Por Ruth Manus

Geração millennial: os jovens que são bons demais para qualquer emprego. Existe uma coisa chamada humildade. Uma coisa chamada espírito de equipe. Uma coisa chamada maturidade. E daqui a pouco eles chegam aos 30 anos sem fazer nenhuma ideia do que essas coisas significam.

Há quem diga que millennial é quem nasceu nos anos 80 e 90. Há quem diga que são os dos anos 2000. Há bastante discussão sobre isso, mas enfim, nesse texto, estou, de fato, me referindo, em média, aos nascidos a partir do começo dos anos 90. Uma curiosa geração que nunca tem dúvidas acerca do seu superestimado valor.

Parece que assim que os anos 90 chegaram, surgiu uma estranha geração de jovens intocáveis, que parece ter certeza de que sua presença no planeta terra é uma grande honra para todos. Já ouvi, mais de uma vez, millennials dizerem coisas como “eu não pedi para nascer” para justificar seus comportamentos de criança de 5 anos, quando já estão na casa dos 25. É claro que há exceções, mas são tantos com esse perfil, que a generalização se torna inevitável.

Eu sinceramente não entendo. Parece que até o fim dos anos 80 nos ensinaram a estudar, trabalhar duro e tentar ser feliz. Uma lógica bem simples para a vida. Nos ensinaram a respeitar hierarquias e, acima de tudo, nos ensinaram o significado da palavra “oportunidade”. Aprendemos a agarrar as oportunidades, a suar para merecê-las e a sermos gratos por elas.

Mas de repente apareceu uma geração que acha que são as empresas que têm a “oportunidade” de contratá-los. Ou seja, que é aquela tal grande honra para todos, o fato de poder contar com a presença deles. Chegam em entrevistas de trabalho e, em vez de tentarem mostrar seu melhor, começam a questionar o que empresa tem para lhes oferecer. Se enxergam sempre como os titulares dos direitos e nunca como os devedores de nada.

Nunca acham que são valorizados o bastante. Deveriam ganhar mais. Deveriam trabalhar menos. Frases como “não estudei tanto para ficar carregando papel” ou “aquela vaga não é compatível com as minhas ambições” são ditas por gente de 22 anos, sem qualquer tipo de experiência, ainda vivendo às custas dos pais. Eles selecionam, analisam, criticam e concluem que nada é bom o bastante para eles.

A noção de cooperação também é bastante remota na cabeça dos millennials. Se encontram um papel amassado no chão, não cogitam pegá-lo e jogá-lo no lixo. O raciocínio é “não fui eu que joguei, não tenho que pegar”, exatamente como fazem as crianças de 5 anos. Mas facilmente se sentem ofendidos se ninguém se habilita a ajudá-los com seus prazos e suas crises.

Nos dias em que uma bomba explode e é preciso trabalhar até um pouco mais tarde, recorrem a filosofias carpe diem e vão embora no seu horário normal. Nos dias em que atrasam um relatório e precisam ficar até mais tarde, consideram-se os grandes injustiçados da história. Dois pesos, duas medidas.

Sou a primeira a defender as jornadas de trabalho justas e não excessivas, assim como concordo que todo profissional deva ser valorizado. Mas, antes disso, existe uma coisa chamada humildade. Existe uma coisa chamada espírito de equipe. Uma coisa chamada maturidade. E daqui a pouco eles chegam na casa dos 30 anos, sem fazer nenhuma ideia do que essas coisas significam.

** Texto originalmente publicado por Observador PT

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!