A consciência emocional é uma habilidade fundamental para o nosso equilíbrio mental. No entanto, nem todas as pessoas conseguem desenvolvê-la.

Embora todos experimentemos emoções, nem todos somos capazes de reconhecê-las com precisão e nomeá-las.

Você sabia que cerca de 250 emoções e sentimentos foram catalogados? Entre tristeza e alegria, entre sentir-se mal ou bem, há uma ampla gama de emoções em que devemos aprofundar.

Se não conseguirmos reconhecer nossas emoções e sentimentos, se não encontrarmos suas causas e não entendermos como elas afetam nossos comportamentos e decisões, não conseguiremos gerenciá-los adequadamente e acabaremos vivendo em uma montanha-russa emocional que, mais cedo ou mais tarde, causará desequilíbrios. É por isso que é tão importante desenvolver a consciência emocional.

O que é consciência emocional?

A consciência emocional é a capacidade de perceber as próprias emoções e as dos outros, capturando também o clima emocional que existe em um determinado contexto. A definição de consciência emocional implica na existência de outras habilidades básicas:

Consciência das emoções.

É a capacidade de perceber e identificar os sentimentos e emoções de uma pessoa com muita precisão.

Nomeie as emoções.

É a capacidade de usar o vocabulário emocional apropriado aos sentimentos e emoções experimentados, rotulando-os corretamente.

Compreendendo as emoções dos outros.

É a capacidade de perceber com precisão as emoções e sentimentos dos outros, bem como de se relacionar com a empatia, colocando em prática a linguagem verbal e extra-verbal apropriada à situação.

Torne-se consciente da relação entre emoções, cognições e comportamento.

É a capacidade de entender como os estados emocionais influenciam o pensamento e o comportamento, bem como entender a influência de nossas idéias e comportamentos nos estados emocionais.

Existem muitos exemplos de consciência emocional.

Em nível pessoal, podemos dizer que estamos emocionalmente conscientes quando entendemos que não estamos fazendo o nosso melhor no trabalho porque nos sentimos desmotivados – não entediados ou roucos, mas desmotivados – e entendemos que esse sentimento vem da falta de desafios, portanto que tomemos medidas sobre o assunto, seja mudando de emprego ou procurando novos projetos que representem um desafio motivador.

Outro exemplo de consciência emocional no plano interpessoal é quando chegamos a um local e notamos alguma tensão no ar. Podemos perceber que as pessoas estavam discutindo pouco antes de chegarmos e decidimos fazer todo o possível para distender o meio ambiente.

Portanto, a consciência emocional implica um caminho através do qual percebemos a emoção, rotulamos, procuramos suas causas e tentamos dar uma saída assertiva.

Névoa emocional: os perigos envolvidos em não distinguir emoções

“O homem, há muito tempo, está mais interessado no controle de suas paixões do que no conhecimento de suas emoções”, escreveu o psicólogo Paul Fraisse. No entanto, mergulhar em uma espécie de névoa emocional é a pior coisa que podemos fazer.

Um estudo muito interessante feito por psicólogos da Universidade de Michigan revelou que pessoas que sofrem de depressão têm uma característica em comum: elas não distinguem com precisão as diferenças entre as emoções negativas que experimentam, como tristeza, culpa, raiva e frustração.

Isso poderia explicar, pelo menos em parte, por que a depressão é tão difícil de superar.

Para chegar a essas conclusões, os pesquisadores pediram que pessoas saudáveis ​​e outras que sofrem de depressão relatassem suas emoções em momentos específicos durante uma semana.

Assim, eles descobriram que as pessoas deprimidas achavam muito difícil distinguir entre diferentes emoções negativas.

Essas pessoas seriam atoladas em uma espécie de “névoa emocional”, que é gerada quando somos incapazes de distinguir as emoções que experimentamos e rotulá-las.

O problema é que esse estado pode agravar distúrbios como depressão ou ansiedade.

De fato, é difícil melhorar nossas vidas se não soubermos exatamente como nos sentimos sobre certos aspectos.

Por exemplo, você pode imaginar o quão difícil seria saber quando chegou a hora de encher o tanque de combustível se você não tivesse esse indicador no painel do carro?

Algo semelhante acontece com o nosso estado emocional, não podemos melhorar ou usar emoções a nosso favor, se não sabemos como nos sentimos e por quê.

O que acontece no cérebro quando rotulamos uma emoção?

Em 1915, o fisiologista Walter Cannon descobriu a ligação entre o medo e o aumento da secreção de adrenalina. Ele propôs que os estímulos emocionais tenham dois efeitos excitatórios independentes, pois causam uma mudança no nível do cérebro e no nível do sistema autônomo e somático.

Desde então, as Neurociências não param de estudar os efeitos das emoções no nível cerebral, verificando se elas produzem e ocorrem devido a uma complexa cascata de alterações cerebrais.

Um estudo realizado na UCLA revelou o que acontece em nosso cérebro quando rotulamos emoções negativas. Esses neurocientistas pediram a um grupo de participantes para ver imagens nas quais rostos raivosos ou assustadores apareciam.

