Eu quero ver você no domingo

Eu quero sair com você no sábado à noite e fechar um bar, depois outro, depois outro, até que estejamos bebendo cerveja nacional barata da garrafa e dançando a música dos anos 90 que conhecemos todas as palavras.

Quero ver você na luz vermelha do corredor do banheiro, nas luzes penduradas do pátio onde todos estão fumando, nas luzes suaves que colocam nas mesas das cabines dos fundos. Quero te beijar em um sofá de couro na frente de estranhos, sentar no seu colo e dizer que não costumo ficar tão bêbado.

Eu quero ir para casa com você, mesmo que devêssemos pegar um táxi, mesmo que esteja um pouco frio demais para não estar vestindo uma jaqueta.

Quero cantar e parar para conversar na calçada e perceber a cada 20 minutos mais ou menos que ainda não voltamos para o apartamento.

Quando você anda na minha frente, eu quero correr atrás de você e bagunçar seu cabelo e beijar seu pescoço e dizer o quanto me diverti, mesmo enquanto ainda estou me divertindo.

Eu quero uma daquelas noites de sábado que parece que nunca acaba, porque está sempre esperando para continuar apenas uma semana depois.

Mas então eu quero ver você no domingo. Quero acordar cedo porque esquecemos de fechar as cortinas, sentir o sol se derramar sobre meu rosto e meu corpo e não sentir necessidade de me cobrir.

Quero me virar para você e ver você ainda dormindo, seu peito subindo e descendo, subindo e descendo. Tudo que eu fizer será quieto e pequeno, porque não quero te acordar, porque sei que você vai ter dor de cabeça quando o fizer. Mas você vai acordar.

Você vai se virar para mim e dizer:

“Há quanto tempo estou dormindo?” e já vou tomar um copo de água gelada e uma aspirina.

Quero me recuperar de ovos moles e bacon e grandes pilhas de panquecas. Vamos sentar na mesa do canto, assim como fizemos no bar, mas desta vez estaremos tomando café e falando sobre o quanto nos divertimos. (Não há sempre algo tão bom em lembrar da diversão quanto em realmente tê-la?)

Eu quero que você coma tanto que seu corpo não tenha mais espaço para dor de cabeça, e tudo que você quer fazer é sentar e não faça nada.

E acima de tudo, quero fazer nada com você.

Quero passar um domingo em casa, eu no meu canto, você no seu, lendo ou trabalhando ou escrevendo, silenciosamente em nossos espaços.

Quero estar tão juntos que não precisemos dizer nada, que possamos apenas ver chover e beber nosso chá e ocasionalmente olhar um para o outro e sorrir.

Vou me perguntar por que pensei que o domingo era para fazer recados, limpar e fazer as coisas uma após a outra, quando está tão claro que gpassar o dia silenciosamente diante de você é muito melhor.

Eu quero ter cada pedacinho do domingo com você, todo domingo, porque você é simplesmente bom demais para terminar em uma noite de sábado.

*DA REDAÇÃO SAG. Foto de Nicolas Horn no Unsplash. Via TC.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!