Há pessoas que simplesmente não crescem na adversidade e nada muda!

É esperançoso e motivador pensar que a adversidade nos tornará mais resilientes. Que sairemos mais fortes dessa crise. Que essas circunstâncias excepcionais trarão à luz nossa melhor versão.

Que vamos testar nossa força emocional e desenvolver novas ferramentas psicológicas projetadas para enriquecer nossa experiência por toda a vida.

Não há dúvida de que este será o caso de muitas pessoas. Há quem responda muito bem sob pressão. Muitas pessoas serão capazes de expandir seus limites. Conhecer-se melhor. Descobrir novas qualidades ou uma força inesperada.

No entanto, também existem pessoas que não se saem bem sob pressão. Para aqueles que se limitam certas situações os esmagam. São pessoas extremamente vulneráveis ​​ao estresse. Que em crises saem derrotadas. Essas pessoas não valem menos. Eles simplesmente reagem de maneira diferente.

A adversidade não nos faz crescer, somos nós que crescemos através dela, às vezes.

Em meados dos anos 90, os psicólogos Richard Tedeschi e Lawrence Calhoun descobriram que algumas pessoas, depois de passarem por uma situação traumática, desenvolvem uma nova compreensão de si mesmas e do mundo, apreciam mais a vida, fortalecem os laços emocionais com seu círculo de confiança e sentem-se mais fortes, espiritualizados e inspirados. Eles chamavam de “crescimento pós-traumático”.

O crescimento pós-traumático, portanto, não significa apenas sobreviver à adversidade, mas experimentar uma mudança positiva que nos leva a ser uma pessoa melhor, mais forte e / ou mais sábia.

Suas descobertas são positivas e encorajadoras. Não há dúvida. Eles nos ajudam a dar sentido à nossa vida.

De fato, tendemos a redimir, a girar a narrativa de nossas vidas em termos dos desafios que enfrentamos e dos contratempos que superamos. É reconfortante pensar que coisas boas podem advir de coisas ruins. Que os eventos mais terríveis terão uma virada positiva ou que, de alguma forma, eles podem nos mudar para melhor.

E às vezes é assim.

Mas não sempre.

Porque o sofrimento que a adversidade causa não são uma revelação em si mesmos. Eles não contêm aprendizado ou levam ao crescimento pessoal per si só. A menos que nos esforcemos para encontrar esse super sentido.

Outros estudos descobriram que em alguns casos esse crescimento percebido pode ser uma cortina de fumaça.

Psicólogos da Universidade da Pensilvânia, por exemplo, descobriram que o crescimento pós-traumático que muitas pessoas reconheciam após um rompimento não se refletia de fato em seus comportamentos e atitudes.

Portanto, é provável que às vezes digamos que crescemos apenas para nos confortar, quando na realidade ainda estamos lidando com as conseqüências emocionais do trauma em uma cultura que nos dá muito pouco tempo para lamentar a tragédia e onde todos devem se recuperar em um tempo relativamente curto.

Em uma cultura em que o mandato é:

Supere isso e continue!

Naturalmente, idealmente, as feridas causadas pela adversidade se curarão rapidamente. O que poderia nos fortalecer. Se a recebermos como um ensinamento.

No entanto, não vivemos em um mundo ideal e nosso funcionamento psicológico está longe de ser linear, de modo que a pressão para virar a página, ver o lado positivo e crescer com a experiência pode fazer com que algumas pessoas se sintam compelidas a colocar a máscara do uma falsa resiliência por trás da qual escondem sentimentos de angústia, dor e tristeza e não encontram validação naqueles que os rodeiam.

A longo prazo, essas tentativas de pressionar as pessoas para o crescimento pós-traumático podem se tornar um bumerangue, pois podem impedi-las de procurar a ajuda de que precisam e reconhecer sua vulnerabilidade, incentivando-as a adotar estratégias de enfrentamento inadequadas que podem acabar pesando em seu significado de auto-eficácia.

