Despertar é sentir profundamente que há mais na vida do que meramente existir.

O pastor protestante — e professor de meditação budista — Victor M. Parachin identifica os hábitos que podem levar à sabedoria, e nos ensina lições importantes para que possamos despertar para o verdadeiro sentido da vida.

Talvez a mais famosa de todas as histórias sobre o Buda seja uma conversa que ocorreu logo após sua iluminação.

Enquanto o Buda caminhava por um caminho, encontrou um homem com quem trocou saudações simples. O homem notou imediatamente que o estranho no caminho exalava extraordinária calma, confiança, serenidade e estabilidade. Isso o levou a parar o Buda e perguntar:

“Meu amigo, você é um deus?”

“Não”, disse o Buda.

O homem continuou: “Então você é um estudioso de livros sagrados?”

Mais uma vez, o Buda respondeu que não.

“Talvez você seja um sacerdote, então, que é avançado em questões de ritual e canto?”

Mais uma vez o Buda sorriu e disse não.

— Então quem é você, meu amigo? o homem finalmente perguntou.

O Buda respondeu direta e concisamente: “Estou acordado!”

O significado da resposta do Buda é explicado com precisão pelo monge budista Thanissaro Bhikkhu, que diz que o Buda “despertou para o fato de que existe uma felicidade eterna e que pode ser alcançada através do esforço humano”.

Isso significa que se alguém é rico ou pobre, saudável ou doente, mais jovem ou mais velho, casado ou solteiro ou divorciado, a verdade é que a felicidade e todas as suas qualidades – alegria, contentamento, deleite, contentamento, tranquilidade e bem-aventurança – estão sempre disponíveis e acessível a nós através de nossos próprios pensamentos e ações. Isso também significa que nossas vidas não precisam ser um ciclo interminável de decepção, desânimo, depressão e desespero.

Aqui estão os sete hábitos altamente eficazes das pessoas que despertam:

1. Eles perguntam. As pessoas que evoluem sentem profundamente que há mais na vida do que meramente existir. Portanto, eles se envolvem em indagações, perguntando-se:

Quem sou eu? O que eu quero da vida? Como posso ser útil para os outros? O que posso fazer para me experimentar de forma mais autêntica? De onde vem minha felicidade? Estou ouvindo minha alma? Quem e o que me inspira?

Esses tipos de perguntas podem levar a respostas específicas, mas em grande parte servem como formas de guiar a vida na direção de maior significado e realização.

O monge budista Ajahn Summano explica:

“A investigação sincera sempre estimula nosso movimento em direção à verdade e à compaixão. Questões profundas que surgem naturalmente no processo de desdobramento da vida sinalizam a manifestação da própria energia através da qual crescemos ainda mais. Seríamos arrogantes em acreditar que podemos ir longe sem ponderar sobre as questões importantes que a vida nos faz.”

2. Eles expressam gratidão.

“O Buda nos encorajou a pensar nas coisas boas feitas por nós por nossos pais, por nossos professores, amigos, quem quer que seja; e fazer isso intencionalmente, cultivá-lo, em vez de apenas deixar acontecer acidentalmente”, observa o monge budista Ajahn Sumedho.

Não só o Buda promoveu a gratidão, mas foi algo que ele pessoalmente praticou de forma consistente.

Segundo a tradição, depois que o Buda foi iluminado, ele passou os sete dias seguintes apenas olhando para a árvore que lhe deu abrigo e sob a qual seu despertar surgiu.

Tome um momento para entender o que ele fez. Em vez de se apressar para começar a ensinar e compartilhar seus insights de mudança de vida com os outros, o Buda levou uma semana inteira para se sentar em gratidão diante de uma árvore que significava muito para ele.

Do Buda temos um vislumbre de como é importante fazer uma pausa e sentir gratidão. Faça uma pausa para examinar sua própria mente fazendo estas perguntas a si mesmo:

• Sinto gratidão por simplesmente estar vivo?

• Sinto gratidão por ter descoberto a meditação?

• Sinto gratidão por ter pessoas com quem posso meditar?

• Sinto gratidão pelos amigos espirituais que viajam comigo pela vida?

• Sinto gratidão por ter dinheiro suficiente para minhas necessidades?

• Sinto gratidão por ter professores espirituais para me instruir e inspirar?

Fazer esse exercício periodicamente garante que não subestimemos os muitos aspectos positivos que estão constantemente presentes em nossas vidas.

A gratidão é um componente vital de uma vida iluminada.

