FELIZ é aquele que existe por si só, e não delega a sua felicidade ao outro. Isso foi o que aprendi assistindo o icônico personagem de ROWAN ATKINSON, O MR. BEAN.

A solitude é uma dádiva divina e parece que o Mr.Bean entendeu a mensagem. Ele é considerado esquisito, apenas por ser sempre ele mesmo e apreciar ao máximo a sua própria companhia.

Dançando com suas estranhices, banhando-se em suas imperfeições, jantando com suas indagações, Bean descobriu o tesouro do viver, ao se aventurar a correr na pista de gelo, enquanto todos estavam patinando.

Ele abraçou o vento gélido em seu rosto e o aqueceu com a solitude em seu coração, ao compreender que belo mesmo,é ser feliz consigo mesmo.

A paz da sabedoria o faz companhia e baila com ele na pista onde a indômita coragem valseia.

Coração Valente.

Por vezes as pessoas não compreendem o quão valiosa é a passagem de tempo conosco. O tempo que nos coloca em cheque, testa nossa resistência, questiona nossa estabilidade emocional e modula nossa vivência.

O tempo, é o pêndulo da sabedoria.

É ele que nos prepara para sermos mais sábios, enxergando com olhos de aves de rapina o momento mais oportuno para agirmos ou recuarmos.

Quando ávidos por um relacionamento, vamos afoitos beber no primeiro leito que encontramos no deserto. De tão exasperados pela água que matará nossa sede, não atentamos para o fato daquele leito, oásis no meio do deserto, talvez ser uma miragem.

E então, com antolhos, nos lançamos sôfregos, a mergulhar naquela água miraculosa.E no instante em que a tocamos, nossos olhos se abrem e nos vemos afundados em areia movediça.

Não seja afoito. Aproveite a sua solitude e prepare-se para se tornar um exímio explorador da mente humana, ou pelo menos, da sua própria mente!

Com a solitude, nos voltamos a nós mesmos e no côncavo da nossa profundeza emocional entramos em profunda meditação acerca de nós mesmos.

Assim, não precisaremos mais sermos colonizados por alguém que explora nossas riquezas emocionais.

Nossas particularidades são jóias preciosas demais para serem entregues de bandeja para os saqueadores emocionais.

Assim, absortos em nos conhecermos antes de nos lançarmos com uma mochila nas costas determinados a explorar o desconhecido, no outro, descobrimos segredos nunca antes revelados, pois estes estão escondidos apenas para quem sabe decifrar sentimentos falsos.

O maior tesouro, é estarmos felizes apesar da inexistência do outro.

Prepare-se.

A íris dos teus olhos é só você.

A pupila é que se dilata e se encanta pelo belo que vê.

Mas ela só enxerga a superfície do outro, nunca alcança o magma que cada um esconde nas entranhas da alma.

Alie-se e aventure-se apenas com alguém que queira desbravar um novo mundo ao seu lado.

Faça a escolha ideal, perseguindo valores, sempre atenta à sua essência.

Seja coerente.

Procure o explorador ideal para caçarem juntos o tesouro de um relacionamento que não te altere, mas que te complemente e te faça feliz.

Até lá, seja feliz se aventurando em sua própria trilha.

Decifre-se e abrace seus enigmas.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Daniele Abrantes
Sou jornalista de espírito vintage, que ama compor músicas ,pintar, e escrever sobre assuntos voltados à compreensão das relações humanas e da profundidade da alma. Acredito que as duas maiores forças que possuem o poder de mudar o nosso dia a dia são o Amor e a Empatia. Grata por compartilhar com vocês esta jornada.