Lim Hang Chung fundou uma sociedade de bem-estar para fornecer serviços médicos chineses, e então percebeu que poderia fazer muito mais dando aos necessitados uma boa despedida para seus últimos dias.

Afinal, quem chora a morte dos idosos pobres quando eles morrem sozinhos? Este compassivo senhor de 80 anos.

De Xiangyu

Ele foi separado de sua esposa por 20 anos e não teve filhos. E ele passou quase uma década em uma casa para os destituídos antes de ser transferido para uma casa de repouso em 2017.

Quando o Sr. Tan morreu de pneumonia no hospital recentemente, com a idade de 74 anos, poderia ter sido mais um desolado final no envelhecimento de Cingapura. Mas um homem que ele nunca conheceu na vida estava lá para garantir que o ex-motorista de ônibus tivesse um amigo em morte.

Enquanto seu cadáver jazia sobre o carrinho de aço frio no necrotério, Lim Hang Chung, de 80 anos, fitou com um foco contemplativo no falecido, cujo corpo, de outro modo, não teria sido recuperado.

O vídeo está legendado em inglês:

O Sr. Lim Hang Chung olhava para um cadáver que não seria reclamado se não fosse por ele e agiu.

“Hoje, vamos levá-lo aos agentes funerários”, disse o Sr. Lim em mandarim, com a voz penetrando no silêncio solene da pequena sala. “Então para Mandai para cremação. E então vamos pegar suas cinzas … para serem espalhadas pelo mar.

Ele inclinou a cabeça para o homem morto, com a crença de que suas palavras não caíram em ouvidos surdos. “Eu faço isso pela minha consciência – como (minha) responsabilidade para com essa pessoa”, explicou ele à CNA Insider.

Ele era fiel à sua palavra. Não só ele levou o corpo para ser limpo, ele também compareceu ao serviço fúnebre e até tentou cantou os hinos católicos como parte da organização dos últimos ritos.

À medida que aumenta o número de residentes com 65 anos ou mais que moram sozinhos, o Sr. Lim e a organização que ele preside, a Cheng Hong Welfare Service Society, intensificam os trabalhos para oferecer aos idosos de baixa renda serviços fúnebres gratuitos.

Até 2030, estima-se que 83.000 idosos residentes morrerão sozinhos, o dobro dos 41.200 residentes em 2015. E o Sr. Lim sente muito por aqueles que não têm família ou que estão separados delas.

“Se eles estão preocupados que não há ninguém ajudando-os em seus últimos ritos, você não acha que é lamentável? Portanto, se os ajudarmos a fazer isso … eles se sentirão confortados ”, disse ele.

O Sr. Lim Hang Chung sente muito por aqueles que não têm família ou que são alienados.

Um empreiteiro elétrico começou Cheng Hong em 2004 com uma intenção diferente: Fornecer serviços gratuitos de medicina tradicional chinesa para os idosos. Cinco anos se passaram antes que ele visse o primeiro sinal de que poderia fazer muito mais.

Um jogador de erhu que ele conhecia em um templo foi internado no hospital depois de uma queda, e o Sr. Lim o visitou regularmente. Um dia, o paciente de 81 anos pediu ajuda a seu neto para conduzir seus últimos ritos.

“Ele segurou minha mão com força e disse: ‘Presidente, você é meu único amigo que vem me visitar’. E também seu neto – não havia outro visitante ”, contou Lim.

“Pouco tempo depois, ele foi para casa e faleceu. Ajudei-o a conduzir os últimos rituais.”

Em 2009, o Sr. Lim Hang Chung foi convidado a ajudar a conduzir os últimos ritos de alguém que ele conhecia. Em um ano, um amigo o apresentou a um homem cujo filho de 10 anos havia morrido. “O pai me disse que no nascimento de seu filho, o médico disse que seu filho poderia viver até os 10 anos de idade”, disse Lim.

“O pai gastou todo o seu dinheiro em honorários médicos.”

A família era cristã e ele era budista, mas isso não era obstáculo. Ele disse: “Eu disse a ele que não olhamos para religião ou raça quando fazemos caridade”.

Ele sempre lia nos jornais, notícias de idosos morrendo em casa, e começou a pensar que ele “precisava fazer esse trabalho”.

