Deus não quer que você se preocupe! Às vezes, tornamos as coisas mais difíceis do que elas precisam ser.

Por THOMAS CHRISTIANSON

Costumo me confortar ao saber que os grandes personagens da narrativa da Bíblia não são tão diferentes de mim.

Recentemente, lembrei-me da história de João Batista. Se alguém na história das pessoas não precisava se preocupar em encontrar seu propósito na vida, era João Batista.

Primeiro, um anjo apareceu ao pai de João antes de sua concepção e deu algumas instruções muito específicas sobre como criar João e depois explicou por que isso era tão importante:

“Ele preparará o povo para a vinda do Senhor.” (Lucas 1: 11- 17)

Quando a mãe de João estava grávida, sua prima Maria, que estava grávida de Jesus na época, veio visitá-lo. Quando Maria chamou a mãe de John, John “pulou dentro dela”. (Lucas 1:41) Claramente, ele podia reconhecer as pessoas associadas à sua missão.

Lucas escreve que quando João cresceu, ele viveu no deserto até a hora de começar seu ministério público.

João, sendo apenas seis meses mais velho que Jesus, ministrou até que Jesus fosse batizado, depois um pouco até sua prisão. Por três décadas, a vida de João consistiu apenas em completar esta missão que Deus lhe deu:

Contar às pessoas a vinda do Messias (João 1: 26-27) e identificar o messias ao povo. (João 1: 32-33)

Você já conheceu alguém que conheceu e adotou seu propósito tão completamente como João Batista? Nunca oscilando levemente para a direita ou esquerda. Focado na missão como um raio laser. Nunca se cansando e desistindo.

Além do mais, João não está simplesmente confiando no que os outros disseram a ele. Várias vezes na narrativa, João se refere a Deus falando diretamente com ele sobre sua missão. (João 1:33)

O próprio Jesus diz a uma multidão de pessoas que ninguém que viveu até aquele momento era maior que João Batista. (Mateus 11:11)

Se isso não é um slam dunk na vida, eu não sei o que é.

Deus lhe dá uma missão especial, e Jesus diz que você a acertou. Home run.

Quando vejo tudo isso, desejo que minha vida fosse mais como João Batista.

Passo muito tempo me perguntando o que devo fazer a seguir. Estou disposto a seguir o que Deus me chama para fazer, mas simplesmente não sei o que é às vezes.

Às vezes me preocupo que talvez tenha perdido totalmente o barco.

Toda essa dúvida poderia ser evitada se eu fosse como João, que conhecia seu propósito em sua essência.

No entanto, pouco depois de dizer às pessoas que Jesus é o Messias, cumprindo essencialmente seu propósito, João se encontra na prisão. Depois de algum tempo sentado em sua cela, ele envia a Jesus uma mensagem através de alguns de seus poucos seguidores remanescentes (muitos tendo se mudado para seguir Jesus):

Você é o Messias que esperávamos ou devemos procurar outra pessoa? ”(Mateus 11: 3)

Esperar, o que?

João viveu a vida inteira cumprindo um propósito, mas agora está perguntando a Jesus: eu estraguei totalmente? Eu entendi mal? Você não é o cara certo? Tudo isso foi apenas sonhos febris provocados por uma pizza ruim?

Veja, todo mundo esperava que o Messias fosse como Chuck Norris – explodindo coisas, fazendo as coisas acontecerem – quando ele conquistou o exército romano ocupante e fez de Israel o maior e pior cão do quarteirão. Mas Jesus não estava fazendo nada disso.

João havia sido preso por um pateta do governo romano – o rei Herodes. Aposto que quando Herodes jogou John na prisão, John pensou consigo mesmo: – Você não tem ideia do que está fazendo. Não ficarei aqui por muito tempo ”, ele esperava que o exército de Jesus o expulsasse do estilo A-team a qualquer momento. Mas quanto mais João permaneceu sentado em sua masmorra e ninguém lhe enviou um bolo cheio de limas para unhas e dinamite, a dúvida provavelmente começou a surgir.

João ainda não sabia disso, mas em vez de uma fuga dramática, seu tempo naquela prisão terminaria com a cabeça decepada sendo servida em uma bandeja para a diversão de um bando de convidados bêbados da festa.

