“Eu me odiava”! Diz mulher que teve um caso por 12 anos com o namorado da amiga!

Essa história é mais sobre distúrbio de personalidade do que sobre traição a amizade. Apesar de que contra fatos não há argumentos.

Diana e Kate se conheceram quando tinham cinco anos e cresceram lado a lado. Kate era a líder. A confiante. Aquela que era melhor em conseguir namorados, em conversar com os garotos e tomar decisões.

Diana era a insegura. Aquela que estava feliz por ser mandada e menosprezada porque estava feliz por ter uma amiga, quanto mais uma melhor amiga.

Diana (foto) conheceu Kate quando ela tinha cinco anos. Imagem: Fornecido.

Kate começou a namorar Tommy na casa dos 20 anos e todos eles começaram a sair juntos na maioria dos fins de semana. Diana nunca se sentiu atraída por ele. Mas ela estava com ciúme, porque Kate tinha namorado, enquanto ninguém queria namorá-la.

Kate costumava ir ao exterior a cada seis meses para ver a família e, enquanto ela estava fora, pedia a Diana para sair com Tommy e lhe fazer companhia. Uma noite, depois que Diana e Tommy foram ao cinema juntos enquanto Kate estava no exterior, ele a beijou.

“Foi como uma cena de filme, eu estava tipo ‘o que você está fazendo?'”, Disse Diana a Mamamia, agora com 47 anos. “Infelizmente, eu me permiti ser atraída por ele e nós nos beijamos.”

A partir daí, as coisas começaram a piorar.

“Inicialmente, concordamos em não deixar ir mais longe. Mas, com o tempo, percebi que ele me olhava de uma maneira diferente. Sentávamos em algum lugar e ele ainda me acariciava pelas costas ou tentava agarrar minha mão. Ou se fôssemos a algum lugar ele me puxaria para dentro do quarto e me beijaria. Aconteceu intermitentemente ao longo dos anos até que eventualmente nos amávamos loucamente “, conta Diana.

amiga
Diana teve dois relacionamentos em sua vida, ambos foram com homens ‘casados’. Imagem: Fornecido.

Por 12 anos, Diana e Tommy tiveram um caso pelas costas de Kate.

“Quando ele deu o primeiro passo, acho que isso alimentou minha autoestima até certo ponto, porque pelo menos alguém estava me mostrando interesse.

“Senti muita culpa. E, no entanto, sempre tentava evitar os avanços dele porque tinha tanta falta de confiança em mim mesma e não acreditava que ele estava me desejando. Então, fui consumida por ódio e aversão a mim mesma, mas ao mesmo tempo, estava dividida porque ele estava me dando a atenção que eu sempre quis”, disse Diana.

Quando eles chegaram aos 30 anos, Tommy teve a coragem de pedir ajuda a Diana para pedir Kate em casamento. E ela sugeriu um piquenique romântico na praia.

Eles se tornaram noivos e mesmo assim, Diana continuou traindo a amiga. Um ou dois anos depois, Diana finalmente decidiu encerrar as coisas. Mas em vez de falar com a amiga ou romper com o noivo da amiga, ela criou uma situação para Kate descobri-los.

“Fiz assim porque estava me machucando, e senti que essa é a minha maneira de acabar um pouco com a dor, parece infantil, mas foi assim que me senti naquela época. Então pensei, tudo bem, esta noite, eu sei que ele vai tentar alguma coisa. Eu sei que ela estará por perto. Isso vai acabar esta noite.

“Naquela noite, nós tomamos alguns drinks e estávamos assistindo TV, e então ele me pediu para ir para a outra sala para escolher outro filme e me beijou de novo.”

Kate os ouviu e tudo explodiu a partir daí. Ele negou, mas Diana acabou contando tudo a ela.

Diana conta que quando foram descobertos, ela sentiu uma enorme sensação de alívio. Mas, também sentiu como se fosse uma “destruidora de almas”.

“Eu fui suicida. Fiquei com o coração partido. Me senti muito culpada. Eu me odiava por permitir que isso acontecesse, e não ter forças para impedir que [acontecesse] em primeiro lugar. Isso me afetou mais do que eu imaginava. Apenas fez com que eu me odiasse ainda mais e afetou meus relacionamentos futuros porque não confio nos homens.”