Essas imagens aumentaram a atividade na amígdala, uma região do cérebro intimamente ligada a emoções que atua como um alarme quando detecta um possível perigo e desencadeia uma série de mudanças fisiológicas que nos preparam para fugir ou atacar.

De fato, foi apreciado que a amígdala responde intensamente até a imagens subliminares, que nossa consciência não captura.

Nesse ponto, os pesquisadores se perguntavam se simplesmente rotular essas emoções poderia mitigá-las e diminuir o nível de ativação da amígdala.

Em seguida, pediram aos participantes para identificar as emoções que estavam vendo. Os resultados foram surpreendentes: quase imediatamente a atividade da amígdala começou a diminuir, enquanto o córtex pré-frontal ventrolateral era ativado, uma área ligada ao pensamento, inibição comportamental e processamento racional das emoções.

Na prática, o que acontece é que, quando rotulamos o que sentimos, somos forçados a ativar a parte mais racional do cérebro.

Essa área exige uma espécie de “freio de mão”, impedindo que as emoções assumam o controle e o sequestro emocional.

Ao entender o que acontece conosco, o impacto emocional negativo diminui e torna as emoções menos dolorosas.

Como desenvolver a consciência emocional?

Não nascemos com uma consciência emocional desenvolvida, ela está gradualmente melhorando, à medida que experimentamos novas emoções e os adultos ao nosso redor nos ajudam a rotulá-las e gerenciá-las.

Infelizmente, em muitos casos, esse aprendizado não ocorre e a consciência emocional é atrofiada. Isso não significa que a pessoa não é capaz de experimentar muitas emoções e sentimentos, mas não é capaz de reconhecê-los e, portanto, é muito mais complicado gerenciá-los.

A boa notícia é que a consciência emocional pode ser aprimorada em qualquer estágio da vida.

Preste mais atenção às emoções.

Muitas vezes, não prestamos atenção suficiente à maneira como reagimos aos eventos.

Para desenvolver a consciência emocional, no entanto, precisamos começar a olhar mais para dentro de nós.

Também nos ajudará a prestar atenção às reações físicas que essas emoções geram, que podem variar da sensação de um nó na garganta a um formigamento agradável, uma pressão no peito ou a sensação de calor. Todas essas mudanças são o reflexo direto das emoções em nosso corpo.

Não julgue emoções, apenas identifique-as.

É importante que nos livremos da ideia de que existem emoções boas e más.

As emoções são apenas um indicador do que estamos sentindo; portanto, não precisamos julgá-las, mas tentar entender sua mensagem. O primeiro passo é rotulá-los corretamente.

Você se sente zangado, frustrado ou chateado?

Tente entender a mensagem.

Para desenvolver a consciência emocional, não basta identificar o que estamos sentindo, precisamos entender por que nos sentimos assim. Isso implica um trabalho árduo de introspecção.

Frequentemente, assumimos que as emoções são a reação a um fato concreto, mas nem sempre é o caso.

Você pode ficar com raiva porque seu parceiro estava atrasado para o seu encontro, mas talvez essa raiva seja uma irritação contida que revele um problema mais profundo no casal ou talvez seja a expressão de que você está sujeito a um estresse excessivo no trabalho.

Compreender a causa das emoções nos permitirá gerenciá-las melhor.

Identifique os pensamentos associados às emoções. Para entender a origem das emoções, ajudará você a se concentrar nos pensamentos associados.

Quando você se sente triste, começa a pensar que é um fracasso total?

Se você fica com raiva, começa a pensar que ninguém vale a pena e todo mundo tenta tirar vantagem de você?

Freqüentemente esses pensamentos são o reflexo de sua concepção do mundo e podem explicar, pelo menos em parte, sua reação emocional.

Expresse suas emoções de forma assertiva.

O próximo passo no desenvolvimento da consciência emocional é aprender a expressar esses sentimentos de forma assertiva.

Quando um pintor usa a raiva como inspiração, por exemplo, ele está dando uma saída positiva para essa emoção.

Correr quando estamos com raiva é outra maneira de liberar essa raiva, embora também possamos tentar técnicas como a meditação da atenção plena , que nos permitirá manter um relacionamento mais saudável e equilibrado com nossas emoções.

Fontes:

LeDoux, JE & Brown, R. (2017) Uma teoria de ordem superior da consciência emocional. PNAS ; 114 (10): E2016-E2025.

Demiralp, E. et. Al. (2012) Sentindo-se azul ou turquesa? Diferenciação emocional no transtorno depressivo maior. Ciências psicológicas ; 23 (11): 1410-1416.

Lieberman, MD et. Al. (2007) Colocar sentimentos em palavras afeta a rotulagem interrompe a atividade da amígdala em resposta a estímulos afetivos. Ciência psicológica ; 18 (5): 421-428.

*Tradução e adaptação REDAÇÃO SEU AMIGO GURU
*FONTE: Rincon

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!