Acho que quando João começou a entender que as coisas não iam terminar bem, foi quando ele enviou a Jesus a mensagem: “Ei, ficando um pouco preocupado. Explicação, por favor?

Jesus dá a João uma resposta só que, um pouco enigmática: Sim, eu sou o cara. Não, isso não vai funcionar da maneira que você esperava. (Mateus 11: 4-6)

Acho reconfortante que até João, que recebeu uma resposta mais direta sobre o propósito do que provavelmente qualquer outra pessoa, duvidasse.

Tomás, um discípulo que literalmente assistiu Jesus fazer milagres, não acreditou na ressurreição até vê-la com seus próprios olhos.

Elias, um dos profetas mais poderosos do Antigo Testamento, achou que tudo o que havia feito era inútil.

Deus criou cada um de nós para um propósito, mas a própria natureza do envolvimento de Deus com este mundo, através de usos misteriosos e confusos de seu poder, muitas vezes nos deixa pensando se estamos totalmente descompassados ​​com o que Deus está fazendo em nós e através de nós.

Costumo dizer a Deus que, se soubesse o que ele estava fazendo, seria bom. Mas a menos que eu ache que sou um homem melhor que João, ou mais corajoso que Esther, estou apenas me enganando.

ENCONTRANDO SEU OBJETIVO

O uso imprevisível do poder de Deus nunca fará sentido para o meu cérebro. Então, eu fiquei com uma escolha bastante simples: vou procurar ser fiel ao invés de tentar entender? Confiarei sem evidências diretas e incontestáveis ​​de que não estou entendendo completamente errado?

As Escrituras são bem claras de que o clímax do cristianismo não é certeza, mas a fé em meio a constantes confusões e a escolha de agir com base nessa fé.

Thomas Merton escreveu uma vez em uma oração a Deus: “Eu acredito que o desejo de agradar você, de fato, agrada a você”.

Passo muito do meu tempo esperando que não esteja “sentindo falta de Deus”. Mas acredito que minhas preocupações estejam equivocadas.

A única maneira de sentir falta de Deus é não amar a Deus e não permitir que o Espírito Santo transforme minha vida.

Deus uma vez derrubou um homem chamado Saul do seu burro para pedir que ele mudasse de vida.

Se Deus quisesse enviar um anjo para mim como Ele fez com a mãe de João ou Maria, ele poderia.

Deus não está preocupado com o fato de seguir o caminho errado e não haverá como revertê-lo. Este é o Deus da ressurreição, que pode fazer o bem maior vir do mal mais sombrio.

É essa confiança na bondade de Deus e na capacidade de Deus de nos guiar que nos permite entender por que Agostinho escreveu: “Ame a Deus e faça o que quiser”.

Nosso único propósito verdadeiro e essencial é estar em comunidade com Deus.

Tudo o mais é resultado disso: amar outras pessoas através do serviço, buscar um mundo mais justo, confortar aqueles que estão de luto, criar coisas artísticas e bonitas – tudo isso pode ocorrer em qualquer trabalho que você tenha.

Eu sei que isso é mais fácil dizer do que fazer, e eu entendo isso.

Não deixar minha situação atual de emprego afetar minha autoestima é uma luta para mim no melhor dos tempos.

O que acredito que todos podemos tirar dessa consideração de João Batista é simples: todos duvidam.

Se o objetivo de nossa vida é viver livre de dúvidas, estamos condenados.

Nosso objetivo deve simplesmente ser fiel onde estamos e com o que Deus nos deu.

Portanto, da próxima vez que você estiver lutando com seu objetivo na vida, eu o encorajaria a tomar estes três passos:

Peça orientação a Deus.

Confie que Deus está guiando você.

Crie uma comunidade onde quer que esteja.

Você não é funcionário de Deus, faz parte da família de Deus e Deus não tem filhos ou filhas desperdiçados.

E como qualquer família, você não precisa ganhar o seu lugar. Foi dado a você.

Fique tranquilo, pois você é amado, querido e bem-vindo ao trabalho de fé e confiança em Deus e Ele sabe que às vezes é difícil para nós – e por isso Ele nos ama muito no meio disso tudo.

*Tradução e adaptação REDAÇÃO Seu Amigo Guru
*Fonte: Relevant Magazine

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!