“Eu amo o que é, não porque sou uma pessoa espiritual, mas porque dói quando discuto com a realidade.”

A única vez em que sofremos é quando acreditamos em um pensamento que discute o que existe.

Quando a mente está perfeitamente clara, sobre o que queremos.

Se você quer que a realidade seja diferente do que é, é melhor tentar ensinar um gato a latir. Você pode tentar e tentar, e no final o gato vai olhar para você e dizer: “Miau”.

Querer que a realidade seja diferente do que é é inútil.

Você pode passar o resto da vida tentando ensinar um gato a latir.

Mesmo assim, se você prestar atenção, perceberá que tem pensamentos como este dezenas de vezes por dia.

“As pessoas deveriam ser mais gentis.”

“As crianças devem ser bem comportadas.”

“Meus vizinhos deveriam cuidar melhor de seu gramado.”

“A fila do supermercado deve andar mais rápido.”

“Meu marido (ou esposa) deve concordar comigo.”

“Eu deveria ser mais magro (ou mais bonito ou mais bem-sucedido).”

Esses pensamentos são maneiras de desejar que a realidade seja diferente do que é. Se você acha que isso parece deprimente, você está certo. Todo o estresse que sentimos é causado por discutir com o que é.

Depois que acordei para a realidade em 1986, as pessoas muitas vezes se referiam a mim como a mulher que fez amizade com o vento.

Barstow é uma cidade deserta onde o vento sopra a maior parte do tempo e todo mundo odiava; as pessoas até se mudaram de lá porque não suportavam o vento. A razão pela qual fiz amizade com o vento – com a realidade – é que descobri que não tinha escolha. Percebi que é insano se opor a isso.

Quando discuto com a realidade, eu perco – mas apenas 100% das vezes.

Como posso saber se o vento deve soprar? Está soprando!

Sou um amante do que é, não porque seja uma pessoa espiritual, mas porque dói quando discuto com a realidade.

Podemos saber que a realidade é boa do jeito que é, porque, quando discutimos com ela, sentimos tensão e frustração.

Não nos sentimos naturais ou equilibrados.

Quando paramos de nos opor à realidade, a ação se torna simples, fluida, gentil e destemida.

Os iniciantes às vezes me perguntam o que aconteceria se investigassem seus pensamentos regularmente.

Eles têm medo de que, se não discutissem com a realidade, não seriam motivados a agir e não saberiam o que fazer.

A experiência daqueles que investigam seus pensamentos é que o oposto é verdadeiro. A investigação naturalmente dá origem à ação.

Quando você começa a encontrar seu pensamento com compreensão, seu corpo o segue.

Ele começa a se mover sozinho, então você não precisa fazer nada.

A investigação é sobre perceber nossos pensamentos, não mudá-los.

Quando você trabalha com o pensamento, o fazer segue naturalmente.

Se você se sentar em uma cadeira e tiver um grande insight, será esse o fim?

Acho que não.

Obter um insight sobre seus pensamentos é apenas metade do processo; a outra metade acontece quando os insights ganham vida.

Até que vivam como ação, eles não são totalmente seus.

Trecho do livro Loving What Is: Four Questions that can Change Your Life , de Byron Katie com Stephen Mitchell
(Nova York: Harmony Books, 2002).

*chopra

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!