“É possível reescrever suas memórias de dor todas às vezes que você as revisitar”, diz neurocientista.

Como nossos cérebros fazem memórias. Novas pesquisas surpreendentes sobre o ato de lembrar podem ajudar pessoas com transtorno de estresse pós-traumático.

Recentemente li um artigo de Greg Miller em que ele entrevista, com ricos detalhes, o neurocientista especialista em memória Karim Nader, da Universidade de Montreal, onde ele fala muitas coisas, e separei algumas delas para compartilhar com vocês.

Como especialista em memória e, em particular, em maleabilidade da memória, Nader diz que sabe que não deve confiar totalmente em suas lembranças.

A maioria das pessoas tem as chamadas memórias flash de onde estavam, e o que estavam fazendo quando algo importante aconteceu: o assassinato do presidente John F. Kennedy, digamos, ou a explosão do ônibus espacial Challenger. (Infelizmente, notícias incrivelmente terríveis parecem surgir do nada com mais frequência do que notícias incrivelmente boas.) Mas, por mais claras e detalhadas que sejam essas memórias, os psicólogos descobrem que são surpreendentemente imprecisas.

Nader, agora neurocientista da Universidade McGill em Montreal, diz que sua memória do ataque ao World Trade Center o pregou algumas peças. Ele se lembra de ter visto imagens de televisão em 11 de setembro do primeiro avião atingindo a torre norte do World Trade Center. Mas ele ficou surpreso ao saber que essas imagens foram ao ar pela primeira vez no dia seguinte. Aparentemente, ele não estava sozinho: um estudo de 2003 com 569 estudantes universitários descobriu que 73% compartilhavam dessa percepção equivocada.

Nader acredita que pode ter uma explicação para essas peculiaridades de memória. Suas ideias não são convencionais dentro da neurociência e levaram os pesquisadores a reconsiderar algumas de suas suposições mais básicas sobre como a memória funciona.

Em suma, Nader acredita que o próprio ato de lembrar pode mudar nossas memórias.

Grande parte de sua pesquisa foi feita em ratos, mas ele diz que os mesmos princípios básicos também se aplicam à memória humana. Na verdade, diz ele, pode ser impossível para os humanos ou qualquer outro animal trazer uma memória à mente sem alterá-la de alguma forma.

Nader acha que é provável que alguns tipos de memória, como a memória flash, sejam mais suscetíveis a mudanças do que outras.

As memórias em torno de um grande evento como 11 de setembro podem ser especialmente suscetíveis, diz ele, porque tendemos a repeti-las em nossas mentes e em conversas com outras pessoas – com cada repetição tendo o potencial de alterá-las.

Para aqueles de nós que valorizam nossas memórias e gostam de pensar que são um registro preciso de nossa história, a ideia de que a memória é fundamentalmente maleável é mais do que um pouco perturbadora.

Nem todos os pesquisadores acreditam que Nader provou que o próprio processo de lembrar pode alterar as memórias. Mas se ele estiver certo, pode não ser uma coisa totalmente ruim.

Veja só:

Pode até ser possível fazer um bom uso do fenômeno para reduzir o sofrimento de pessoas com transtorno de estresse pós-traumático, que são atormentadas por memórias recorrentes de eventos que gostariam de deixar para trás.

Os cientistas sabem há muito tempo que o registro de uma memória requer o ajuste das conexões entre os neurônios. Cada memória ajusta algum subconjunto minúsculo de neurônios no cérebro (o cérebro humano tem 100 bilhões de neurônios ao todo), mudando a maneira como eles se comunicam. Os neurônios enviam mensagens uns para os outros através de lacunas estreitas chamadas sinapses. Uma sinapse é como um porto movimentado, completo com máquinas para enviar e receber cargas – neurotransmissores, substâncias químicas especializadas que transmitem sinais entre os neurônios. Todo o maquinário marítimo é construído a partir de proteínas, os blocos básicos de construção das células.

Um dos cientistas que mais fez para iluminar a maneira como a memória funciona em escala microscópica é Eric Kandel, neurocientista da Universidade de Columbia, em Nova York. Em cinco décadas de pesquisa, Kandel mostrou como as memórias de curto prazo – aquelas que duram alguns minutos – envolvem mudanças químicas relativamente rápidas e simples na sinapse que a fazem funcionar com mais eficiência.

