Fazer dos pobres uma prioridade não é político, é o Evangelho, diz o papa

O Papa Francisco conduziu sua audiência geral na biblioteca do Palácio Apostólico no Vaticano em 19 de agosto de 2020. O papa disse que a opção preferencial da Igreja pelos pobres inclui garantir que qualquer vacina desenvolvida para COVID-19 ajude a todos. (Foto CNS / mídia do Vaticano)

Por: Carol Glatz

CIDADE DO VATICANO (CNS) – O ensino da Igreja sobre dar prioridade ao bem-estar dos pobres e marginalizados não é uma opção política ou ideológica; está no cerne do Evangelho, disse o Papa Francisco.

A opção preferencial pelos pobres, que inclui alimentar os famintos e aproximar-se dos excluídos, “é o critério-chave da autenticidade cristã”, disse ele em 19 de agosto durante sua audiência geral semanal.

O princípio também incluiria garantir que qualquer vacina desenvolvida para o novo coronavírus ajude a todos, acrescentou.

“Seria triste”, disse ele, se a prioridade para uma vacina “fosse dada aos mais ricos. Seria triste se esta vacina se tornasse propriedade desta nação ou de outra, em vez de universal e para todos. ”

Durante sua audiência, transmitida ao vivo da biblioteca do Palácio Apostólico, o Papa Francisco deu continuidade a uma série de palestras sobre os princípios da doutrina social da Igreja como um guia para curar e construir um futuro melhor, especialmente porque o mundo está lutando contra uma pandemia e efeitos negativos.

Na verdade, disse ele, uma resposta adequada à pandemia é dupla:

“Por um lado, é fundamental encontrar a cura para este pequeno mas terrível vírus, que pôs de joelhos o mundo inteiro. Por outro lado, devemos também curar um vírus maior, o da injustiça social, da desigualdade de oportunidades, da marginalização e da falta de proteção para os mais fracos”.

“Seria um escândalo se toda a assistência econômica que estamos realizando – a maior parte com dinheiro público – se concentrasse no resgate das indústrias que não contribuem para a inclusão dos excluídos, a promoção dos menos, o bem comum ou o cuidado da criação ”, disse o papa.

Esses são os quatro critérios que devem ser usados ​​“para escolher quais indústrias devem ser ajudadas: aquelas que contribuem para a inclusão dos excluídos, para a promoção dos menores, para o bem comum e o cuidado da criação”.

O Papa Francisco disse que a pandemia COVID-19 “expôs a situação difícil dos pobres e a grande desigualdade que reina no mundo” e tornou essas desigualdades e discriminação ainda piores.

Uma das respostas que não pode faltar é a opção preferencial pelos pobres, afirmou.

Este elemento-chave do ensino social da Igreja “não é uma opção política, nem é uma opção ideológica”, disse ele; é “no centro do Evangelho”.

Jesus “estava entre os enfermos, os pobres, os excluídos, mostrando-lhes o amor misericordioso de Deus”, disse ele.

A opção preferencial pelos pobres é um dever de todos os cristãos e comunidades, disse ele, e significa fazer mais do que prestar a assistência necessária; requer a correção das causas e problemas que levam à necessidade de ajuda.

“Muitas pessoas querem voltar à normalidade” e voltar aos negócios, disse o papa, mas essa “normalidade” não deve acarretar injustiça social contínua e degradação do meio ambiente.

“A pandemia é uma crise e não saímos de uma crise como antes: ou saímos melhor ou pioramos”, disse ele. “Temos que sair melhor” e construir algo diferente.

O mundo precisa de uma economia e de remédios que não “envenenem a sociedade, como lucros não vinculados à criação de empregos dignos”, mas sim lucros que beneficiem o público em geral.

“Devemos agir agora para curar as epidemias causadas por vírus pequenos e invisíveis e para curar aquelas causadas pelas grandes e visíveis injustiças sociais”, disse ele.

Ao “partir do amor de Deus, colocando as periferias no centro e as últimas em primeiro lugar”, disse ele, “um mundo mais saudável será possível”.

A recuperação da pandemia exigirá uma ação enraizada no amor tangível, “ancorada na esperança e fundada na fé”, disse ele, “caso contrário, sairemos da crise de forma pior.”

O papa concluiu orando: “Que o Senhor nos ajude e nos dê forças para sair dela melhor, respondendo às necessidades do mundo de hoje”.

* Foto: Philip Chidell / Shutterstock.com
*Tradução e adaptação REDAÇÃO SAG. Com informações Catholic News

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!