Diana teve outro relacionamento em seus 47 anos, com outro homem casado.

Ela o conheceu no trabalho e eles começaram a namorar. Este caso foi diferente do primeiro de Diana, porque ela rapidamente se apaixonou por Daniel. Foi emocional, não apenas carnal.

“Era um relacionamento totalmente diferente em comparação com o Tomy. Porque eu sentia mais amor por ele. Para mim, eu senti que ele tinha mais respeito por mim. Isso soa estranho. Mas eu meio que senti que era quase como um relacionamento normal .Mas, infelizmente, ele simplesmente era casado e tinha filhos”.

Quando questionada por que decidiu namorar outro homem casado, Diana explicou que era porque ela não se valorizava. Ela não tinha nenhum respeito próprio e achava que esse era o único tipo de relacionamento que ela era capaz de ter. Ou que ela era digna de ter.

Esse caso durou cerca de dois anos e coincidiu com o primeiro. Ela acabou com os dois logo após o outro.

Com Daniel, ela tentou fazer com que ele a escolhesse primeiro, mas ele não fez isso.

“Ele disse: Você está esperando muito de mim, eu sou um homem casado. Eu me acomodei”. E depois, Daniel tentou arranjá-la com outro de seus amigos casados ​​para “enganá-la” por um tempo para que ele pudesse retomar o caso assim que ela ‘se acalmasse’.

Leia Também: Como diferenciar uma conexão real de um apego tóxico

De novo Diana resolveu causar um estrago, ligou para a esposa dele e contou tudo. Ele, como Tommy, negou tudo.

Diana levou quase duas décadas para aceitar o que fez e uma das coisas mais difíceis de conciliar é o fato de que os dois homens permanecem no relacionamento. Ela, por outro lado, foi retratada como a ‘destruidora de lares’ e teve toda a culpa e vergonha colocados sobre ela e somente depositadas sobre ela. Isso alimentou sua crença todos esses anos de que ela não merece amor e felicidade genuínos.

“Eu era apenas um pedaço de carne para esses homens”, disse ela. “Por 16 anos eu senti que sou essa idiota que aceita homens casados. Mas agora estou começando a entender … Não estou tentando dizer que sou uma vítima aqui. Não sou. Fiz escolhas erradas, mas também não sou a única culpada.

Nos últimos anos, Diana tem trabalhado com um psicoterapeuta que a diagnosticou com um transtorno depressivo grave. Ele suspeita que Diana sempre teve depressão e ansiedade e sugeriu que isso seja considerado em suas escolhas e comportamentos na vida.

traiu-a-amiga
Aos 47 anos, Diana está finalmente pronta para começar a tentar amar e se perdoar por sua parte nos casos. Imagem: Fornecido.

Diana ainda não confia nos homens. Ela não tem um relacionamento desde que os casos terminaram em seus 30 e poucos anos, mas ela finalmente sente que está no caminho certo para perdoar o papel que desempenhou neles.

“Eu nunca me respeitei ou me amei, mas está acontecendo … Eu me valorizo ​​um pouco melhor [agora]. E acho que parte da razão pela qual estou fazendo isso [contando minha história] é porque eu ‘ estou reconhecendo isso e dizendo bem, cometi erros. Fiz um julgamento errado.”

Diana quis contar sua história porque ela percebeu, em sua experiência, que é muito mais fácil para as mulheres culpar a ‘outra mulher’. E pensar que ela é a destruidora de lares. Que ela estava jogando. Que ela instigou o homem.

“Eu nunca consegui entender por que essas mulheres perdoavam seus parceiros, mas ainda assim me culpavam”, disse ela.

Essa história vai muito além de mera traição de uma amiga, ela demonstra claramente como uma mulher muito infeliz, insegura e quebrantada pode atrair situações para fazer os outros ainda mais infelizes do que ela. E dois homens inescrupulosos decidiram tirar vantagem disso.

Quem não se ama nunca será capaz de amar alguém de verdade. É preciso se amar antes de decidir amar alguém.

* nomes alterados por motivos de privacidade.

*DA REDAÇÃO SAG.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!