Kandel, que ganhou uma parte do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina de 2000, descobriu que para construir uma memória que dure horas, dias ou anos, os neurônios devem fabricar novas proteínas e expandir as docas, por assim dizer, para fazer o tráfego de neurotransmissores funcionar mais eficientemente.

As memórias de longo prazo devem ser literalmente incorporadas às sinapses do cérebro.

Kandel e outros neurocientistas geralmente presumem que, uma vez que a memória é construída, ela é estável e não pode ser desfeita facilmente. Ou,

De acordo com essa visão, o sistema de memória do cérebro funciona como uma caneta e um caderno. Por um breve período, antes que a tinta seque, é possível borrar o que está escrito. Mas depois que a memória é consolidada, ela muda muito pouco.

Claro, as memórias podem desaparecer com o passar dos anos como uma carta antiga (ou mesmo pegar fogo se a doença de Alzheimer atacar), mas em circunstâncias normais o conteúdo da memória permanece o mesmo, não importa quantas vezes ela seja retirada e lida.

Mas Karim Nader, o personagem desse artigo, desafiaria essa ideia.

No que acabou sendo um momento decisivo em seu início de carreira, Nader assistiu a uma palestra que Kandel deu na Universidade de Nova York sobre como as memórias são registradas. Nader começou a se perguntar o que acontece quando uma memória é lembrada. O trabalho com roedores que remontava à década de 1960 não combinava com a teoria da consolidação. Os pesquisadores descobriram que uma memória pode ser enfraquecida se derem a um animal um choque elétrico ou uma droga que interfira com um determinado neurotransmissor, logo depois de fazerem o animal lembrar a memória. Isso sugeriu que as memórias eram vulneráveis ​​a interrupções, mesmo depois de consolidadas.

Pensando de outra forma, o trabalho sugeriu que arquivar uma memória antiga para armazenamento de longo prazo depois de ter sido recuperada era surpreendentemente semelhante a criá-la da primeira vez. Tanto a construção de uma nova memória quanto o armazenamento de uma antiga provavelmente envolveram a construção de proteínas na sinapse.

Os pesquisadores chamaram esse processo de “reconsolidação”. Mas outros, incluindo alguns especialistas em memória proeminentes, tiveram problemas para replicar essas descobertas em seus próprios laboratórios, então a ideia não foi levada adiante.

Nader decidiu revisitar o conceito com um experimento. No inverno de 1999, ele ensinou a quatro ratos que um bipe agudo precedia um leve choque elétrico. Isso foi fácil – os roedores aprendem esses pares depois de serem expostos a eles apenas uma vez. Depois, o rato congela no lugar ao ouvir o tom. Nader então esperou 24 horas, tocou o tom para reativar a memória e injetou no cérebro do rato uma droga que impede os neurônios de produzir novas proteínas.

Se as memórias são consolidadas apenas uma vez, quando são criadas pela primeira vez, ele raciocinou, a droga não teria efeito na memória do rato sobre o tom ou na maneira como ele responderia ao tom no futuro. Mas se as memórias precisam ser pelo menos parcialmente reconstruídas toda vez que são lembradas – até a síntese de proteínas neuronais frescas – os ratos que recebem a droga podem responder mais tarde como se nunca tivessem aprendido a temer o tom e o ignorassem. Nesse caso, o estudo contradiz a concepção padrão de memória. Foi, ele admite, um tiro no escuro.

“Não perca seu tempo, isso nunca vai funcionar”, LeDoux disse a ele.

E funcionou.

Para Nader e seus colegas, o experimento apoia a ideia de que uma memória é reformada no processo de evocação. “Do nosso ponto de vista, isso se parece muito com a reconsolidação da memória”, diz Oliver Hardt, um pesquisador de pós-doutorado no laboratório de Nader.

Hardt e Nader dizem que algo semelhante pode acontecer com memórias flash.

As pessoas tendem a ter memórias precisas para os fatos básicos de um evento importante – por exemplo, que um total de quatro aviões foram sequestrados nos ataques de 11 de setembro – mas muitas vezes se lembram erroneamente de detalhes pessoais, como onde estavam e o que estavam fazendo no momento. Hardt diz que isso pode ser porque esses são dois tipos diferentes de memórias que são reativadas em situações diferentes. A televisão e outras coberturas da mídia reforçam os fatos centrais. Mas relembrar a experiência para outras pessoas pode permitir que distorções apareçam. “Quando você a reconta, a memória se torna plástica, e tudo o que está presente ao seu redor no ambiente pode interferir no conteúdo original da memória”, diz Hardt.

