Fadiga mental: a ansiedade alimentada pelo vício da recompensa.

A minha teoria que relaciona a fadiga mental à ansiedade e a dopamina foi publicada na revista científica internacional Web Of Science and Scopus.

Como neurocientista estudo também como o descontrole hormonal pode ter relação com os transtornos de ansiedade e depressão.

Quantas vezes você começou a ler um texto e, antes mesmo de chegar ao final, se sentiu cansado demais para continuar a leitura?

Apesar de não entender muito bem o motivo desse “cansaço”, é comum associá-lo à preguiça e ao acúmulo de obrigações do dia a dia.

Porém a “falta de vontade” está relacionada a uma condição genética.

Ao contrário do que muitos pensam, não estamos mais cansados porque fazemos mais coisas. Na realidade, pensamos mais e fazemos menos, estamos fadigados devido a uma disfunção relacionada à ansiedade. Faltam-nos gatilhos para iniciar processos que buscam uma conclusão, fantasiamos as metas, mas não há força para iniciar o projeto.

Minha teoria publicada na Revista científica Brazilian Journal of Development indexada a Qualis CAPEs B2 Brasil e a internacional, a Web Of Siencie e Scorpus, mostra que o ser humano está burlando a sua identidade genética e, neste momento, sofre as consequências disso. É fato que estamos “viciados” em dopamina, que é um hormônio neurotransmissor que influencia o nosso humor, e ele está relacionado à recompensa.

Estamos sempre em busca de aumentar sua produção, mas sem querer fazer esforço para alcançá-la.

Esse ciclo está nos forçando a um descontrole desse hormônio ou forçando a sua produção por introdução medicamentosa. Por isso, há tantos casos de síndromes, transtornos de ansiedade, depressão, e claro, o cansaço.

Além da sobrecarga mental, as consequências dessa “busca pela recompensa”, podem afetar também a parte física.

O excesso de ansiedade sobrecarrega o corpo com hormônios de estresse, como o cortisol, por exemplo. O cortisol é um regulador do estresse, porque é responsável por manter nossa imunidade e eliminar o que tem de ruim em nosso organismo.

Esse esforço constante em combater o estresse exige um gasto de energia que leva à fadiga, já que o corpo está desprovido de energia.

O estresse constante leva à fadiga crônica e a ansiedade sobrecarrega o corpo, ocasionando a exaustão.

O melhor remédio para combater essa doença, que pode levar inclusive à morte prematura, são os hábitos, que vão, desde a alimentação até à rotina de organização com exercício físico, metas alcançáveis, lazer, e interação com outras pessoas.

*Foto de Jen Theodore no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Fabiano de Abreu
Fabiano de Abreu Rodrigues é psicanalista clínico, jornalista, empresário, escritor, filósofo, poeta e personal branding luso-brasileiro. Proprietário da agência de comunicação e mídia social MF Press Global, é também um correspondente e colaborador de várias revistas, sites de notícias e jornais de grande repercussão nacional e internacional. Atualmente detém o prêmio do jornalista que mais criou personagens na história da imprensa brasileira e internacional, reconhecido por grandes nomes do jornalismo em diversos países. Como filósofo criou um novo conceito que chamou de poemas-filosóficos para escolas do governo de Minas Gerais no Brasil. Lançou o livro ‘Viver Pode Não Ser Tão Ruim’ no Brasil, Angola, Espanha e Portugal.