Mesmo não tendo a intenção de incomodar quem quer que seja, muitas vezes, sentimos que algumas pessoas se sentem irritadas e incomodadas com a nossa presença, ou simplesmente com o fato de existirmos!

Algumas vezes, não precisamos ter feito nada contra ninguém para que acumulemos incompreensões, desafetos, ou inimizades!

Outras vezes, nossa postura, ou o modo como encaramos a vida, incomodam muita gente!

E seguimos tentando combater as vibrações negativas que nos enviam inconscientemente ou completamente conscientes!

Para os sensitivos, como eu, essa sensação de não aceitação é evidente!

Sentimos a falsidade alheia como se tivessem nos dizendo em alto e bom som que não somos aceitos, que nossa presença não agrada, que nossa visão de mundo é estranha e intolerada!

Outras vezes, tentamos nos fazer entender, insistimos em relações que nos denigre, que nos fere, que nos intimida, passamos por situações humilhantes e nos sentimos inferiorizados em nossas capacidades.

E essa dificuldade em estabelecer laços de afinidade acabam por nos colocar em uma posição isolada do mundo, onde nos limitamos a nos relacionar apenas e tão somente, com os seres de luz!

Para muitos, isso seria uma benção! Mas para nós, sensitivos, além de uma benção, isso é um forte aprendizado!

Não queremos o mal de ninguém, não temos a intenção de ferir e nem de incomodar quem quer que seja! Temos um forte instinto de cooperação, e tentamos exercer o melhor trabalho aliado a caridade onde quer que estejamos!

Porém, somos colocados em equipes de trabalho que nos testam a humildade constantemente!

Certa vez, em oração, perguntei ao meu mentor o motivo de me excluírem sem dó nem piedade em praticamente todos os ambientes de trabalho que já tive a oportunidade de fazer parte!

Em silêncio absoluto pude ouvir em meu coração que tudo não passava de testes impostos pela escola da vida que favoreceriam o meu burilamento interno!

Entendi que todos os grandes mestres que já passaram pela Terra tiveram que enfrentar a fúria de pessoas que não os compreendiam, e se esse poderoso teste de resiliência foi imposto a eles, porque não seria imposto a mim?

Oras, ainda mais a mim, que engatinho na tarefa de auxiliar! Que me dedico diariamente a transformar inspiração em conselho edificante!

Com certeza incomodarei os ímpios e sofredores que visam satisfazer suas vaidades e afagar seus egos!

É certo que esses não são minhas ovelhas! Mas devo confessar que ao lembrar das situações de exclusão que vivi, as vezes, me entristeço!

Porém, imediatamente, ao sentir a tristeza me invadindo, ao me perceber vítima ou me vitimizando, agradeço a Deus por não ter sido eu a causar esse dessabor em ninguém!

Mesmo assim, peço desculpas com todo o meu coração, e com a sinceridade do meu amor digo que sinto muito! Nunca tive a intenção de incomodar ninguém!

Quando me enveredei no caminho da autoajuda, pensei nas críticas que receberia, visto que trabalhei por muitos anos em uma Feira do Livro muito importante, uma das maiores do país!

Tinha um cargo importante, pelo menos para mim, pois tinha a responsabilidade de organizar o único prêmio literário da cidade, onde o maior objetivo era incentivar e motivar crianças e adolescentes de escolas públicas a se interessarem pela arte da leitura e da escrita!

Acreditava que estava vivendo o meu propósito de vida! E naquele momento realmente estava! Até que houve uma grande tempestade!

Um escândalo se abateu sobre a prefeitura da cidade!

A prefeita e seus muitos comparsas, que assumiam cargos públicos foram presos!

Todos os funcionários terceirizados, inclusive eu, formos demitidos!

Mesmo não havendo nenhuma ligação entre nós e eles, já que, não posso afirmar todos, mas a maioria, fomos pegos de surpresa, pois jamais imaginávamos que estávamos fazendo parte de um grande esquema de corrupção!

Os vereadores e representantes ligados a prefeita contratavam funcionários fantasmas, e os funcionários que como eu, trabalhavam honestamente, pagaram um preço muito alto!

Além de surpreendentemente ficarmos desempregados, fomos julgados abertamente, excomungados pelos olhares perversos, destituídos como se não prestássemos para nada, e sofremos as mais diversas humilhações!

Saímos humilhados, e desconcertados, muitos sem saber o que fizemos para merecer tamanha tristeza!

