Maníaco por controle: Quando você tenta controlar a vida, a sua mente controla você.

Nosso cérebro é um maníaco por controle. Afinal, sua missão é nos manter seguros, por issom ele tem que antecipar possíveis ameaças para nos alertar.

O nosso cérebro procura padrões em todos os lugares que o ajudem a entender o passado e prever o futuro.

Ele tenta em interpretar um estímulo vago e aleatório como uma forma reconhecível, como quando vemos uma imagem nas nuvens, é um exemplo das tentativas do nosso cérebro de buscar padrões reconhecíveis e trazer alguma ordem ao caos.

Na vida cotidiana, também tentamos encontrar uma explicação para o que nos acontece.

Tentamos entender de onde vem o barulho que nos assustou ou por que nosso parceiro decidiu terminar o relacionamento.

Todos temos uma necessidade urgente de encontrar um significado lógico para o que nos acontece. No entanto, às vezes, podemos nos tornar escravos da mente nessa busca por significado.

Quanto maior a incerteza, maior a necessidade de buscar uma explicação.

Em 2008, psicólogos da Universidade do Texas projetaram uma série de experimentos para testar como respondemos a situações incertas. Ativaram a sensação de insegurança e descontrole dos participantes e, em seguida, pediram que eles mergulhassem em ambientes imaginários, como a bolsa de valores, ou assistissem a imagens estáticas na televisão.

Eles descobriram que as pessoas que não tinham controle eram mais propensas a perceber padrões delirantes, como ver imagens na neve na televisão, traçar correlações inexistentes em informações do mercado de ações, perceber conspirações e desenvolver superstições.

Curiosamente, quando os psicólogos pediram que eles fizessem exercícios de autoafirmação, os participantes se acalmaram e pararam de procurar padrões onde eles não existiam.

Seus experimentos mostraram que, quando sentimos que não estamos no controle de nosso destino, o cérebro muitas vezes inventa padrões para nos dar uma sensação de controle que nos faz sentir mais seguros.

Obviamente, é uma segurança ilusória, mas quando não a encontramos, a perspectiva pode ser ainda pior, pois nosso cérebro pode ficar preso no loop de busca de significado.

Quando a análise leva à paralisia

Viktor Frankl, um psiquiatra que sobreviveu aos campos de concentração nazistas, fez da busca por significado seu leitmotiv. Ele acreditava que para superar a adversidade precisamos encontrar sentido no que nos acontece. No entanto, o significado ao qual Frankl se referia não era necessariamente uma explicação lógica, mas um significado psicológico pessoal. A diferença pode parecer sutil, mas é importante.

As pessoas que tentam encontrar uma explicação para tudo o que lhes acontece caem em uma armadilha: pensar demais. É comum quando perdemos um ente querido, principalmente se sua morte foi inesperada. O primeiro impulso é procurar uma explicação. Dizemos a nós mesmos que, se pudermos entender o que aconteceu, podemos superá-lo. No entanto, nem sempre é assim.

Às vezes, podemos nos tornar escravos dessa busca por esse tal significado.

Podemos repetir mil e uma vezes sobre um detalhe que não esclarecerá nada porque a verdade é que acidentes acontecem e nem sempre há uma explicação lógica que possa nos acalmar.

O que nossa mente está procurando é a confiança que vem do controle e da ordem. O que estamos procurando é uma relação linear de causa e efeito que nos devolve a sensação de segurança que perdemos. Mas quando nos deparamos com mudanças imprevistas, o que reina é o caos e a imprevisibilidade, tantas vezes a busca de sentido nos leva a um beco sem saída.

Tentar encontrar uma explicação para tudo nem sempre resolve os problemas. Se cairmos nessa armadilha, podemos até confundir pensar com fazer. Assim, a análise leva à paralisia.

Embora seja difícil aceitá-lo, nem sempre podemos encontrar uma explicação lógica para as coisas. Nem sempre podemos encontrar a causa.

Às vezes, podemos apenas adivinhar, imaginar ou tentar amarrar pontas soltas. De fato, às vezes o conhecimento – exaltado por nossa sociedade como o maior valor – nem mesmo nos traz conforto, principalmente quando nada podemos fazer para resolvê-lo.

Às vezes, essa busca por significado acaba sendo angustiante. Longe de nos ajudar a aceitar o que aconteceu, nos mantém em estado de negação, rejeitando os fatos apenas porque eles não se encaixam em nossa visão de mundo. No entanto, não devemos cair no erro hegeliano de pensar que se a teoria não concorda com os fatos, pior para os fatos. Se não aceitarmos os fatos, não conseguiremos nos adaptar e as chances de sofrermos ou nos prejudicarmos mais são maiores.

Primeiro a aceitação, depois a busca de significado pessoal

É difícil. Eu sei. Sentimos a necessidade de encontrar uma explicação para o comportamento dos outros e as coisas que nos acontecem porque assim acreditamos que temos algum controle, que há alguma ordem e lógica no mundo.

No entanto, há momentos em que temos que parar de pensar e começar a aceitar.

Isso não significa que devemos tomar tudo como garantido e ter que nos contentar com as primeiras respostas ou que nos acomodamos na preguiça cognitiva, mas devemos garantir que o pensamento não entre em loop, sendo completamente malsucedido.

Temos que aceitar que não podemos entender tudo. Embora nos pese. Que nem sempre encontraremos uma explicação razoável que nos satisfaça ou nos conforte. Que as coisas nem sempre se encaixam em nossa visão de mundo.

Às vezes, pelo bem do nosso equilíbrio psicológico e saúde mental, é melhor pararmos de nos torturar em busca de uma explicação. Às vezes só temos que aplicar a aceitação radical . Dê-nos permissão para virar a página. Deixe de lado a dor.

Nesse ponto, quando aceitamos o que aconteceu, podemos passar à busca de um significado pessoal. Esse significado não é uma explicação lógica do que aconteceu, mas sim um significado subjetivo que nos permite integrar a experiência em nossa história de vida. Não é a busca de causas e motivos no passado, mas sim a busca de ensinar com vistas ao futuro.

O senso pessoal é o que nos permite avançar. Como Frank conta:

“Uma vez um velho clínico geral me consultou sobre uma depressão severa da qual ele sofria. Ele não conseguia superar a perda de sua esposa, que havia morrido há dois anos e a quem ele amava acima de tudo. Como eu poderia ajudá-lo?

O que dizer a ele? Bem, eu me abstive de dizer qualquer coisa a ele e, em vez disso, fiz a seguinte pergunta: ‘O que teria acontecido, doutor, se você tivesse morrido primeiro e sua esposa tivesse sobrevivido a você?’ ‘Oh!’, disse ele, ‘teria sido terrível para ela, ela teria sofrido tanto!’ Ao que respondi: ‘Veja, doutor, você a salvou de todo aquele sofrimento; mas agora ele tem que pagar por isso sobrevivendo e lamentando sua morte’.

“Ele não disse nada, mas pegou minha mão e saiu silenciosamente do meu escritório. O sofrimento deixa de ser sofrimento de certa forma no momento em que encontra sentido, como o sacrifício ”.

Ao tentar ter controle de tudo, ao querer controlar a vida, acabamos sendo controlados.

Fontes:

Whitson, JA & Galinsky, AD (2008) A falta de controle aumenta a percepção de padrões ilusórios. Ciência ; 322 (5898): 115-117.

Frankl, V. (1979) A busca do homem por significado. Editorial Herder: Barcelona.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações RT. Foto de Samuel Goodwin no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!