Alguns especialistas acham que ele está se adiantando, especialmente quando faz conexões entre a memória humana e essas descobertas em ratos e outros animais. “Ele exagera um pouco”, diz Kandel.

Daniel Schacter, um psicólogo da Universidade de Harvard que estuda a memória, concorda com Nader que distorções podem ocorrer quando as pessoas reativam as memórias. A questão é se a reconsolidação – que ele acha que Nader demonstrou de maneira convincente em experimentos com ratos – é a razão para as distorções.

“A evidência direta ainda não existe para mostrar que as duas coisas estão relacionadas”, diz Schacter. “É uma possibilidade intrigante de que as pessoas agora terão que fazer o acompanhamento.”

Um teste real da teoria da reconsolidação da memória de Nader está ocorrendo a alguns quilômetros de seu escritório em Montreal, no Douglas Mental Health University Institute. Alain Brunet, um psicólogo, está conduzindo um ensaio clínico envolvendo pessoas com transtorno de estresse pós-traumático (PTSD). A esperança é que os cuidadores possam enfraquecer o domínio das memórias traumáticas que assombram os pacientes durante o dia e invadem seus sonhos à noite.

Um dos pesquisadores, Brunet, diz que os medicamentos e a psicoterapia convencionalmente usados ​​para tratar o PTSD não proporcionam um alívio duradouro para muitos pacientes. “Ainda há muito espaço para a descoberta de melhores tratamentos”, afirma.

Nader diz que as memórias traumáticas de pacientes de PTSD podem ser armazenadas no cérebro da mesma forma que uma memória de um tom de predição de choque é armazenada no cérebro de um rato. Em ambos os casos, a recuperação da memória a abre para a manipulação. Nader diz que está animado com o trabalho até agora com pacientes de PTSD. “Se tiver alguma chance de ajudar as pessoas, temos que tentar”, diz ele.

Entre as muitas questões que Nader está investigando agora está se todas as memórias se tornam vulneráveis ​​quando relembradas ou apenas certas memórias em certas circunstâncias.

Claro, há uma questão ainda maior: por que as memórias são tão pouco confiáveis? Afinal, se eles estivessem menos sujeitos a mudanças, não sofreríamos o constrangimento de nos esquecermos dos detalhes de uma conversa importante ou de um primeiro encontro.

CONCLUSÃO

Novamente, O QUE SE CONCLUI É QUE editar pode ser outra maneira de aprender com a experiência.

Se as boas lembranças de um amor antigo não fossem temperadas pelo conhecimento de uma separação desastrosa, ou se as lembranças de tempos difíceis não fossem compensadas pelo conhecimento de que as coisas deram certo no final, poderíamos não colher os benefícios dessas lições de vida.

Talvez seja melhor se pudermos reescrever nossas memórias toda vez que as lembrarmos.

Nader sugere que a reconsolidação pode ser o mecanismo do cérebro para reformular velhas memórias à luz de tudo o que aconteceu desde então.

Em outras palavras, pode ser o que nos impede de viver no passado.

Achei extremamente importante abordar esse tema para que possamos entender o quão poderoso pode ser o processo de ressignificação das memórias de dor retirando apenas as lições que o acontecimento nos ensina.

Que possamos olhar para as nossas memórias com compaixão sem nos prender aos sentimentos de dor e sim, reescrevendo a nossa história com pitadas de amor e afeto.


*DA REDAÇÃO SAG.
FONTE: ARTIGO de Greg Miller – escreve sobre biologia, comportamento e neurociência para a revista Science. Ele mora em San Francisco. Gilles Mingasson é um fotógrafo que mora em Los Angeles.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Jornalista, escritora, editora chefe e criadora de conteúdo dos portais RESILIÊNCIA HUMANA e SEU AMIGO GURU. Neurocoaching e Mestr em Tarot. Para contratação de criação de conteúdo, agendamento de consultas e atendimentos online entrem em contato por direct no Instagram.