Meu diagnóstico de HIV me fez perceber o quanto o mundo está sem amor

Imagine estar tão perto do seu sonho; finalmente capaz de deixar seu emprego e começar um ano sabático em todo o mundo. Imagine acordar alguns dias antes do seu sonho se tornar realidade e ser diagnosticado com HIV.

Como sua vida mudaria? Como você reagiria?

Eu sou Felice, nascida em Nápoles, Itália e criada em todo o mundo. Há muito tempo desejo ser um agente de mudança, uma inspiração para este mundo em rápida mudança, mas nunca esperei ser a voz de milhões de pessoas vivendo com HIV – especialmente após anos de vida corporativa.

Em vez disso, estou aqui, podendo usar um espaço tão relevante para educar outras pessoas sobre o HIV e a AIDS; Eu poderia focar na evolução da ciência e na oportunidade de estar em tratamento, de viver uma vida normal e de não poder transmitir o vírus. Eu poderia mencionar as terapias preventivas ou os avanços para levar a gravidez a um final bem-sucedido sem risco de transmissão para os bebês.

Ainda assim, quando fecho meus olhos e penso sobre minha história pessoal, sinto que devo falar sobre amor. Sei que deveria evidenciar a sorte da humanidade que a maioria das pessoas ainda está experimentando, resultando em sofrimento não justificável.

O que era para ser um ano sabático de surf e meditação, uma oportunidade de ver as mais belas praias e o pôr do sol do mundo, tornou-se para mim uma oportunidade de ficar parado. O diagnóstico me deu a chance de parar e meditar; através do poder do silêncio, fui capaz de criar uma narrativa diferente sobre saúde e bem-estar.

Deu-me a oportunidade de perceber que o maior inimigo a enfrentar não era o vírus nem a minha condição crónica. Eu estava deixando a dor ser infligida pela falta de humanidade, pela falta de educação, pela falta de amor.

A jornada mais dolorosa de lidar tem sido relacionada ao medo pessoal e estigma internalizado, rejeição vivida em casa e entre amigos, a dificuldade de lidar com um mundo que ainda sabe tão pouco, e tão errado, sobre HIV e AIDS.

Tive que lidar com a violência de um pai e suas palavras. Vi “amigos” se afastarem e pessoas recusando momentos de intimidade, embora sem poder transmitir o vírus.

Eu era forte o suficiente para superar uma forte depressão e me mantive firme mesmo quando tinha pensamentos suicidas recorrentes. Continuei encontrando coragem para superar minha vulnerabilidade, mas não conseguia parar de considerar a sorte da humanidade.

Então, deixe-me perguntar … O que estamos fazendo como seres humanos? Onde está nossa capacidade de apoiar e elevar uns aos outros, aconteça o que acontecer? Onde está a nossa capacidade de sentir, respirar e apoiar o outro?

Onde está o amor?

Eu me perguntei por que a maioria das pessoas que vivem com HIV ainda está lutando. Comecei a me elevar até me sentir confortável para abrir e compartilhar minha história com o mundo; até que me tornei uma referência para muitos que me contaram suas histórias de vergonha e depressão, de falta de compreensão e apoio.

Como resultado, embora a ciência esteja avançando e ajudando as pessoas a lidar com doenças crônicas, ainda estamos fracassando como seres humanos.

A maioria é incapaz de dar uma mão a um amigo ou amante, a um membro da família. Estamos fracassando tanto no que diz respeito ao HIV e à AIDS que a maioria das pessoas não se sente segura para revelar sua condição, nem mesmo para seus familiares.

Portanto, a maioria das pessoas está vivendo com um monstro pesado dentro e esse monstro não é o HIV; é mais vergonha ou medo da rejeição, repressão ou depressão – gerada principalmente por crenças obsoletas.

Eu poderia ter usado este espaço para educar sobre o HIV e a AIDS, mas preferi escrever sobre o amor.

Não importa o quanto a ciência esteja evoluindo, se falharmos em evoluir em termos de compaixão, nossos irmãos e irmãs ainda sofrerão e morrerão, preferindo trilhar um caminho em direção à morte ao invés de encontrar a vida.

O maior remédio do mundo vai além de nosso corpo físico, transcende nossa pele e cria espaços de aceitação e transformação interior, é o amor que cura, só o amor.

Temos a capacidade de escolher a diferença que queremos fazer neste mundo e as formas como decidimos aparecer.

Você é corajoso o suficiente para apoiar seus semelhantes em nome do amor?

Essa é a minha pergunta de hoje.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações TC. Photo by Emir Kaan Okutan on Unsplash.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!