Estupidez: a tendência de se machucar e prejudicar os outros

“A pessoa estúpida é o tipo de pessoa mais perigosa que existe”, escreveu o historiador Carlo Cipolla.

Situações limitantes ou excepcionais demonstram isso.

Um comportamento sensível, inteligente e atencioso pode nos manter à tona e nos ajudar a enfrentar o vendaval, mas o comportamento tolo e impulsivo pode definitivamente nos afundar no meio de uma tempestade.

Uma vez que ninguém é uma ilha completa em si, mas somos seres sociais, muitas vezes temos que dar conta dos comportamentos dos outros.

Às vezes, há situações em que, como Juan Rulfo disse,”nos salvamos ou nos afundamos jutos”. Sob essas condições, quando os laços humanos são essenciais para evitar desastres, comportamentos estúpidos podem prejudicar a balança.

O que é estupidez humana?

Existem diferentes conceitos de estupidez, mas um dos mais interessantes vem das mãos de Cipolla, pois ele consegue evitar a subjetividade, concentrando-se nas relações humanas em termos de ganhos e perdas.

Ao dissociar a estupidez humana das expectativas individuais, ele consegue fornecer uma definição mais objetiva de estupidez.

Ele considera que “uma pessoa estúpida é aquela que causa dano a outra pessoa ou grupo de pessoas sem obter, ao mesmo tempo, lucro para si mesma ou mesmo obter dano”.

Ele também explica que existem comportamentos super estúpidos:

“existem pessoas que, com suas ações implausíveis, não apenas causam danos a outras pessoas, mas também a si mesmas”.

Ao contrário do maligno, que pode prejudicar os outros em benefício próprio, comportamentos estúpidos apenas causam danos ao seu redor e causam estragos. Portanto, ninguém vence. É um comportamento sem sentido.

Para classificar o comportamento como estúpido, três condições seriam atendidas:

1- Falta de praticidade.

A pessoa está ciente do que faz, mas faz errado. Ou seja, o comportamento deles não é prático nem funcional, não é uma resposta adaptada à situação; portanto, muitas vezes não apenas resolve o problema, mas cria outros.

2- Miopia metacognitiva.

Esse conceito do psicólogo Klaus Fiedler refere-se à incapacidade da pessoa estúpida de processar seus pensamentos.

Ele é incapaz de analisar seu processo de raciocínio e não pode fazer inferências além dos elementos dados, portanto, não tem plena consciência de sua estupidez.

3- Ignorância motivada.

A pessoa estúpida escolhe a ignorância motivada mais ou menos conscientemente; isto é, recusa-se a saber mais, a aprofundar-se e a tentar entender o que está acontecendo.

Apesar disso, como ele geralmente tem um ego enorme, ele veste uma camisa de onze botões e acaba em situações que exigem mais habilidades e conhecimentos do que ele. O resultado é um desastre garantido.

Estupidez ao poder

Pessoas estúpidas podem causar danos enormes. Cipolla explicou que “algumas pessoas estúpidas geralmente causam apenas danos limitados, mas há outras que acabam causando danos terríveis, não apenas a um ou dois indivíduos, mas a comunidades ou sociedades inteiras”.

“A capacidade de causar danos de uma pessoa estúpida depende de diferentes fatores”, um deles é “a posição de poder ou autoridade que ele ocupa na sociedade. A capacidade de prejudicar os outros é perigosamente aprimorada pela posição de poder que eles ocupam”, afirmou.

De fato, não é incomum que pessoas com ego em excesso, conhecimento insuficiente e poucas habilidades alcancem posições de poder das quais possam tomar decisões terríveis que arrastam aqueles que deles dependem direta ou indiretamente.

Por que isso acontece?

“O problema com a humanidade é que os estúpidos têm certeza de tudo e os inteligentes estão cheios de dúvidas”, disse Bertrand Russell.

As pessoas mais inteligentes estão cientes de seus limites e geralmente relutam em exercer o poder, razão pela qual está frequentemente nas mãos de pessoas mais ousadas, mas com menos luzes.

Em suas leis fundamentais da estupidez humana, Cipolla explicou que as pessoas mais inteligentes e racionais tendem a subestimar o potencial nocivo de pessoas estúpidas.

“Pessoas estúpidas são perigosas e terríveis, porque as pessoas racionais acham difícil imaginar e entender comportamentos estúpidos “, acrescentou. ” Geralmente, o ataque nos pega de surpresa e mesmo quando é conhecido, não é possível organizar uma defesa “.

Comportamentos estúpidos não seguem a lógica racional, dificultando a sua antecipação. Portanto, não é incomum que, em algumas situações, acabemos absorvidos pela espiral destrutiva que a estupidez gera em seu caminho.

Como se proteger de pessoas estúpidas?

Quando a vida nos coloca na corda como sociedade, especialmente em tempos de crise, guerras e pandemias, a estupidez humana aparece em toda a sua glória.

Infelizmente, às vezes não podemos fazer muito para combatê-lo.

É extremamente difícil dialogar com a estupidez. No entanto, podemos ter a certeza de que não estamos a contribuir com a sua ignorância.

“Inteligência e estupidez não são o oposto uma da outra, nem estupidez é a falta de inteligência, mas a inteligência é o produto, mais ou menos fracassado, de uma série contínua de tentativas de dominar, ou escapar, para a estupidez constitutiva de tudo o que é humano”, escreveu Matthijs Van Boxsel.

Isso significa que todos podemos nos comportar estupidamente em determinadas circunstâncias. Um estudo da Universidade de Oulu revelou que acreditar que somos espertos demais pode obscurecer nosso raciocínio e nos levar a tomar decisões prejudiciais a nós mesmos e aos outros.

Portanto, devemos garantir que permanecemos livres do influxo tóxico de um ego excessivo acompanhado por miopia metacognitiva.

Precisamos acalmar o ego. E podemos conseguir isso desenvolvendo um pensamento crítico, mas também com uma atitude humilde e empática.

Antes de tomar uma decisão, devemos nos perguntar o que é bom para nós e o que é bom para os outros. Somente então podemos agir de forma adaptativa e inteligente.

*Tradução e adaptação REDAÇÃO SAG. Com informações de Rincon Psicologia
*Foto de Brooke Cagle no Unsplash

Fontes:

Dutton, E. & der Linden, D. (2015) Quem são os “Clever Sillies”? A inteligência, a personalidade e os motivos de criadores tolos inteligentes e daqueles que os seguem. Inteligência ; 49: 57-65.

Fiedler, K. (2012) Miopia metacognitiva e os dilemas da inferência estatística-indutiva. Psicologia da Aprendizagem e Motivação ; 57: 1-55.

Perkins, DN (2002) O motor da loucura. Em RJ Sternberg (Ed.), Por que pessoas inteligentes podem ser tão estúpidas (64-85). Imprensa da Universidade de Yale.

Cipolla, CM (1988) Allegro ma non troppo. Barcelona: Crítica.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!