3. Eles procuram beneficiar os outros.

A tradição judaica oferece uma visão poderosa dessa qualidade do despertar. O rabino Joseph Telushkin, autor de Um Código de Ética Judaico, escreve: “Reconheça quando as necessidades dos outros são maiores do que as suas.” Ele cita este ensinamento de um texto hassídico: “Um homem andando por uma estrada estreita encontra outro homem carregando uma carga pesada, andando na direção oposta. Mesmo que tenha chegado primeiro, o homem sem carga deve pisar no acostamento da estrada, mesmo enlameada, para que o outro homem possa passar”.

Aplicado à vida moderna, isso pode significar se envolver nesses tipos de ações:

• Parar seu carro para permitir que um pedestre atravesse um cruzamento.

• Permitir que o tráfego de mesclagem entre na sua faixa de carros.

• Segurar uma porta aberta para alguém carregando pacotes pesados.

• Ser educado, cortês e civilizado com todos que você encontra diariamente.

• Falar positivamente, de forma encorajadora para os outros. Ao procurar beneficiar os outros, tornamos a vida mais fácil, mais agradável para os outros.

4. Eles estão atentos.

Alguém que está verdadeiramente desperto pratica a atenção plena não apenas durante a meditação, prestando atenção à respiração, mas quando se envolve em atividades de rotina diária. Guo Jun, um monge budista de Cingapura, observa:

“Se você pratica a atenção plena na respiração e ainda assim sua cozinha está uma bagunça e sua cama está desfeita, isso é um pouco estranho.

Preste atenção aos detalhes: Dobre sua toalha; alise a capa da sua cama; esfregue o balcão da cozinha; limpe os copos; pendure suas roupas; não deixe cair coisas no chão; varra suas migalhas.”

5. Eles descobrem a meditação.

Joseph Goldstein é um dos primeiros professores de meditação e autores ocidentais cujos livros agora orientam outros. Seu despertar começou quando ele descobriu a meditação décadas atrás.

“Eu estava no Peace Corps na Tailândia e comecei a ir a um templo em Bangkok onde monges budistas ocidentais lideravam grupos de discussão. Finalmente um dos monges disse:

‘Por que você não tenta meditar?’ Eu não sabia nada sobre isso, então ele apenas me deu algumas instruções muito simples, como observar a respiração. Eu tentei, e foi simplesmente incrível – não que eu fosse um bom meditador, mas a ideia de que havia uma maneira de olhar para dentro de uma maneira sistemática foi tremendamente excitante para mim. Era algo que eu estava procurando sem saber.”

Os benefícios da meditação são brevemente, mas poderosamente descritos pelo Dr. Deepak Chopra:

“A meditação traz à tona os desejos mais profundos, para saber quem você realmente é, para alcançar a realização, para transformar o caos em ordem, para criar uma vida cujas satisfações nunca podem ser prejudicadas. ou tirado de você.”

6. Eles são otimistas habituais.

Em 1997, Ram Dass sofreu um derrame debilitante. Pouco depois, ele foi entrevistado e questionado sobre o derrame e seu efeito sobre ele espiritualmente. Sua resposta reflete uma atitude altamente positiva:

“Vejo o derrame como um novo capítulo na vida deste corpo. É muito interessante para mim porque é tão singularmente diferente do último capítulo. Nesse capítulo eu falei, e neste capítulo estou em grande parte em silêncio.

Tenho essa nova identidade para explorar, que é a de uma pessoa em cadeira de rodas – alguém com deficiência física, ou seja lá como somos chamados hoje em dia. Estou realmente explorando o que significa não ter poder.

Lembre-se, não posso sair da cama ou ir ao banheiro sem que alguém me ajude. Eu costumava dirigir um carro e adorava dirigir, mas na minha nova identidade, sou sempre um passageiro.

Claro, há certas vantagens: como motorista, posso olhar a paisagem ao redor porque não preciso manter minha mente na estrada. … O derrame me permitiu ficar em silêncio. Acabou sendo um presente de muitas maneiras.”

7. Eles abraçam o silêncio.

Os despertos que vivem e trabalham ao nosso lado são atraídos pelo silêncio. Eles sabem, intuitivamente, como diminuir os ruídos e sons que os cercam. Exemplos de pessoas que incorporam o silêncio em suas vidas ocupadas incluem:

Um advogado que começa seu dia sentado silenciosamente em seu quintal tomando chá em vez de acordar e ligar a televisão para ver as notícias da manhã.

Um professor que reserva tempo vários dias por semana para caminhar na natureza sem ouvir música ou podcast.

Uma estudante de pós-graduação que almoça sozinha na grama sob uma árvore em seu campus.

O estudioso iogue e autor Georg Feuerstein observa os benefícios imediatos de abraçar o silêncio:

“Na vida espiritual, cultivamos o silêncio sagrado para regenerar nosso ser interior para que possamos retornar às nossas atividades diárias e falar de uma nova perspectiva”.

*DA REDAÇÃO SAG. Foto de Fineas Gavre no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!