Depressão dói fisicamente, diz estudo. Além disso, estudos nos dizem que quase 50% das pessoas que são diagnosticadas com um transtorno de humor também sofrem de dor crônica.

Depressão dói fisicamente sim. Os transtornos de humor, além do que muitos podem pensar, também afetam o corpo.

Dores de cabeça, dor muscular e articulação, peso nas extremidades … Toda esta sintomatologia complexa é recorrente em quase 50% dos pacientes que são diagnosticados diariamente com algum tipo de depressão.

Além disso, boa parte dos profissionais de saúde sabem que uma alta porcentagem de consultas na atenção primária evidencia esse tipo de realidade.

Agora, nem sempre é fácil obter o diagnóstico correto, ou pelo menos fazê-lo da primeira vez. Pois esse esgotamento, essa fraqueza e essas dores podem ser de uma alteração na tireoide para um diabetes tipo 2.

Mas o que acontece quando uma origem orgânica clara não é encontrada diante dessa dor generalizada que os pacientes dizem sentir? O que acontece quando uma pessoa passa de especialista para especialista sem encontrar uma solução para seu desconforto?

As depressões costumam passar por cima da vida de uma pessoa, obscurecendo sua vida cotidiana, mas sem invalidá-la completamente. Este é o caso, por exemplo, de depressões atípicas ou distimias.

Os profissionais de saúde devem estar atentos a esses sintomas. Além disso, especialistas no campo, como David Gitlin, presidente do Conselho de Medicina Psicossomática da Associação Americana de Psiquiatria, apontam algo interessante.

Até agora, havia abundantes evidências científicas sobre como os transtornos de ansiedade afetam nosso corpo (taquicardia, problemas digestivos, problemas musculares, etc); no entanto, temos mais e mais dados sobre como a depressão está ligada a centros neurais relacionados à dor.

É um fato que já possui abundante documentação científica. Vamos ver mais informações sobre o assunto.

«Em certa parte, você construiu sua depressão. Não foi dado a você. Portanto, você pode destruí-lo “.

-Albert Ellis

Depressão dói fisicamente e o culpado é o nosso cérebro

Depressão dói fisicamente e quem está enfrentando atualmente este transtorno de humor sabe disso. No entanto, é importante começar esclarecendo um aspecto.

Muitas vezes, a depressão está associada à dor crônica. Sabemos que as pessoas que sofrem de dor crônica têm um risco maior de sofrer de um transtorno do humor.

Mas neste caso começamos a partir de um fato muito concreto: há condições mentais que causam dor física sem previamente ter encontrado uma outra doença, como o lúpus ou fibromialgia.

Por exemplo, a depressão atípica ocorre com paralisia de chumbo. É uma característica prototípica deste tipo de depressão, onde o paciente sofre intensa dor nos braços e pernas.

Por que isso acontece então? Por que a depressão machuca fisicamente, que processos estão envolvidos?

Depressão e transtornos de ansiedade ocorrem com doenças psicossomáticas

Parece uma relação mais que óbvia: tanto a ansiedade quanto a depressão se manifestam de maneira psicossomática.

Assim, fatos como dores de cabeça clássicas, fadiga física, problemas digestivos, condições da pele, etc. eles já têm evidências científicas abundantes. Estudos como o realizado na Universidade de Manitoba, no Canadá, pelo Dr. Lewis McWilliams, coletam evidências deste fato.

Essa relação também revela outros dados para reflexão: precisamos de mais mecanismos para lidar com essas condições psicológicas. Muitos profissionais até recomendam a criação de unidades de dor para melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

A resposta inflamatória da depressão no seu cérebro

Se a depressão doer fisicamente, uma das explicações mais plausíveis seria na teoria inflamatória. Essa é, de fato, uma das explicações mais conhecidas, o que também contribuiu para que ela seja uma das mais criticadas. Assim, estudos como o publicado na revista Neuroscience e liderado pela Dra. Jennifer Felger, apontam o seguinte:

Existem certos mecanismos neurobiológicos que estariam por trás da dor durante uma depressão.
A chave desses processos estaria nas citocinas (proteínas que coordenam a resposta do sistema imunológico na presença de um patógeno ou elemento que ameaça nossa saúde).

Quando o ser humano sofre uma depressão, um desequilíbrio aparece em nossos neurotransmissores. Além disso, há um aumento no cortisol no sangue, e tudo isso é visto como uma ameaça ao nosso sistema imunológico. É quando as citocinas entram em ação, promovem uma resposta inflamatória.

Esta inflamação gera dor física, aumentando a probabilidade de sofrer de dores de cabeça, dores musculares, dores nas articulações, etc.

A depressão também dói, o que podemos fazer para melhorar a dor física?

Nós já sabemos que a depressão dói fisicamente, o que é um fardo real que torna as tarefas do dia-a-dia mais difíceis. Que abordagens terapêuticas existem, portanto, a essa evidência?

A ciência acaba de encontrar evidências nessa relação entre transtornos de humor e dor; portanto, ainda estamos nos estágios iniciais e não há análises conclusivas que nos indiquem quais estratégias terapêuticas seriam as mais apropriadas.

Atualmente, a ciência busca melhores tratamentos para condições físicas e mentais, com base em uma ideia: o uso de drogas psicotrópicas não resolve o problema.

Precisamos de abordagens mais holísticas.

Atender a aspectos psicológicos, como sociais e relacionados ao estilo de vida e até à alimentação, seria um bom ponto de partida.

Terapias psicológicas devem ser priorizadas.

Se melhorarmos o humor do paciente e fornecermos estratégias de enfrentamento adequadas, esse bem-estar progressivo parece que, mais cedo ou mais tarde, voltará ao plano físico.

Finalmente, seria altamente recomendável criar programas multidisciplinares em que o produto é o trabalho conjunto de psicólogos, médicos, fisioterapeutas ou nutricionistas. Desta forma, garantiríamos que cada paciente receba apoio abrangente e que o tratamento seja mais adaptado às suas circunstâncias.

Essas terapias alternativas são, sem dúvida, muito interessantes, o que seria um avanço significativo no tratamento de transtornos de humor.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Valéria Sabater
Licenciatura em psicologia da Universidade de Valência , em 2004. Mestre em Segurança e Saúde no Trabalho em 2005 e Mestre em Gestão Mental Sistema: neurocreatividad, inovação e Sexto Sentido em 2016 (Universidade de Valência). Número da faculdade CV14913. Estudante de Antropologia Social e Cultural pela UNED . Valeria Sabater trabalhou na área de psicologia social, selecionando e treinando pessoal . A partir de 2008, ela trabalha como instrutora de psicologia e inteligência emocional em escolas secundárias e oferece apoio psicopedagógico a crianças com problemas de desenvolvimento e aprendizado. Além disso, ela é escritora e tem vários prêmios literários.