Filhas que não receberam amor: como são suas relações afetivas?

Os relacionamentos afetivos em mulheres que não receberam amor na infância muitas vezes podem ser desafiadores. O sentimento de abandono e deficiências emocionais leva-os, por vezes, a cair em relações de dependência ou laços prejudiciais.

Muitas dessas filhas que não receberam amor na infância vivem em silêncio o sofrimento na idade adulta . Desatenção, abandono, pais narcisistas … São várias dinâmicas e realidades capazes de deixar feridas permanentes no tecido psicológico dos filhos. Todas essas lesões afetivas iniciais geralmente têm seu impacto posterior na esfera do casal.

Como já sabemos, a paternidade e a maternidade muitas vezes estão longe de ser perfeitas, é verdade. Tanto é verdade, que mais de um poderia dar seu testemunho para mostrar que o carinho de uma mãe às vezes pode ser condicional . Além disso, o respeito de um pai por seus filhos nem sempre é tão exemplar. Porém, neste caso particular, estamos interessados ​​em compreender um fato que costuma despertar considerável interesse.

Como são as relações do casal naquelas mulheres que sofreram deficiências familiares na infância? Como elas vivem, sentem e lidam com o amor na idade adulta? Vamos mergulhar nisso abaixo.

Desafios em questões emocionais que definem filhas que não receberam amor

Há uma bagagem única que muitas filhas não amadas carregam e que as acompanha até a idade adulta. Quando você olha no espelho retrovisor de sua própria vida, o que você vê quase sempre é um passado cheio de decepções, vazios profundos e rejeições agudas que deixaram feridas não cicatrizadas. As pessoas criam nossas histórias de vida com base em experiências anteriores.

Quando aqueles modelos de que nos alimentamos partem de uma infância de frieza emocional, falta de amor ou mesmo abuso psicológico, é comum integrar esquemas distorcidos e até errados.

Por exemplo, muitas dessas filhas que não receberam amor na infância podem considerar válidos os comportamentos abusivos por parte de seus parceiros.

Eles fazem isso porque é a única coisa que já conheceram. Aceitam o desprezo, a chantagem e até a manipulação emocional porque é isso que tiveram desde muito cedo. Não é fácil abrir os olhos para essas realidades. Não é fácil entender que o amor autêntico não funciona assim e que todos devemos aspirar a algo melhor. Vamos discutir mais recursos.

Apego inseguro em filhas que não receberam amor

Peg Streep é uma autora americana que passou mais de 20 anos estudando a realidade daquelas mulheres que não eram amadas por suas mães na infância.

Em seu livro Daughter Detox, ele explica algo interessante. Segundo ela, essas filhas são definidas por desenvolverem um apego inseguro, ou seja, na infância nunca souberam o que esperar dos pais, principalmente da figura materna.

A insegurança, a contradição constante em que ora se recebe a atenção, a indiferença e ora a crítica e o desprezo podem fazer com que um desses três padrões de comportamento se desenvolva na vida adulta na esfera relacional. São os seguintes:

Comportamento afetivo ansioso-preocupado. Definida por vivenciar a insegurança, bem como a ansiedade constante na relação afetiva, sentir medo do abandono e do engano, de que ao menos sofrerá a traição.

Desdenhoso-evitativo. Nesse caso, a mulher não quer estabelecer relacionamentos sólidos, ela os evita porque prefere manter sua independência, ter controle sobre sua vida e assim evitar o sofrimento.

Medroso-evitativo. Nesse tipo de relacionamento, as filhas que não receberam amor na infância tornam-se adultas que desejam ter um companheiro e desfrutar da intimidade. No entanto, eles se sentem inseguros, temem sentir as mesmas dores da infância e não hesitam em desaparecer ou terminar o relacionamento da noite para o dia.

Desgosto na infância faz com que ideias que não são verdadeiras sejam integradas

Passar as primeiras décadas de vida na esteira da privação emocional, do narcisismo materno e paterno, da crítica ou do abandono faz com que as filhas que não receberam amor tenham ideias distorcidas sobre os relacionamentos. Em média, são geralmente os seguintes:

O amor é uma transação. É preciso sofrer para receber carinho, mesmo que seja migalha. Às vezes, até o abuso , o desprezo, a manipulação são normalizados.

Emoções e necessidades devem ser ocultadas. Se algo o magoar ou decepcionar, você deve guardar essa emoção para si mesmo. Além disso, suas próprias necessidades, o que você quer, não é importante. Importa o que o outro deseja.

O amor deve ser buscado em qualquer lugar. A filha não amada não tem o sentimento de pertencer a uma família de origem. Essa falta, esse deslocamento e falta de raízes a leva a buscar uma comparação de afeto onde e com quem. Assim, existe o risco de originar relações de dependência.

Perguntas a se fazer se você for uma filha não amada

Se você não era uma filha amada, pode ter gravitado por muito tempo em torno de pessoas que, longe de amá-la como você quer e precisa, a negligenciaram como ninguém merece.

O que você merece é mais do que respeito e amor autêntico. Você precisa agora, antes de tudo, consertar e até construir o tecido do amor-próprio e da sua auto-estima.

Portanto, nessas situações é bom fazer as seguintes perguntas, perguntas que devem nos convidar a reflexões profundas:

Eu realmente preciso ter um parceiro para ser feliz?

O que espero que meus parceiros me ofereçam tem a ver com as deficiências que tive na infância?

Qual tem sido, em média, a razão pela qual frequentemente fracasso no amor?

O que aprendi com essas experiências?

O que é amor para mim? Essa ideia é saudável, me beneficiou até agora?

Que visão eu tenho de mim mesmo? Há algo que eu deveria atender ou resolver para me sentir melhor?

Eu fiz isso até agora?

Se eu pensar na minha infância, que emoções vêm para mim?

Tristeza, raiva, decepção, medo …?

Como essas emoções e questões não curadas afetam meus relacionamentos?

Para concluir, muitas pessoas tiveram uma infância traumática. No entanto, a figura das filhas não amadas pelas mães, por exemplo, é um tema recorrente e precisa ser abordado com amor. O amor que elas não receberam.

Não hesite em solicitar ajuda especializada nessas situações, se assim o considerar necessário.

*DA REDAÇÃO SAG. LLM

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!