Hoje foi um dia bom. Um dia de atenção mais plena, dia de contornar espaços pra sentir onde eu caibo sem que eu me sinta pequena ou só.

Engraçado como de repente me vi solta, saindo da caixa, atravessando meu espírito com meu consentimento, sentindo menos dor no peito, porque assim o quis.

O silêncio causa algum burburinho, mas a alma não se sente enganada e nem frustrada porque a mente mais aberta deixa a luz do sol entrar e a fé tocar meu coração com paz interna, sem remorso.

Hoje tudo seguiu dentro da normalidade, sem parecer rotina, sem parecer brincadeira, sem parecer que eu desisti de sentir, de amar, de tentar, de avançar mais um passo diante do clamor de Deus.

Não há aperto, não há tantos porquês, não há tanto querer urgente.

Não estou carregando fardo, não estou dispersa, e nem totalmente imersa aos problemas, aos conflitos, as coisas que amei e que vez em quando se aproximam de mim.

Hoje foi um dia onde pude caminhar, sentir mais a vida, onde pude conversar com meu íntimo me deixando ir sem que ninguém me impedisse, sem que ninguém me puxasse pelo braço ou tentasse me empurrar.

E está valendo a pena ser alguém livre sem deixar as responsabilidades de lado, mas livre no sentido de não me aprisionar em expectativas, em promessas em propostas nem sempre reais.

Sinto falta mesmo é de compartilhar as coisas que levo comigo e que são leais.

Pena que o mundo, e as pessoas, estejam indispostas e não saibam o que é troca espiritual. A matéria os consome, muitas vezes a ingratidão é sobrenome, mas aprendi a perdoar, a relevar, a deixar ir e esquecer.

Hoje foi um dia bom, foi um dia a mais, pra jamais me sentir menos ou perdida na dimensão que criei.

Está mais plano, está mais pleno, está mais vivo.

Mantenho sonhos vivos, mantenho o viço, mantenho a esperança descansando em cada anoitecer.

São recomeços, são meios, são fins. Mas é o que tenho pro agora, pro que abracei, pro que processei na mente.

Estou ciente dos Planos de Deus.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Sil Guidorizzi
Sou Paulista, descendente de Italianos. Libriana. Escritora. Cantora. Debruço-me sobre as palavras. Elas causam um efeito devastador em mim. Trazem-me â tona. Fazem-me enxergar a vida por outro prisma. Meu primeiro Livro foi lançado em Fevereiro de 2016. Amor Essência e Seus Encontros pela Editora Penalux. O prefácio foi escrito pelo Poeta e Jornalista Fernando Coelho. A orelha escrita pelo Poeta e jornalista Ivan de Almeida. O básico do viver está no simples que habita em mim.