Muitas vezes, é melhor se afastar do que tentar ajudar.

Santa terapia nossa de cada dia!

Se você percebeu que está ajudando alguém que não está acolhendo bem a sua ajuda, pelo contrário, está te acusando de inúmeras coisas, distorcendo tudo o que você diz, mudando o rumo dos acontecimentos, quando a sua intenção era, “apenas”, ajudar, é melhor se afastar.

A gente se contamina, sem perceber, a gente se deixa contaminar!

É fato! E se não fosse a nossa terapia estar em dia, uma faísca, viraria um incêndio devastador.

Cada ataque de histeria que a gente ia dar… não é mesmo?

Porque quando estamos tentando ajudar e somos vistos como vilões, nos sentimos injustiçados e, aí, somos nós quem saímos feridos.

Imagine comigo:

O dia amanhece, você abre os olhos, meche as pernas e os braços e percebe que está vivo. Ainda sonolento, pensa em ficar mais um pouco na cama, espreguiça, faz uma oração e pula da cama para mais um dia. Você está feliz por essa nova oportunidade… Mas tudo começa a desandar quando você tenta ajudar quem não te pediu ajuda nenhuma, mas você “achou”, que ele estava precisando.

É certo que, muitas vezes, a gente percebe que a pessoa precisa de ajuda, mas ela está em negação. Mas é justamente esse fato, “estar em negação”, que vai levar essa pessoa a te acusar de tudo o que é coisa, porque, quando você tenta ajudar alguém que não te pedu ajuda, esse alguém se sente inferiorizado, e enxerga você como uma pessoa arrogante que se sente superior a ela.

E a raiva que estava dentro dela, explode, em quem?

Em você, justamente, em quem não merecia.

Se não temos conhecimento das emoções que sentimos acabamos tendo rompantes e atitudes impensadas e depois nos arrependemos. Essas reações raivosas que nos atordoam afloram dessa forma, simplesmente, porque não nos conhecemos bem. Não conseguimos lidar com as situações cotidianas porque estamos totalmente desconectados de quem somos de fato. E essa pessoa que te agride quando você tenta a ajudar, está totalmente desconectada da própria essência.

Por estar vivendo com uma identidade forjada, inevitavelmente, ela passa a repetir comportamentos equivocados com as mesmas pessoas e, depois, reclama que recebe pouco amor dessas mesmas pessoas, que sofrem com os seus descontroles emocionais.

Muita gente acredita que aqueles que amamos “deveriam” aturar essas nossas histerias cotidianas ou eventuais… Mas não é bem assim…

Não devemos nos deixar contaminar por essas emoções que surgem repentinamente. Precisamos reconhecê-las, e aprender a dominá-las, superá-las, e transformá-las positivamente. Mas cada um precisa aprender a lidar com as suas próprias emoções, não tem como ajudar, quem não quer ser ajudado.

Não somos santos e dificilmente seremos, acabaremos errando uma hora ou outra, e tudo bem. Mas quando começamos um trabalho de autoconhecimento e seguimos firme nele, a gente não se vitimiza mais, não culpa os outros, a gente aprende a se responsabilizar por tudo e absorve as lições que os nossos próprios erros nos trazem. Desta forma, paramos de descontar nossas frustrações na porta dos outros.

Todos temos o amor dentro de nós e somos capazes de expressar cada um à sua maneira. Mas temos também uma tristeza imensa instalada na alma, um medo do desconhecido, uma raiva cruciante que grita, muitas vezes, silenciosa, mas em outras… chega a assustar.

Para não nos deixar contaminar por essas emoções fervilhantes, devemos estudar a fundo a nossa personalidade e mergulhar no autoconhecimento.

Não estamos aqui a passeio, e devemos urgentemente buscar a reforma íntima. Quando falo em reforma íntima, não digo que devemos melhorar a nós mesmos para os outros se beneficiarem apenas, mas para benefício próprio.

Quando conseguimos identificar as nossas emoções e mensurar o que estamos sentindo, tudo muda pra melhor. O peso que damos as coisas perde massa…. As vicissitudes da vida e aqueles imprevistos diários, não nos causam mais tanta preocupação como antes, a gente traz soluções, não cria mais problemas e ainda coleciona mais uma história para contar.

Quando tomamos posse dos nossos sentimentos de dor, medo, rancor, mágoas, lembranças tristes… e damos um novo significado a tudo isso, nos conscientizamos que, devemos buscar ajuda terapêutica. Quando nos conscientizamos disso, aprendemos a pedir ajuda quando precisamos e não mais, necessitamos, que as pessoas venham ao nosso encontro nos oferecer.

Se a pessoa está presa ao passado, sente raiva e se angustia, se a atitude dos outros a deixa deprimida por semanas, meses e até anos, se ela tem medo de algo ou alguém…. Ela precisa buscar ajuda profissional!

Esses sentimentos podem ser transformados com a terapia certa e, acredite, existe uma terapia certa para cada pessoa…

E aos poucos, você vai aprendendo a dominar essas emoções e, a não se deixar contaminar, por acontecimentos que fogem ao seu controle.

Quando você fizer esse movimento, você vai ver que as suas relações vão melhorar muito. Justamente porque é um alívio saber que estamos nos relacionando com alguém que também considera importante conhecer a verdade sobre si mesmo e que já parou, ou está tentando parar de culpar os outros por tudo.

Se você está tentando ajudar alguém que acha que não precisa da sua ajuda, deixe essa pessoa ciente que pode contar com você, mas respeite o direto dela não querer a sua ajuda.

É importante deixar claro que, ela sempre terá o seu apoio para o que ela precisar, mas que você vai se afastar para não permitir que ela te faça de “gato e sapato”.

Assim que ela te pedir ajuda, indique um acompanhamento profissional e uma SESSÃO DE AUTOEXPANSÃO.

*DA REDAÇÃO SAG. Texto de Iara Fonseca, jornalista, escritora, editora de conteúdo dos portais Resiliência Humana, Seu Amigo Guru, Homem na Prática e Taróloga. Para agendar uma SESSÃO DE AUTOEXPANSSÃO com a Iara, mande um direct para @ESCRITORAIARAFONSECA

*Foto de Aiony Haust no Unsplash.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Jornalista, escritora, editora chefe e criadora de conteúdo dos portais RESILIÊNCIA HUMANA e SEU AMIGO GURU. Neurocoaching e Mestr em Tarot. Para contratação de criação de conteúdo, agendamento de consultas e atendimentos online entrem em contato por direct no Instagram.