Nossa vida tem um curso próprio e é humanamente impossível ter o controle de tudo que nos acontece.

Somos formados por milhões de células e não acompanhamos conscientemente o procedimento de formação e transformação desde o início, apesar de sabermos através da ciência como um espermatozoide fecunda um óvulo e a partir daí começa todo o processo de desenvolvimento.

Conscientemente não sabemos dizer como se formou cada órgão e muito menos como cada um funciona e qual é finalidade dos mesmos, apesar da ciência explicar.

A ciência é dotada de conhecimento e sabedoria, sendo capaz de explicar geneticamente cada um desses movimentos.

Mesmo assim é limitada e não é capaz de explicar com relação ao sopro da vida e a missão espiritual que cada ser humano tem.

Conscientemente não sabemos o além da matéria e seremos eternas crianças em busca de uma resposta voltada para a lógica.

A ciência não consegue explicar tudo.

Não há uma definição concreta para aquilo que não se vê e que não se toca.

No decorrer da vida, vamos tendo experiências que nos dão subsídios reais de que somos muito mais que apenas um corpo de carne e ossos, com vários órgãos que exercem uma função vital.

O simples fato de não termos o total controle do funcionamento de cada órgão já é uma das respostas aos nossos infinitos questionamentos.

Não sabemos quando teremos uma dor, um tumor, um nódulo e quando tivermos podemos recorrer ao médico para solucionar ou tentar solucionar.

Não fomos capazes de prever que viveríamos como na época da Peste Negra dos livros de histórias, que nos parecia distante e surreal.

E veio a COVID-19 que surpreendeu a todos.

Não podemos prever o término do funcionamento do coração. Não podemos prever muitas coisas, tais como doenças, mortes, situações atípicas sem causa aparente, infortúnios, calamidades, catástrofe, dores, sofrimentos, amores, paixões, ódios, raivas, rancores, acidentes, guerras, conflitos, afinidades, rixas, rivalidades, amizades, invejas, atritos, amores, paixões…

Enfim, tudo parece brotar do nada e na maioria das vezes acontecem sem uma razão de ser ou explicação. Simplesmente acontecem.

Dando a conotação de não se ter o controle de nada e nem da nossa própria vida.

O tentar entender o que não tem uma explicação certa, precisa e clara pode levar à insensatez ou à insanidade.

É por isso que temos que nos fortalecer.

Na Bíblia diz que devemos orar e vigiar constantemente.

Acho que essa orientação deve ser aplicada em tudo na vida.

A sensação que temos ao tentar achar uma resposta onde não há dá a impressão de que iremos ficar doidos diante de tanta inconsistência.

Diria, que perdidos. E é por isso que devemos ficar atentos e ao mínimo sinal de confusão mental diante de quaisquer situações de vulnerabilidade, a procura pela ciência no intuito de ajudar é importante, vigiar e acautelar diante de qualquer perigo de fragilidade emocional, buscando um tratamento efetivo de autoconhecimento, através de terapias psicológicas próprias.

E é preciso mais que isso, é imprescindível orar, para Deus nos dá força, sabedoria e discernimento para conseguir ir adiante sem olhar para o que passou.

Unindo essas duas coisas: vigiar/acautelar através da ciência (sabedoria que veio de Deus-externo) e orar (fé/confiança em Deus-interno), tem tudo para dar certo, pois só Jesus é o caminho, a verdade e a vida.

Essa é a resposta certa a todos os questionamentos sem resposta que a vida nos apresenta e a única capaz de nos fortalecer para viver de forma plena (tranquila apesar de todas a inquietudes).

*Foto de Amir Esrafili no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Idelma da Costa
Idelma da Costa, Bacharel em Direito, Pós Graduada em Direito Processual, Gerente Judicial (TJMG), escritora dos livros Apagão, o passo para a superação e O mundo não gira, capota. Tem sido classificada em concursos literários a nível nacional e internacional com suas poesias e contos. Participou como autora convidada do FliAraxá 2018 e 2019 e da Flid 2018.