É possível detectar a depressão pelas fotos que você posta no Instagram

As redes sociais tornaram-se uma vitrine onde compartilhamos nossos sucessos e mostramos os bons momentos. No entanto, apesar dessa pátina de felicidade, é difícil esconder emoções como a tristeza. Na verdade, as fotos que postamos nas redes sociais dizem muito mais sobre nós do que pensamos.

Fotos postadas no Instagram, por exemplo, fornecem uma ampla gama de informações psicológicas. O conteúdo dessas fotos pode ser codificado levando-se em consideração uma série de detalhes: Há mais pessoas presentes? Eles foram tirados na natureza ou dentro de casa? É dia ou noite?

Os metadados do Instagram também fornecem informações adicionais: Você recebeu algum comentário sobre a foto? Quantos ‘gostos’ teve? Obviamente, as medidas de atividade da plataforma, como uso e frequência de postagem, também podem fornecer pistas sobre o estado de espírito de uma pessoa.

No entanto, características técnicas como brilho, cor e filtros podem fornecer pistas sobre o estado emocional da pessoa que o enviou. Assim, é possível detectar a depressão por meio de fotos no Instagram.

As pistas que permitem detectar a depressão por fotos no Instagram

Em 2002, pesquisadores da Towson University descobriram uma relação positiva entre a depressão e a tendência de perceber o ambiente como cinza ou incolor. Depois de entrevistar 120 pessoas com diagnóstico de transtorno depressivo, eles concluíram que “a sensibilidade à cor é afetada durante a depressão”.

Quinze anos depois, pesquisadores da Universidade de Harvard se perguntaram se a tristeza ou mesmo uma tendência à depressão poderiam ser previstas analisando variáveis ​​como matiz, saturação, brilho e filtros de imagens carregadas em perfis do Instagram.

Esses pesquisadores analisaram 43.950 fotos, algumas das quais pertenciam a pessoas que haviam sido diagnosticadas com depressão em algum momento nos últimos três anos. Depois de analisar as imagens, eles descobriram que “as fotos postadas por pessoas deprimidas tendem a ser mais azuis, mais escuras e acinzentadas”.

Eles também descobriram que pessoas saudáveis ​​escolhem filtros do Instagram, como “Valencia”, que dá a suas fotos tons mais quentes e brilhantes. Porém, entre os deprimidos, o filtro mais popular era o “Inkwell”, que é usado para colocar a foto em preto e branco. Em outras palavras, as pessoas deprimidas eram mais propensas a usar filtros que drenavam todas as cores das imagens que compartilhavam.

Curiosamente, o software algorítmico que os pesquisadores usaram para detectar depressão a partir de fotos do Instagram identificou corretamente o distúrbio em 70% dos casos, uma alta taxa de detecção se considerarmos que um clínico geral diagnostica apenas 42% dos casos. Casos de depressão que chegam ao seu consulta.

A depressão realmente torna tudo cinza?

As cores falam de nós.

Outro estudo realizado na Universidade de Manchester revelou que pessoas saudáveis ​​tendem a escolher o amarelo para representar seu humor, enquanto as pessoas deprimidas escolhem o cinza. Ao explicar sua escolha, eles se referiam a um humor sombrio e uma vida sem cor, monótona e triste. Pessoas deprimidas admitiam ver tudo “cinza, nublado, monótono e sem cor”.

Pesquisadores da Universidade de Freiburg deram um passo além para verificar se é uma associação subjetiva ou não. Eles colocaram eletrodos nas pálpebras inferiores e nas orelhas de 40 pessoas deprimidas e 40 participantes saudáveis ​​para medir a resposta eletrofisiológica da retina a tabuleiros de xadrez preto e branco que piscam.

Eles descobriram que as pessoas com depressão tinham dificuldade em perceber o ganho de contraste à medida que os quadrados mudavam de branco para preto. Isso significa que, a pessoa deprimida poderia ver o mundo com menos contraste, como se as cores tivessem sido borradas.

Essa mudança na percepção do contraste pode ser causada pelo fato de os campos receptivos da retina, críticos para a percepção do contraste, serem afetados pela ação da dopamina, um dos neurotransmissores que diminuem na depressão.

Fontes:

Reece, AG & Danforth, CM (2017) Fotos do Instagram revelam marcadores preditivos de depressão. EPJ Data Science ; 6:15.

Carruthers, HR et. Al. (2010) The Manchester Color Wheel: desenvolvimento de uma nova forma de identificar a escolha da cor e sua validação em indivíduos saudáveis, ansiosos e deprimidos. Metodologia de Pesquisa Médica BMC ; 10:12.

Bubl, E. et. Al. (2010) Vendo cinza ao sentir-se azul? A depressão pode ser medida no olho do doente. Biol Psychiatry ; 68 (2): 205-8.

Barrick, CB et. Al. (2002) Sensibilidade à cor e transtornos do humor: biologia ou metáfora? J Afetam a Desordem ; 68 (1): 67-71.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações RT.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!