“Existem poucas coisas tão ensurdecedoras quanto o silêncio”, escreveu Mario Benedetti.

Os silêncios escondem ilusões, medos, preocupações, confusão, resignação … Os silêncios carregam uma maré de emoções. No entanto, muitas vezes preferimos pensar que aquele que se cala concede.

Confundimos silêncio com consentimento e caímos na falácia do quietismo.

Qual é a falácia do quietismo?

Falácias são inferências inválidas da realidade que usamos para justificar nossa posição.

Geralmente são argumentos que não têm relação com as ideias apresentadas, mas muitas vezes recorremos a eles para forçar nosso interlocutor a aceitar a validade de uma tese inconsistente.

Algumas falácias manipulam os fatos, outras potencializam o aspecto linguístico e recorrem à ambiguidade, à incompreensibilidade dos enunciados ou à ausência de sentido por trás das ideias para confundir.

A falácia do quietismo, também conhecida como falácia da reserva, baseia-se na ideia de que “quem cala concede”. Quem recorre a esta falácia sustenta que quem não argumenta a seu favor, não se defende ou não intervém, concorda com as ideias suscitadas ou com o estado de coisas.

Na verdade, é um tipo de argumentum ad ignorantiam, uma vez que o silêncio e o quietismo são considerados um teste de consentimento. Por exemplo, pode-se pensar que uma pessoa que não fala contra armas é a favor de seu uso.

Obviamente, este não é o caso. O silêncio nem sempre é concedido. A única coisa certa é que está silencioso. O resto são inferências que fazemos de acordo com o que mais nos convém.

Pensar que silêncio é consentimento implica ignorar o contexto e os sinais que indicam que o silêncio pode ser fruto do medo ou da resignação.

Sigephobia, uma sociedade que teme o silêncio

Em 1997, o filósofo Raimon Panikkar disse que a sigefobia foi uma das doenças do século. Ele estava se referindo ao medo do silêncio. Na verdade, muitas pessoas não se sentem totalmente confortáveis ​​com o silêncio.

Estar com alguém, sem dizer nada, costuma gerar um “silêncio constrangedor”.

Muitas vezes essa sensação de desconforto é tão forte que gera ansiedade e nos empurra a quebrar o silêncio o mais rápido possível, trazendo à tona qualquer assunto de conversa, por mais banal que seja, apenas para diminuir o barulho.

Na realidade, não é um fenômeno estranho se levarmos em conta que vivemos em uma sociedade onde a imagem e a palavra predominam, muitas vezes até sobre os fatos.

O silêncio nos assusta porque traz consigo um feixe de deficiências, significados ocultos e perigos que realmente não sabemos como compreender e administrar.

O silêncio é impreciso, vago, indireto e ambíguo. Podemos dizer muitas coisas por meio dele, mas esses significados não podem escapar da ambiguidade. É por isso que preferimos nos apegar às palavras.

Tememos o não dito porque gera insegurança e incerteza.

Não sabemos realmente como reagir. Por isso é mais fácil pegar atalhos e pensar que silêncio é sinônimo de consentimento. Mas essa inferência implica abstrair do contexto e evitar – muitas vezes propositalmente – que o silêncio pode ser motivado por submissão, medo ou resignação.

Os perigos de manter silêncio sobre o que pensamos ou sentimos

O silêncio é uma decisão comunicativa. Nós decidimos o que calar e o que dizer.

Praticamos a autocensura quando nos calamos sobre coisas que podem prejudicar os outros ou a nós mesmos. Mas quando esse silêncio é imposto por outros, trata-se de repressão e / ou censura. Sem paliativo.

Às vezes, ficamos em silêncio porque tememos as consequências de nossas palavras. Preferimos ficar em silêncio na esperança de evitar conflitos.

Assim, acabamos deixando passar muitos comportamentos e atitudes ofensivas que podem acabar se tornando uma enorme bola de neve que nos arrasta para baixo.

Quando não dizemos o que pensamos ou expressamos nossa discordância, estamos contribuindo passivamente para perpetuar o contexto que nos fere ou incomoda.

Ao silenciar nossas ideias e emoções, alimentamos situações que podem acabar sendo muito mais prejudiciais do que o problema inicial que queríamos evitar.

Desta forma, podemos acabar sendo reféns daquilo que calamos, seja ao nível do parceiro, da família, do trabalho ou da sociedade.

Então chegamos a um ponto em que nos encontramos em uma situação completamente insatisfatória que nos resignamos a continuar a sofrer em silêncio ou explodiremos. Obviamente, nenhuma dessas opções é benéfica para nosso equilíbrio mental .

Quebrar o silêncio

Às vezes, o silêncio dá mais força ao que calamos. Às vezes, um silêncio diz mais do que mil palavras. Mas às vezes não.

O sucesso comunicativo do silêncio não depende apenas de nós, mas também da sensibilidade do nosso interlocutor.

Ele é uma arma poderosa, mas poucos sabem como usá-lo e interpretá-lo adequadamente, então em uma sociedade que dá grande importância à explicitação, às vezes é melhor falar.

A palavra pode esclarecer dúvidas e limitar o significado do silenciado.

Claro, nem sempre encontramos as palavras certas ou argumentos válidos. Não importa. O importante é deixar clara nossa posição ou mesmo a ausência dela quando ainda não temos certeza de nossa posição.

Às vezes, podemos simplesmente pedir um tempo para refletir. Indique que não concordamos. Ou mesmo dizer que ainda não formamos uma opinião.

Trata-se de encontrar uma forma de os outros entenderem melhor como nos sentimos ou o que pensamos, defender nossos direitos assertivos e não ceder a quem possa interpretar mal nossos silêncios sob o ditado que “quem cala concede”.

Fonte:

Garcés, A. & López, a. (2020) A Logical Interpretation of Silence. Computação e Sistemas ; 24 (2).

Méndez, B. & Camargo, L. (2011) Quem é o subsídio silencioso? Funções do silêncio e sua relação com a variável gênero. Relatório final do Mestrado Universitário em Línguas e Literaturas Modernas : Universidade das Ilhas Baleares.

Pannikkar, R. (1997) O silêncio do Buda. Uma introdução ao ateísmo religioso. Madrid, Siruela.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações RP *Foto: Pinterest

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!