Aqueles que nutriam sentimentos de inveja e aversão por mim, se sentiram vingados, e riam pelas minhas costas! Como se eu tivesse recebido um castigo merecido!

Lembro de ter chegado em casa, ligado à TV, e assistido ao noticiário, comecar a chorar compulsivamente!

Triste, orei!

Orei com todas as minhas forças, sem revolta, sem perguntar o motivo daquilo tudo estar acontecendo, apenas agradecendo o livramento!

Me sentia suja por ter, inconscientemente, participado daquilo tudo! Mas o meu coração sabia que eu não tinha intenção de fazer parte de nada daquilo! Que eu era inocente, e que os inocentes as vezes pagam o preço!

Comecei a reviver todas as cenas de quando estava dentro das escolas, do carinho das crianças, dos adolescentes que me consideram sua tutora na escrita e que me enviavam textos emocionantes!

Encontro na rua com muitos, já adultos e independentes, que me abraçam com carinho! E isso me afaga o coração!

E como o tempo é o senhor da razão, a dor paulatinamente, passou!

Entendi que esse era apenas mais um teste de burilamento para a minha humildade, e que a partir daquele momento eu tinha concluído uma das minhas missões nessa Terra e que precisava seguir em frente!

Um dos problemas que eu enfrentava no trabalho era a inveja de algumas colegas!

Eu sou jornalista e elas se sentiam extremamente cultas, liam muitos livros, decoravam os nome dos autores clássicos e seus principais livros, pareciam descoladas, mas me excluíam constantemente!

Mas não posso ser ingrata ao ponto de não agradecer a lição enviada! Um irmão, que acredito ter vivido comigo em outras vidas, foi me apresentado em um desses momentos de humilhação como se Deus quisesse me mostrar que eu não estava sozinha! O nome dele é Yzak, Dj Yzak, muito respeitado na comunidade do Rap!

Ele viu a bondade do meu coração e me acolheu em sua vida! Somos amigos/irmãos até hoje e seremos para sempre! Essa amizade foi uma das minhas maiores colheitas nesses anos e motivo de aprendizado, pois entendi, que milhares podem estar contra nós, mas se ao menos um bom coração se sentir tocado pela boa intenção que existe em nós, e estiver ao nosso lado, já valeu a pena!

Seguimos trabalhando juntos, se causar alarde, defendendo as causas que acreditamos!

Mas em oração eu ainda perguntava a Deus o que eu poderia fazer para que “elas” parassem de me excluir e de atentar contra mim pelas minhas costas!

E a resposta era sempre a mesma: Perdoe! Quantas vezes forem necessárias! Perdoe! A sua missão é muito maior! Não queira o brilho dos holofotes, e nem o teatro lotado a sua espera! Tudo isso é fruto da vaidade humana! E a sua missão é ainda maior!

Posto isso, me coloquei a pensar por um mês inteiro o que seria tão maior!

De que forma eu poderia ser esse instrumento de amor e cura que meu mentor insistia em me convencer!

Sempre tive o hábito de escrever, que eu me lembre, assim que aprendi as letras, já comecei a rabiscar poemas!

Os meus escritos sempre me confortavam, e posteriormente, começaram a confortar outras almas sedentas de amor!

Foi aí que me deparei com um site lindo, inspirador, mas que ganhava a conotação de “autoajuda”, um estilo literário sempre muito criticado pelas minhas ex-colegas de trabalho!

Esse site com mais de 6 milhoes de seguidores, era um universo de possibilidades e alcance impressionantes! Ele me acolheu em um momento de provas ególatras homéricas!

Seu nome: Resiliência Humana!

Não poderia ser coincidência! Não acham?

Estava aí a minha missão maior, cujo meu mentor me inspirava! Aprender a ser resiliente e a seguir em frente mesmo quando tudo e todos trabalhavam contra!

Esse era meu lema naquele momento! E perdurará para sempre!

A vida seguiu e continuei me deparando com pessoas que ainda não aprenderam a dar as mãos e que gostam de causar a desunião!

Pessoas que se sentem bem em assistir a desgraça alheia, pois gostam de provar que são superiores, e adoram postar em suas redes sociais as suas conquistas! As suas vitórias!

Pessoas que perseguem a vitória a todo custo, mas são extremamente infelizes, pois a felicidade está sempre relacionada a prazeres e bens materiais! E como espiritualmente sabemos, a felicidade não está em nada disso!

