam sentir mal. No longo prazo, a aceitação radical se mostrará libertadora.

3. Culpa imaginária

A culpa tende a nos arrastar para um terreno escorregadio, que muitas vezes, surge de crenças irracionais. Portanto, se estivermos convencidos de que fizemos algo errado, nos sentiremos tão culpados como se o tivéssemos feito de fato algo condenável.

Algumas pessoas, por exemplo, podem se culpar por se distanciarem de outras pessoas, supondo que tenham feito algo errado, quando na verdade não o fizeram, pelo contrário, sofreram atos abusivos.

Muitas vezes, as pessoas também se culpam pelos acidentes que seus entes queridos sofrem, embora na realidade não pudessem prever os acontecimentos e fazer algo para evitá-los.

Nestes casos, antes de começarmos a nos acusar de ter cometido um crime e ficarmos sentados no banco dos réus, devemos submeter nossas ideias ao “teste de realidade”.

Acima de tudo, precisamos ter certeza de que o evento realmente aconteceu e não existe apenas em nossa imaginação ou é o produto de uma distorção de nossas memórias.

Se o fato pelo qual nos culpamos realmente ocorreu, o segundo passo é elucidar nosso grau de responsabilidade. Provavelmente estamos exagerando nosso poder de mudar o fluxo dos eventos.

4. Culpa por limitação

Às vezes, pensamos que somos o Superman. Temos a tendência de acreditar que podemos fazer mais pelos outros.

Nossa mente fica acusando: “Ajude-os mais. Apoie-os mais. Dê-lhes mais.”

Também tendemos a acreditar que podemos lidar com tudo. É por isso que assumimos mais responsabilidades do que conseguimos realizar. Mais obrigações. Mais lição de casa.

A certa altura, percebemos que temos limitações sim, mas aí, parece ser tarde demais. Então podemos nos sentir culpados.

A gente se sente culpado por não ser suficiente, por não ajudar o suficiente, por não dedicar mais tempo e recursos a quem precisa, e passamos a negligenciar as nossas próprias necessidades…

Esse tipo de culpa geralmente está relacionado à exaustão devido à empatia e à síndrome de burnout. Na prática, surge de uma percepção distorcida e da crença de que nada do que fazemos é suficiente.

Isso nos leva a constantemente nos sacrificarmos e nos empurrarmos além de nossos limites até que fiquemos emocionalmente exaustos.

Para lidar com esse tipo de culpa devemos assumir nossas limitações como pessoas e entender que toda dedicação e sacrifício têm seus limites.

Para cuidar dos outros ou fazer bem o nosso trabalho, devemos primeiro cuidar de nós mesmos.

5. Culpa do sobrevivente

Esse tipo de culpa é particularmente forte e difícil de remover. É o que as pessoas que sobreviveram à família e aos amigos em um acidente ou desastre vivenciam.

No entanto, também pode ser experimentado por aqueles que estão com melhor saúde do que seus amigos ou familiares ou aqueles que levam uma vida melhor ou mais confortável.

A culpa do sobrevivente também pode torturar pessoas que acreditam ter tido oportunidades imerecidas na vida em comparação com aqueles que não foram capazes de aproveitá-las.

Em muitos casos, esse tipo de culpa leva as pessoas a comportamentos autodestrutivos, por isso é importante lembrar que nenhuma “punição” que impomos a nós mesmos pode desfazer o passado.

Em vez disso, devemos encontrar força e inspiração nessas pessoas importantes que podem não ter tido as mesmas oportunidades, mas provavelmente gostariam que as aproveitássemos.

Ou pense naquelas pessoas que não estão mais ao nosso lado, mas com certeza gostariam que sejamos felizes e aproveitemos a vida.

A linha tênue que separa a culpa saudável da culpa neurótica

A culpa não é um sentimento agradável. Sobre isso não há dúvida. No entanto, nem sempre é negativo. A culpa também tem um componente adaptativo muito útil para os relacionamentos sociais.

Os psicólogos da Universidade de Nova York manipularam os resultados de um teste de preconceito racial para fazer algumas pessoas se sentirem culpadas por suas respostas e descobriram que esses participantes eram mais propensos a tomar medidas positivas para reduzir seus preconceitos.

Isso indica que a culpa atua de duas formas: inicialmente pode nos fazer mal e nos desestimular de repetir o comportamento que nos fez sentir culpados, mas também pode estimular um comportamento positivo, voltado para a redução desse sentimento de culpa. A culpa pode nos ajudar a crescer como pessoas.

Esse tipo de culpa é adaptativa. A culpa saudável é o que sentimos quando magoamos alguém ou lamentamos um erro. Tem uma causa identificável e gera arrependimento genuíno.

Portanto, nos incentiva a reparar o dano e evitar que aconteça novamente. Sentimo-nos responsáveis ​​e queremos reconstruir a relação. Nesses casos, a culpa também atua como uma cola social que garante a convivência.

No entanto, às vezes não podemos reparar o dano ou voltar para evitar o erro. Quando não podemos compensar nada, mas ainda nos sentimos responsáveis, a culpa é exacerbada. Nesses casos, podemos nos referir a uma culpa neurótica que pode acabar sendo patológica.

A culpa neurótica também ocorre quando os sentimentos associados a ela não estão ligados a uma causa específica. Sentimos a culpa como um fardo pesado, embora objetivamente não tenhamos responsabilidade pelo que aconteceu.

Então a vida se torna um pesadelo porque deixamos de nos sentir culpados para nos sentirmos culpados. A culpa permeia completamente nossa imagem de nós mesmos e começamos a nos sentir indignos e inadequados.

Claro, é difícil viver completamente sem culpa, mas podemos manter esse sentimento dentro de limites saudáveis ​​que podemos controlar.

A culpa pode nos ajudar a nos entender melhor e a mudar algumas de nossas atitudes ou crenças erradas. Porém, se permitirmos que cresça, pode acabar consumindo tudo.

Fontes:

Amodium, DM et. Al. (2007) Um modelo dinâmico de culpa: implicações para a motivação e autorregulação no contexto do preconceito. Psychol Sci ; 18 (6): 524-30.

Chiang, T. & Barret, KC (1989). Uma comparação transcultural das reações das crianças à infração de um padrão: uma cultura de culpa vs. uma cultura da vergonha. Reunião da Sociedade de Pesquisa em Desenvolvimento Infantil, Kansas City, MO.

Grinder, RE & McMichael, RE (1963) Influência cultural no desenvolvimento da consciência: Resistência à tentação e culpa entre Samoanos e Caucasianos Americanos. Journal of Abnormal and Social Psychology ; 66 (5): 503-507.

*DA REDAÇÃO SAG. COm informações RT

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!