Mulher: nem submissa, nem dedicada, te amo fofa, livre e louca!

O preconceito e os costumes sociais podem causar muitos danos a algumas mulheres que sentem que não se encaixam. Libertar-se dessas influências negativas é essencial para viver uma vida plena, e é sobre isso que falaremos a seguir.

Não se trata de ser mulher ou homem, mas de respeitar o mundo e, neste caso, as pessoas. Devemos deixar de lado os estereótipos que alimentam que a mulher deve explorar seu corpo, ignorar suas necessidades e se sacrificar até a exaustão.

É essencial que deixemos de alimentar essa ideia de mulher como complacente e sem expectativas ou necessidades. A mulher de hoje deve curar sua condição de mulher, livrar-se do jugo ao qual ela até hoje se submete e reivindicar o direito de viver sua vida como quiser.

Uma mulher tem o mesmo poder pessoal, a mesma capacidade de sentir, de moldar seu futuro, de criar e mudar estruturas sociais que um homem.

Como afirma Alicia Giménez Bartlett, “as mulheres atuais não precisam de ninguém para apoiá-las” . Mas a verdade é que ser mulher em um mundo “de homens” às vezes não é uma tarefa fácil, pois temos ideias fortes que destroem qualquer personalidade diante do preconceito .

A jornada heroica de ser mulher

Mulheres e homens são iguais em sua condição de pessoas únicas e independentes. No entanto, o patriarcado assume-se em inúmeros gestos, palavras, imagens, valores, ideias e crenças que servem de fundamento à submissão física e emocional.

No entanto, hoje existem milhões de homens e mulheres lutando porque acreditamos que a igualdade é assunto de todos e que, apesar de nossas diferenças sexuais, cada pessoa merece o mesmo respeito e carinho.

Mas, infelizmente, tudo pesa sobre as mulheres uma enorme barra de aço, uma barra simbólica que legitima certos discursos que impõem significados a cada um de nossos comportamentos.

“A melhor idade de uma mulher começa quando ela deixa de esperar que a felicidade venha de um homem ou de fora, quando ela tem autoestima, respeito por si mesma e não perde sua dignidade por nada do mundo, mesmo que isso signifique ficar sozinha.” -Karla Galleta

Viver submetido às crenças de uma sociedade que ainda não tem consciência da desigualdade cotidiana, do peso da violência de gênero e da objetificação da mulher nos torna vulneráveis ​​a problemas de ansiedade extrema, depressão, toxicodependência, desajuste etc.

É por isso que o melhor método de defesa é gerar sentimentos comuns , assumir cada vez mais peso no mundo exterior e não acreditar que o único vínculo legítimo que devemos proteger é o da família como ambiente pelo qual sacrificamos nossa identidade.

Vamos aprender a nos libertar da culpa

Chega de se sentir culpado por não chegar à exaustão , chega de não confiar em nosso valor e em nossas habilidades , chega de não nos dar tempo para relaxar, chega de ignorar nossos sentimentos, chega de nos ver na obrigação de agradar, de arrumar o rosto e de encaixar em um protótipo.

Comecemos por nós mesmos e deixemos de nos enquadrar na passividade, na resignação, na obediência, no serviço e no cuidado dos outros, no sustento do lar, nos afazeres e na educação, na imagem de uma boa esposa, na reificação da nossos corpos, na repressão, na paciência…

“Quanto mais falo sobre feminismo, mais percebo que falar sobre os direitos das mulheres muitas vezes se confunde com odiar os homens, e se sei de alguma coisa é que essa ideia deve parar”-Emma Watson

Vamos buscar liberdade e identidade pessoal, vamos deixar de lado a identidade feminina e não normalizar ações, posturas, expectativas e julgamentos só porque nascemos mulheres.

Sejamos livres, loucas e belas de coração, como qualquer outro homem, como qualquer outra mulher, mas ao mesmo tempo, diferente, desapegada de padrões e de crenças que só limitam e aprisionam.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações LLM.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!