Morar em um bairro barulhento aumenta o risco de desenvolver demência

“O barulho não faz bem, o bom não faz barulho”, disse o francês Vicente de Paúl. Morando em grandes cidades e trabalhando em escritórios ou fábricas barulhentas, esquecemos o som do silêncio à medida que nos imergimos cada vez mais no ruído, que se torna a trilha sonora de nossa vida.

No entanto, nosso cérebro precisa de silêncio. A ciência está alertando que o ruído pode ter um grande impacto sobre nós.

Ruído, a praga moderna que afeta nosso cérebro

Pesquisadores americanos chamam o ruído de “praga moderna”. Eles indicam que “a poluição sonora” ambiental é uma ameaça à saúde e ao bem-estar.

Está mais sério e disseminado do que nunca e continuará a aumentar em magnitude e gravidade devido ao crescimento populacional, à urbanização e ao uso de fontes de ruído cada vez mais poderosas, variadas e altamente móveis.

Também continuará a crescer devido ao crescimento sustentado do tráfego aéreo, ferroviário e rodoviário, que continuam a ser as principais fontes de ruído ambiental ”.

Eles ainda observam que “os possíveis efeitos da poluição sonora sobre a saúde são numerosos, generalizados, persistentes e de importância médica e social”. Eles concluem que “o ruído produz efeitos adversos diretos e cumulativos que prejudicam a saúde “.

Agora, pesquisadores da Universidade de Michigan deram um passo adiante ao verificar que o ruído ao qual nos expomos ao longo da vida pode desencadear demência na velhice.

Eles analisaram 5.227 pessoas com mais de 65 anos, que passaram por avaliações cognitivas a cada três anos, além de verificar o nível de ruído a que eram submetidas em seu bairro.

Eles descobriram que um aumento de apenas 10 decibéis no ruído ambiental correspondia a um aumento de 29-36% na probabilidade de desenvolver deficiência cognitiva. “Esses resultados sugerem que o ruído pode influenciar a cognição na velhice e no risco de demência”, concluíram.

Vale esclarecer que “um nível de ruído prejudicial pode ser a exposição a mais de 85 decibéis (dB) por oito horas ou 100 dB por 15 minutos”, segundo a OMS.

Para colocar o ruído em perspectiva, basta saber que em um engarrafamento estamos expostos a uma média de 90 dB enquanto uma furadeira ou buzina gera 120 dB.

A neurotoxicidade do ruído

Pesquisas anteriores já haviam alertado sobre os perigos do ruído para o nosso cérebro. Estudo realizado na Cornell University revelou que o barulho constante dos aviões pode causar aumento da pressão arterial e do nível de estresse em crianças que vivem em áreas sob rotas de voos de aeroportos, além de causar déficit em Aquisição de linguagem.

Em 1975, pesquisadores da Universidade de Nova York analisaram crianças que frequentavam uma escola localizada perto de uma linha ferroviária elevada.

Metade dos alunos que participaram da pesquisa estavam em salas de aula voltadas para os trilhos do trem e a outra metade em salas de aula na parte mais silenciosa dos fundos da escola.

Os alunos do lado mais silencioso tiveram um desempenho melhor nos testes de leitura e estavam um ponto à frente dos alunos nas salas de aula mais barulhentas na sexta série.

A neurotoxicidade do ruído também pode se espalhar para adultos, precipitando declínio cognitivo e demência devido aos efeitos de processos inflamatórios.

Em experimentos com animais, descobriu-se que o ruído induzia alterações neuropatológicas indicativas de demência. Em camundongos, por exemplo, a exposição ao ruído promove a produção de beta amiloide no tecido hipocampal, que é justamente a origem das demências.

Processos de estresse oxidativo, inflamação, alterações degenerativas nas sinapses e menor frequência de ativação neuronal também têm sido observados.

Além disso, animais expostos ao ruído apresentam diminuição na capacidade de aprendizagem e memória.

Além das consequências neuropatológicas, os cientistas acreditam que os efeitos vasculares do ruído também podem desencadear processos de demência, pois têm sido associados a um aumento da frequência cardíaca, vasoconstrição periférica e aumento do risco de hipertensão. Todos os fatores de risco para demências.

Porém, o principal problema é que o ruído impede o nosso cérebro de descansar, mantendo-o constantemente em alerta, afetando profundamente a qualidade do sono.

Na verdade, se estamos continuamente expostos ao ruído, nosso cérebro está constantemente ocupado, processando as informações que chegam. Nossa mente é exposta a um fluxo contínuo de estímulos externos que tira o descanso essencial.

Quando também não conseguimos dormir bem, porque o sono não é repousante e sofremos contínuos despertares ao longo da noite, nosso cérebro também não será capaz de se livrar dos resíduos de seu metabolismo. É por isso que os problemas do sono têm sido associados ao aparecimento de diferentes tipos de demência.

Aproveite o silêncio

O silêncio é uma necessidade da mente , mas no mundo moderno tornou-se um luxo. Portanto, o primeiro passo para viver em um ambiente mais silencioso é garantir que não contribuímos para a poluição sonora.

O segundo passo é buscar bolhas de silêncio que nos permitam acessar um ambiente mais calmo onde deixemos para trás irritabilidade, frustração, estresse ou confusão.

Podemos sair da cidade para desfrutar do silêncio rodeado pela natureza, o que implica também desligar o telemóvel.

É aprender a ser, sem falar, deixar que aquele silêncio curador chegue a cada fibra do nosso corpo, para que o nosso cérebro se regenere.

Fontes:

Weuve, J. et. Al. (2020) Exposição de longo prazo ao ruído da comunidade em relação à demência, cognição e declínio cognitivo em adultos mais velhos. Alzheimer e demência ; DOI: 10.1002 / alz.12191.

Cui, B. et. Al. (2015) A exposição ao ruído crônico age cumulativamente para exacerbar a patologia amilóide-β semelhante à doença de Alzheimer e a neuroinflamação no hipocampo de rato. Relatórios científicos da natureza ; 5: 12943.

Basner, M. et al. (2014) Efeitos auditivos e não auditivos do ruído na saúde; Lancet ; 383 (9925): 1325-1332.

Evans, GW & Maxwell, L. (1997) Chronic Noise Exposure and Reading Deficits: The Mediating Effects of Language Acquisition. Ambiente e comportamento ; 29 (5), 638–656.

Bronzaft, AL & McCarthy, DP (1975) The Effect of Elevated Train Noise On Reading Ability. Ambiente e comportamento ; 7 (4): 517-528.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações Rincon.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!