Ouvi comentários depreciativos quando postei, sem a intenção de me envaidecer, mas apenas querendo externalizar o meu agradecimentos ao reconhecimento do público, o meu primeiro artigo que viralizou, com quase 2 milhões de curtidas, e nem sei ao certo quantos compartilhamentos!

Essas mesmas ex-colegas vibravam pensamentos por aí, e como eu sei? Eu sinto! E fico sabendo! Os pensamentos me alcançavam! Elas riam e pensavam ser a minha cara mesmo escrever “autoajuda”, insinuando que eu não teria capacidade de escrever algo cult e inteligente, na visão delas! E sem darem o braço a torcer, riam mais ainda do caminho que eu escolhi seguir!

E não foram só elas que buscaram diminuir minhas escolhas, muitas outras pessoas bem próximas se enfureceram com os artigos, pois seus obsessores, ou as energias negativas que elas, constantemente, atraem, não querem saber disso! Não querem que elas deixem de lado essas sombras que as acompanham. Pelo contrário, querem que elas e eles continuem agindo de forma maldosa e materialista!

Depois dessa conclusão, parei novamente, orei novamente, e meu mentor me inspirou em pensamento, me acalmando, e sossegando meu coração!

“O que importa é a sua real intenção, não o que os outros pensam e dizem sobre você. Muitos jogaram pedra tendo o teto de vidro! Não se preocupe! Confie e fortaleça a dua fé em Deus!”

Senti que ele me ensinava, naquele momento, a vencer a vaidade que ensurdece e embrutece! E novamente, me motivou a seguir em frente! Me senti grata!

E resiliente que sou, obedeci!

Por sentir tão palpável essas energias endereçadas a mim, evitava e ainda evito postar meus textos em minha própria rede social porque nunca tive a intenção de afrontar ninguém! E sempre me senti mal com os pensamentos direcionados a mim, hoje, não mais!

Pois aprendi que eu era como uma esponja! Absorvia os pensamentos negativos direcionados a mim! E isso estava errado! Isso tinha que mudar!

Por conta disso, me afastei de todos eles, nunca mais frequentei a Feira do Livro, tudo isso porque eu conseguia sentir os pensamentos fervilhastes!

Foi ai que decidi que precisava aprender a lidar com os inconvenientes dessa sensibilidade!

Participei do Leader Training, um treinamento de autoconhecimento do Instituto Tadashi Kadomoto, e minha vida mudou!

Ou o modo como eu deixava as coisas me afetarem, mudou!

Ou as minhas escolhas mudaram! Só sei que muita coisa aqui dentro mudou depois desse curso!

Nunca mais me deixei ferir por essas energias!

Entendi que a a minha missão realmente é era bem maior, e que autoajuda é bem mais do que uma literatura cult e inteligente! É uma literatura que compreende a inteligência emocional, muito mais necessária nos dias de hoje, do que qualquer outra! Visto que no meu humilde entendimento, hoje, a humanidade precisa de pessoas mais equilibradas emocionalmente do que inteligentes intelectualmente.

Mesmo assim, peço perdão e digo que sinto muito! Não foi a minha intenção incomodar ninguém! E nunca será!

Meu objetivo maior sempre foi a minha reforma íntima, e contribuir para reforma dos meus semelhantes!

Me desculpe se não consegui ajudar mais, se não fui boa o suficiente! Estou aprendendo!

Sei que muitos leitores já passaram por situações semelhantes, porém, diferentes, mas que, possivelmente, sentiram o mesmo mal estar que eu!

Peço para que perdoem quem quer que seja! E que peçam perdão, mesmo acreditando que não fizeram nada que necessitasse o pedido!

Muitas vezes, nossa simples presença incomoda muito, nossas ideias agridem, mesmo que convictos, saibamos que não tínhamos a menor a intenção de agredir! E por conta disso, devemos pedir perdão!

Por isso repito! Me perdoem!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Iara Fonseca
Jornalista, poeta, educadora social, fundadora e editora de conteúdo do Rede de Ideias: PRODUÇÃO DE CONTEÚDO. Seu interior é intenso, sempre foi, transforma suas angustias em textos que ajudam muito mais a ela própria do que a quem lê. As vezes se pega relendo seus textos para tentar colocar em prática aquilo que, ela mesma, sabe que é difícil. Acredita que viemos aqui para aprender a ser, a cada dia, um pouco melhor, para si mesmo, e para o outro!