Liberando-se da tirania do crescimento pós-traumático

De um modo geral, muitas vezes é difícil aceitar a ideia de que o crescimento pessoal e a resiliência são resultados típicos da adversidade. Isso significaria que, a longo prazo, o sofrimento é bom e que as pessoas que passaram por situações difíceis são mais fortes. Mas isso é apenas metade da história.

Passar por uma tragédia não é fácil. Às vezes, a dor de certos inchaços não desaparece completamente.

De fato, não é apenas sobre dor, mas sobre o cataclismo psicológico que a adversidade pode provocar em nosso mundo.

Essas tragédias podem apagar nossos títulos de uma só vez e tirar nossos pilares emocionais. De tais tragédias, é difícil se recuperar. E isso leva tempo.

Portanto, é importante supor que todos não crescerão da mesma maneira, muito menos na mesma velocidade.

Que enquanto alguns são capazes de se trancar em uma espécie de esfera protetora que mitiga os golpes, outros são atingidos completamente por tragédias, sem proteção.

Essas pessoas continuarão precisando de ajuda e apoio muito depois que essa tragédia passar.

Para eles, essa normalidade almejada não virá quando as portas forem abertas e pudermos voltar às ruas. É precisamente a ajuda e o apoio que receberem – e não as adversidades – que poderão ajudá-los a superar o trauma.

Também não é necessário considerar o crescimento como uma meta para todos.

Para muitas pessoas, voltar para onde estavam antes do trauma pode ser uma meta suficientemente ambiciosa. O crescimento pós-traumático é um resultado, não um objetivo.

Não há dúvida de que as histórias de crescimento decorrentes de trauma são poderosas e motivadoras.

Eles podem nos inspirar e nos dar algo em que nos agarrar quando o mundo inteiro desmoronar, mas também devemos estar cientes de que, se não pudermos ficar mais fortes, nada acontece.

Se não pudermos ver “o positivo” dessa situação, nada acontece também.

Às vezes, apenas sair já é uma grande conquista. E é nisso que devemos nos concentrar quando nos falta força.

Todos temos recursos de autocura, mas são diferentes.

Eles são ativados em diferentes situações e crescem a uma taxa diferente.

É importante não forçar nosso ritmo, mas “digerir” o que estamos experimentando sem colocar muita pressão sobre nós mesmos.

Não podemos consertar a pressão adicionando mais pressão.

Portanto, se experimentamos crescimento pós-traumático com tudo o que está acontecendo, tudo bem! Procure ajuda profissional. Caso contrário, nada mudará.


Fontes:

Owenz, M. & Fowers, BJ (2019) O crescimento pós-traumático percebido pode não refletir uma mudança positiva real: um estudo prospectivo a curto prazo da dissolução do relacionamento. Revista de Relações Sociais e Pessoais ; 36 (10): 3098-3116.

Jayawickreme, E. & Blackie, L. (2014) Crescimento pós-traumático como mudança de personalidade positiva: evidências, controvérsias e direções futuras. Revisões de Personalidade Européia ; 28 (4): 312-331.

Engelhard, IM et. Al. (2014) Mudando para melhor ou para pior? Crescimento pós-traumático relatado por soldados implantados no Iraque. Ciência Psicológica Clínica ; 1: 1-8.

Frazier, P. et. Al. (2009) O crescimento pós-traumático auto-relatado reflete uma mudança positiva genuína? Ciência psicológica ; 20 (7): 912-919.

Tedeschi, RG e Calhoun, LG (1996) O inventário de crescimento pós-traumático: Medindo o legado positivo do trauma. Jornal de Estresse Traumático ; 9: 455-470.

*Tradução e adaptação REDAÇÃO Seu Amigo Guru. Com informações Rincón de Pscologia

VOCÊ SABIA QUE O SEU AMIGO GURU TAMBÉM ESTÁ NO FACEBOOK E NO INSTAGRAM?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS TORNARÃO A SUA VIDA MUITO MAIS LEVE E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!