Existem poucas coisas tão irritantes quanto um pensamento obsessivo martelando nossa mente continuamente, invadindo o curso da atividade mental e se tornando urgente.

Quando esse pensamento nos embaraça, nos faz sentir culpados ou nos horroriza pelo simples fato de que nos passou pela cabeça, o problema assume proporções colossais.

Na verdade, nossa mente pode ser nosso melhor aliado ou pior inimigo.

Em certas situações, quando estamos nas cordas e a incerteza nos domina, se não tivermos as ferramentas psicológicas adequadas, a ansiedade pode nos dominar completamente.

Nesses casos, os pensamentos obsessivos e ansiosos podem literalmente transformar nossas vidas em um pesadelo.

O que é fusão pensamento-ação?

Todos os tipos de pensamentos passam por nossas mentes todos os dias, alguns são felizes e outros angustiantes.

Geralmente conseguimos filtrar os pensamentos necessários e importantes em um determinado momento para prestar atenção ao que é realmente importante, mas às vezes não conseguimos e pensamentos aparentemente insignificantes assumem o controle, deslocando os demais, até se tornarem praticamente uma obsessão.

É como se nossa mente ganhasse vida própria e não pudéssemos controlá-la.

A fusão pensamento-ação é precisamente a tendência de acreditar que certos pensamentos podem se tornar realidade.

Acreditamos que o simples fato de ter pensado em algo aumenta a probabilidade de isso acontecer, como se pensar que um ente querido se machucasse pudesse realmente machucá-lo.

Normalmente, essa perspectiva é tão assustadora e angustiante que tentamos tirar esse pensamento da cabeça.

Porém, quanto mais tentamos, mais ele se fortalece, porque há um efeito rebote.

Assim, acabamos dando àquele pensamento fugaz uma importância desproporcional, a ponto de dominar nossa atividade mental e causar um verdadeiro colapso interior.

Os tipos de fusão pensamento-ação

Fusão probabilística de pensamento-ação – É a crença de que simplesmente ter um pensamento sobre um evento aumenta a probabilidade de que ele ocorra.

Podemos acreditar, por exemplo, que se pensarmos em um acidente de carro, é mais provável que ocorra, caso em que é uma fusão ação-pensamento com sua própria probabilidade.

Mas também podemos acreditar que, se pensarmos que nosso irmão sofreu um acidente de carro, é mais provável que tenhamos um, o que é chamado de fusão ação-pensamento com outras probabilidades.

Fusão pensamento-ação moral.

Nesse caso, acreditamos que pensar sobre uma ação ou comportamento é moralmente equivalente a realizar esse comportamento. Por exemplo, acreditamos que pensar que poderíamos bater em alguém é tão moralmente errado quanto bater nessa pessoa.

Portanto, a própria ideia nos apavora e nos leva a recriminar e culpar a nós mesmos, como se tivéssemos. Em nossa mente, não separamos o pensamento da ação.


Os 4 traços que nos tornam mais propensos a essa distorção cognitiva

O fenômeno da fusão pensamento-ação foi descoberto em pessoas que sofrem de transtornos de ansiedade e transtorno obsessivo-compulsivo, então a princípio os psicólogos pensaram que se limitava a esta área, mas depois perceberam que Todos nós podemos ser vítimas dessa distorção cognitiva em algum momento de nossa vida.

Mesmo assim, existem certas características de personalidade que nos tornam mais propensos a sofrer de fusão pensamento-ação:

Hiperresponsabilidade.

Pessoas que assumem muita responsabilidade por eventos e carregam responsabilidades que não correspondem a eles têm maior probabilidade de acreditar que seus pensamentos podem se materializar, porque tendem a se culpar por tudo o que acontece.

Obsessão por controle.

Pessoas que precisam ter tudo sob controle também têm maior probabilidade de acreditar que seus pensamentos podem se tornar uma ameaça, porque não reconhecem que muitas das coisas que realmente acontecem não dependem de sua vontade.

Tendência para se preocupar.

Aqueles que tendem a se perder no labirinto de preocupações também têm maior probabilidade de desenvolver a fusão pensamento-ação, uma vez que são incapazes de interromper seus pensamentos. Em vez disso, eles os infundem com oxigênio psicológico, para que continuem crescendo e se tornem pensamentos mais ameaçadores e invasivos.

Baixa tolerância à incerteza.

Pessoas que não toleram bem situações de incerteza têm a tendência de antecipar acontecimentos, geralmente caindo em padrões de pensamento catastróficos que acabam gerando grande ansiedade, a ponto de impedi-los de diferenciar pensamentos de ações.

A fusão pensamento-ação ativa o sentimento de ameaça e nos faz sentir tremendamente culpados, levando-nos a cair em um ciclo de ansiedade e angústia que piora consideravelmente nosso humor, conforme constatou um estudo realizado na Universidade de Sussex.

Como parar a fusão pensamento-ação?

Acima de tudo, devemos estar cientes de que um pensamento, por mais intenso ou terrível que seja, não implica que vai acontecer o que tanto nos assusta. Os pensamentos pertencem ao reino mental e sua força para influenciar a realidade depende de nossos comportamentos.

Por outro lado, devemos estar cientes de que podemos controlar nossos comportamentos, mas temos muito pouco controle sobre os pensamentos que passam por nossa mente, então não devemos nos sentir culpados por um pensamento indesejado.

Desenvolver uma atitude de atenção plena nos ajudará a nos livrar de pensamentos intrusivos que nos incomodam.

A chave é muito simples: não os segure. Se não dermos importância a eles, eles desaparecerão da mesma forma que apareceram, porque nossa atenção é o que os alimenta.

Um simples exercício de visualização pode nos ajudar a abandonar esses pensamentos.

Devemos relaxar e imaginar que nossos pensamentos são como nuvens e nossa mente é o céu.

Algumas dessas nuvens são brancas e fofas e até divertidas.

Outras nuvens são pretas, grandes e ameaçadoras. Porém, se nos limitarmos a ser um mero espectador externo e não nos agarrarmos aos pensamentos, eles acabarão por passar, como as nuvens.

Só temos que libertar a mente, tomando cuidado para não reagir emocionalmente.

Ao longo do dia nossa mente registra cerca de 60.000 pensamentos, de forma que se não nos apegarmos a alguns deles, mais cedo ou mais tarde os pensamentos que nos incomodam irão desaparecer dando lugar a outros.

Fontes:

Thompson, J. et. Al. (2013) Fusão pensamento-ação em diagnósticos de transtorno de ansiedade: Especificidade e efeitos do tratamento. J Nerv Ment Dis ; 201 (5): 407–413.

Graham, CL et. Al. (2013) Pensamentos intrusivos aversivos como contribuintes para responsabilidade inflada, intolerância à incerteza e fusão pensamento-ação. Neuropsiquiatria Clínica ; 10 (3): 30-44.

Berle, D. & Starcevic, V. (2005) Fusão de pensamento – ação: Revisão da literatura e direções futuras. Revisão de psicologia clínica ; 25 (3): 263-284.

Shafran, R. & Rachman, S. (2004) Fusão de pensamento-ação: uma revisão. J Behav Ther Exp Psychiatry ; 35 (2): 87-107.

Rachman, S. (1997) A cognitive theory of obsessions. Behav Res Ther ; 35 (9): 793-802.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações Rincon Psicologia. *Foto de Obi Onyeador no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!