É normal sentir ansiedade todos os dias?

“Tenho ansiedade todos os dias. Não posso concentrar-me. Eu não consigo dormir. Sempre PENSO que algo terrível está para acontecer”, é o testemunho de uma pessoa que sofre de ansiedade, mas suas palavras refletem a realidade que milhões de pessoas vivem no mundo.

Na verdade, estima-se que cerca de 5% das pessoas sofrem de ansiedade generalizada, embora mais de 10% sofram de fobias específicas e cerca de 3,5% tenham ataques de pânico.

Como ela começa?

Os primeiros sintomas de ansiedade são geralmente leves e muitas vezes passam despercebidos. A pessoa começa a se sentir mais irritada e preocupada do que de costume. Você tem problemas para dormir. A angústia e o medo a mantêm acordada até que seus olhos se fechem de exaustão.

Nesse período, também aparecem alguns sintomas físicos, como tensão muscular, dor de cabeça emocional , dificuldade para engolir, tontura ou até mesmo uma névoa mental desagradável.

Pensamentos recorrentes, geralmente de conteúdo catastrófico, também começam a aparecer, prevendo os piores cenários possíveis.

No entanto, a maioria das pessoas não tende a dar importância a esses sintomas. Eles pensam que essas sensações irão embora por conta própria ou que são uma condição temporária devido a um período particularmente estressante na vida. Em alguns casos, o clímax desses sintomas geralmente é o ataque de pânico.

Para muitas pessoas, o ataque de pânico é o sinal de alarme, o sinal de que não podem mais ignorar o problema.

Se naquele preciso momento não se busca ajuda, a ansiedade continuará a crescer, espremendo tudo em seu caminho, tornando-se uma companheira perene, dia após dia.

Um ataque de pânico pode durar dias?

O ataque de pânico é um episódio tão intenso que geralmente atinge o pico em dez minutos e diminui quase completamente em meia hora.

Durante um ataque de pânico, os níveis de adrenalina no corpo quase dobram, de modo que a pessoa experimenta taquicardias e dificuldades respiratórias.

A hiperventilação costuma causar confusão, desorientação e tontura. Você experimenta uma sensação de imensa angústia e perda de controle.

Após esse ataque emocional, o corpo tentará recuperar seus níveis basais, embora possa demorar um pouco antes que todos os parâmetros fisiológicos voltem ao normal. Portanto, é normal que após ter sofrido um ataque de pânico, a pessoa se sinta exausta, tanto física como mentalmente.

Isso significa que os ataques de pânico são episódios repentinos de curta duração. Em vez disso, a ansiedade pode durar o dia todo.

Um estudo realizado na Instituição La Doctrine Chrétienne em Estrasburgo revelou graficamente as diferenças na duração de ambos os transtornos:

Extraído de: Dialogues in Clinical Neuroscience

Vale esclarecer que a ansiedade generalizada, vivenciada um dia após o outro, também se torna exaustiva. Na verdade, essas pessoas vivem em constante estado de alerta, como se algo terrível fosse acontecer com elas a qualquer momento.

Pensamentos catastróficos e medos se apresentam das mais diversas formas e nos momentos mais inesperados para deixá-lo quase completamente paralisado.

Para uma pessoa com ansiedade, qualquer situação é potencialmente perigosa. Isso gera um enorme esgotamento físico e emocional.

Ela afeta sua concentração e não permite que você descanse o suficiente. A pessoa se sente oprimida a cada passo e não sabe o que fazer para controlar aquela sensação de angústia e apreensão. Portanto, quando a ansiedade dura o dia todo, ela acaba sendo extremamente debilitante.

É normal se sentir ansioso todos os dias?

Não é normal se sentir ansioso todos os dias. A ansiedade pode ser uma resposta específica em determinadas situações que geram medo ou angústia, mas quando se torna a normal, indica a existência de um distúrbio psicológico.

Pessoas que têm ansiedade todos os dias sofrem de transtorno de ansiedade generalizada. Nesse tipo de ansiedade, a preocupação é um elemento fundamental, além de ser o sintoma cognitivo mais característico.

Pensamentos intrusivos e catastróficos diferenciam a ansiedade generalizada dos ataques de pânico e são o fator que alimenta os sentimentos de ansiedade, angústia e apreensão que essas pessoas relatam.

A ansiedade, portanto, é o resultado dessas preocupações incessantes, das idéias e imagens que alimentam os medos.

O problema muitas vezes é que, ao olhar para trás, não é fácil encontrar o que desencadeou a crise generalizada.

Nem sempre é fácil localizar a causa ou o gatilho, pois a ansiedade tende a crescer gradativamente, alimentando-se de todas as nossas preocupações, inseguranças, problemas e medos.

Na verdade, não é apenas o resultado dos estressores que experimentamos, mas também de nossos estilos de enfrentamento ou de nossa capacidade / incapacidade de lidar com a incerteza.

As pessoas mais sensíveis, aquelas com tendência ao perfeccionismo e as mais controladoras correm maior risco de desenvolver ansiedade generalizada em algum momento de suas vidas.

As estratégias de prevenção, por exemplo, também aumentam o risco de sentir ansiedade todos os dias. Se percebermos que um pensamento ou situação nos causa ansiedade, nosso primeiro impulso será evitá-lo. Porém, devido ao efeito rebote, esses pensamentos atraem ainda mais nossa atenção. Eles se tornam pensamentos intrusivos, portanto, não apenas geram emoções intensas e desagradáveis, mas também uma sensação de falta de controle que aumenta a ansiedade.

Em qualquer caso, mesmo as pessoas que sofrem de ansiedade generalizada não a sentem absolutamente todos os dias. Em “tempos bons”, quando as coisas estão indo bem, a ansiedade pode lhe dar uma trégua – mesmo que seja breve. Porém, é importante que as pessoas não baixem a guarda e não abandonem o tratamento, pois se as causas da ansiedade não forem resolvidas, quando os sintomas retornarem, eles serão mais intensos.

Na verdade, a boa notícia é que a ansiedade é tratável.

Você não precisa se resignar a viver com ansiedade todos os dias de sua vida. A má notícia é que a ansiedade geralmente não passa por si mesma, então pode durar meses ou anos, é melhor procurar ajuda especializada o mais rápido possível.

Fonte: Borza, L. (2017) Terapia cognitivo-comportamental para ansiedade generalizada. Diálogos em Neurociência Clínica ; 19 (2): 203-208.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações Rincon del Tibet.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!