Maturidade é dizer SIM sem medo! E NÃO sem culpa

A maturidade pode ser descrita de mil maneiras diferentes. Existem diferentes características e traços que são supostamente atribuídos a pessoas maduras. Porém, nesse amálgama de qualidades, destaca-se uma característica inextricavelmente ligada à maturidade psicológica : a autoafirmação.

Graças à autoafirmação, adquirimos a segurança e a serenidade necessárias para assumir o controle de nossa vida, aceitando o que realmente queremos e rejeitando tudo que nos fere. Para alguns, desenvolver esse nível de autoconsciência e autodeterminação pode levar uma vida inteira.

A camisa de força da pressão social

Há um momento na vida em que ou nos libertamos de medos e pressões sociais, ou acabamos vivendo de acordo com suas regras e permitindo que ditem nossas decisões. As pressões sociais – implícitas e explícitas – são muitas e vêm de todos os lugares.

Embora geralmente se originem da sociedade a que pertencemos e da cultura na qual estamos imbuídos, eles são perpetuados e pressionados por aqueles que estão mais próximos de nós, desde nossos vizinhos e colegas de trabalho até nossos amigos, pais ou parceiros.

Às vezes, essas pressões nos empurram por caminhos que não teríamos escolhido livremente. Eles nos amarram com ” você não pode ” ou ” você não deveria “. Essas mensagens, repetidas dia após dia, acabam nos prejudicando. Nós os internalizamos e eles se tornam normas que regem nosso comportamento. Começamos a dizer a nós mesmos ” Não posso ” ou ” Não devo “.

Assim, começamos a reprimir nossos desejos e impulsos mais autênticos, por medo de sermos questionados ou mesmo rejeitados.

Nós nos adaptamos aos papéis sociais que devemos desempenhar para evitar decepções no rosto dos outros. No entanto, ao nos adaptarmos tanto aos seus padrões e expectativas, podemos acabar nos invalidando.

Podemos acabar silenciando nossa voz interior ou mesmo nos privando do oxigênio psicológico essencial para respirar.

Começar a remover todas as camadas de cebola que construímos de alguma forma para caber no universo dos “outros” envolve um trabalho árduo de autodescoberta. Esse caminho está cheio de obstáculos, mas também é extremamente libertador.

Abrace o que queremos e fique tão confortável, finalmente

A maioria de nós foi criada em uma cultura que leva ao “esgotamento” extremo. Buscar continuamente a aprovação externa para nos validar implica em dedicar uma enorme quantidade de energia psicológica à interpretação de todos esses papéis sociais, o que acaba nos esgotando e nos distanciando do nosso “eu”.

Somente quando começamos a nos distanciar desses papéis sociais e nos livrarmos do “dever” e do “ter”, podemos nos reconectar com nosso “eu” mais profundo e descobrir o que realmente queremos.

Essa nova maturidade é profundamente libertadora, permite-nos perceber que não precisamos provar nada a ninguém exceto a nós mesmos.

Entendemos que quando dizemos “basta”, estamos na verdade respeitando nossos desejos e honrando nossas aspirações. Então podemos dizer “sim” sem medo e “não” sem culpa.

No entanto, esse processo de redescoberta pessoal pode ter um lado “sombrio” se não soubermos como administrá-lo adequadamente.

Algumas pessoas, quando descobrem a vida de “submissão social” que levaram, podem reagir ficando com raiva e guardando rancor dos “outros”. Esses sentimentos podem levá-los ao extremo oposto, passando da extrema complacência ao egoísmo.

A chave para dizer “não” sem culpa ou acusações de consciência está em sermos capazes de nos afirmar sem atacar. Significa defender nossos direitos assertivos , respeitando os direitos dos outros. Significa preservar a empatia, mas dizer não à manipulação.

A reafirmação de nossos objetivos, aspirações ou desejos nada tem a ver com egoísmo, é um ato de dignidade pessoal.

É um exercício de sobrevivência psicológica e bem-estar. Na verdade, pesquisas psicológicas descobriram que pessoas assertivas não apenas experimentam menos estresse, mas têm uma saúde melhor e têm menos preconceitos em relação aos outros.

Precisamos entender que dizer “não” quando os outros esperavam um “sim” não é um ato de traição pelo qual devemos nos sentir mal, mas um ato de garantia pessoal. Quem nos ama saberá respeitar esses limites e até se sentirá feliz por nós. Qualquer pessoa que se sinta traída e magoada provavelmente desejará que continuemos colocando suas necessidades e desejos à frente dos nossos.

Quando nos encontrarmos novamente, finalmente perceberemos todas as coisas supérfluas que estavam nos afogando. Do ruído mental que nos impedia de pensar com clareza. Dos obstáculos que nos colocamos para nos impedir de voar. Então podemos abrir nossas asas e dizer “sim” ao que realmente queremos e dizer “não” a tudo que nos machuca. Sem medos. Sem culpa. Sem piedade.

Fontes:

Badea, C. & Sherman, DK (2018) Autoafirmação e redução do preconceito: quando e por quê? Direções atuais na ciência psicológica ; 28: 40-46.

Cohen, GL & Sherman, DK (2014) The Psychology of Change: Self-Affirmation and Social Psychological Intervention. Revisão Anual de Psicologia ; 65 (1): 333-371.

Creswell, JD et. Al. (2005) Affirmation of Personal Values ​​Buffers Neuroendocrine and Psychological Stress Responses. Psychol Sci ; 16 (11): 846-851.

Correl, J. et. Al. (2004) Um self afirmado e uma mente aberta: autoafirmação e sensibilidade à força do argumento. Journal of Experimental Social Psychology ; 40 (3): 350-356.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações RT. *Foto de engin akyurt no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!