Por CARLY CASSELLA

Crenças religiosas, ou um senso de espiritualidade, podem amortecer o cérebro de algumas pessoas contra a depressão, de acordo com uma nova pesquisa.

Um estudo encontrou um elo curioso entre nossas crenças pessoais e a espessura da matéria branca em nossas cabeças.

A ideia ainda está em sua infância, mas à medida que descobertas como essas começam a se acumular, a ligação entre depressão e religião está se tornando cada vez mais intrigante.

Hoje, sabemos que a depressão é, pelo menos em certa medida, uma conseqüência de nossos genes. Há um pouco de pesquisa para sugerir que, se um ou ambos os pais estão deprimidos, pode aumentar o risco de depressão da criança em dobro, talvez até quadruplicar a quantidade média.

Mas enquanto esses estudos sugerem fortemente um componente genético, a depressão não afeta todos os pais deprimidos, e também pode aparecer em pessoas sem nenhum histórico familiar.

Isso significa que tem que haver alguns outros fatores em jogo, e a visão de mundo intrínseca de uma pessoa pode ser uma delas.

Entre adultos com alto risco familiar para a depressão, uma firme crença na religião ou espiritualidade – que não importa a freqüência à igreja ou outros atos piedosos – parecia ter um efeito protetor , protegendo alguns pacientes da recorrência do transtorno depressivo maior (TDM).

A pesquisa é apoiada por um estudo de 2005 , que descobriu que a religião serviu como um amortecedor contra a depressão em pessoas com problemas de saúde. Além disso, um estudo de 2013 descobriu que aqueles que são tratados por problemas de saúde mental respondem melhor ao tratamento se acreditam em Deus.

Mergulhando mais fundo, a nova pesquisa usou um tipo de neuroimagem baseada em ressonância magnética, chamada imageamento por tensor de difusão, para visualizar a substância branca no cérebro de 99 participantes, com níveis variados de risco familiar para a depressão.

A matéria branca é o tecido pálido que compõe o córtex cerebral e contém o circuito que as células cerebrais precisam para se comunicar umas com as outras.

Pesquisas anteriores mostraram que a redução da massa branca é um biomarcador para a depressão no cérebro, e um estudo de 2014 descobriu que a religião e a espiritualidade estão associadas a córtices mais espessos em várias regiões cerebrais ligadas à depressão.

As descobertas do novo estudo simplesmente alimentam essas correlações. Os pesquisadores descobriram que aqueles com alto risco familiar de depressão e com importantes crenças religiosas ou espirituais tinham cérebros que mais se pareciam com participantes com baixo risco familiar de depressão.

“Descobrimos que a crença na importância da religião ou espiritualidade estava associada a córtices mais espessos nas regiões parietal e occipital bilateral”, concluem os autores .

“Como havíamos relatado anteriormente o afinamento cortical nessas regiões como um biomarcador estável para o risco de depressão, levantamos a hipótese de que os córtices mais espessos naqueles que relatam alta importância de crenças [religiosas ou espirituais] podem servir como um mecanismo compensatório ou protetor”.

Por mais interessantes que sejam essas conexões, por enquanto, é tudo o que elas podem ser. Até que possamos dizer com certeza o efeito que a religião tem sobre a matéria branca, muito menos a depressão, este estudo e muitos outros precisarão ser replicados, validados e esticados por períodos de tempo maiores.

Quando se trata do cérebro humano, não há uma resposta simples.

Este estudo foi publicado no Brain and Behavior

** Texto originalmente publicado por Science Alert, livremente traduzido e adaptado pela equipe do Seu Amigo Guru.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!