Ele teve que primeiro procurar financiamento e conseguiu reunir dinheiro de alguns de seus amigos e juntar com suas próprias economias, o que resultou em um montante no valor de S $ 35.000. E em 2012, nasceu o Afterlife Memorial Service de Cheng Hong.

Para espalhar a notícia, eles foram de porta em porta com sacolas nas ruas Chin Swee Road e Jalan Kukoh, onde havia muitos moradores idosos.

“Quando souberam dos últimos ritos, pegaram a sacolinha, não disseram nada e fecharam a porta”, lembrou Lim. “Houve alguns que nos ouviram.”

Sua solução para esse tema tabu da morte foi convidar celebridades para cantar no Centro de Atividades para Idosos e conversar com eles. E foi assim que ele iniciou a conversa sobre o fim da vida entre os idosos.

“Eles sabiam que não sabiam a quem procurar quando morressem. Então eles disseram que queriam fazer isso (com Cheng Hong). Isso é diferente quando é discutido abertamente ”, disse ele.

Ele e sua pequena equipe – apenas um punhado de funcionários – já viram cerca de 190 pessoas em sua jornada final. Os casos deixaram uma impressão sobre eles de várias maneiras.

Na véspera deste Ano Novo Chinês, um Sr. Cheong morreu por volta das 19h30, quando as famílias em toda Cingapura estavam tendo o jantar de reunião.

O solteiro de 73 anos vivia sozinho, no entanto, em um apartamento de aluguel de um quarto – pelo menos nos últimos 15 anos desde que seu irmão morreu, informou seu assistente social, que queria ser conhecido apenas como Ms Wee.

A equipe de Lim começou em seu funeral o mais rápido possível – quatro dias depois.

Enquanto observava o corpo sendo lavado no salão de funerais, a executiva social e de previdência de Cheng Hong, Jas Tan, disse: “Sinto-me triste – chegou tarde demais”.

Lim Hang Chung e Jas Tan da Sociedade Cheng Welfare Service observam a lavagem de um corpo.
O Sr. Lim e a Sra. Jas Tan observam a lavagem.

Desde o seu diagnóstico de câncer em novembro, ela e a Sra. Wee estavam o visitando em Cheng Hong e comprando comida para ele.

“Ele queria comer frito Hokkien mee. Compramos Hokkien mee para ele… todos os dias ”, disse ela.

“Ele (também) queria um corte de cabelo, mas foi tarde demais.”

Em meio ao cenário sombrio, algo se destacava: uma jaqueta amarelo-limão.

Esta é a jaqueta favorita do tio ”, explicou a Sra. Tan, 40 anos, que a tirou de casa quando soube da morte dele. “Toda vez que ele saía, usava uma jaqueta amarela porque estava com medo do frio.”

Algo mais – ou alguém – se destacou também: Michael Corbes Yahzet, de 16 anos, vizinho do falecido e a única pessoa com ele quando morreu.

O aluno muito construído estava lá quando o corpo foi coletado, e o Sr. Lim o encorajou a dizer algumas palavras também. Cabeça baixa, voz abafada, um “descanso em paz” mal podia ser ouvido antes de ele irromper em lágrimas.

Mais tarde, um Michael mais compacto disse sobre o “cara muito solitário” que ele conhecia por 10 anos: “Eu voltava da escola (e) sempre o via fora de casa, então eu sempre conversava com ele.

“Ele me dizia para não intimidar os outros. Ele me ensinou coisas boas.

O estudante do Instituto de Educação Técnica Michael Yahzet foi vizinho do Sr. Cheong por 10 anos.

O Sr. Cheong teve um impacto no seu assistente social também. Seu funeral foi o único que a Sra. Wee participou no curso de seu trabalho.

“Para mim, trabalho é trabalho. Mas com certos idosos, o sentimento é diferente. Talvez (comparecer ao seu funeral) seja o caminho (para mim) mostrar a ele que ele não está sozinho ”, disse ela.

Por mais solitária que tenha sido a vida de alguns idosos, o Sr. Lim está motivado para garantir que a morte deles seja diferente. “Uma pessoa que está morrendo sem família é a coisa mais dolorosa”, disse ele.

***

Texto originalmente publicado em Channel News Asia, livremente adaptado e traduzido pela equipe Seu Amigo Guru.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!