Uma jovem de 29 anos, Leiliane Rafael da Silva, uma simples guerreira, como muitas brasileiras, que vence as batalhas do dia a dia com disposição e coragem, com essa coragem ela enfrentou a vida e a morte de frente, e se transformou em uma verdadeira heroína.

Depois de ter encarado a morte em busca de vida, Leiliane ganhou inúmeras homenagens e a mais recebente foi uma ilustração feita pelo artista Angelo France que a retrata como a “Mulher Maravilha”. Um detalhe que chamou a atenção do Brasil e do mundo é que enquanto dois homens simplesmente olham e filmam, ela faz todo esforço sozinha!

ARTE: ANGELO FRANCE

Sabemos que ela não fez nada com a intenção de ficar conhecida ou famosa, e esse é o grande motivo de estarmos homenageando uma pessoa simples, de olhar bondoso e com atitudes e um coração tão nobre.

Para quem não a conhece, ela ficou conhecida por estar passando de moto exatamente no mesmo horário em que o helicóptero, onde estava o jornalista Ricardo Boechat, se chocou com um caminhão na Via Anhanguera, em São Paulo. Ela estava na garupa da moto pilotada pelo marido, e assim que viram o acidente eles pararam e Leiliane correu e quebrou o vidro do caminhão com o capacete para salvar o motorista.

Quando acontecem acidentes, sabemos que muitos curiosos ficam em cima querendo filmar e conseguir imagens para publicar em suas redes sociais, atitude insensível com os familiares das vitimas, mas Leiliane não, ela só queria conseguir salvar as vidas que estavam agonizando ali. Sem saber muito bem o que estava fazendo, no instinto de ajudar, ela escalou a cabine do caminhão, arrancou os pedaços do helicóptero e puxou o motorista.

Desesperada ela deu a seguinte declaração quando levada ao 46º Distrito Policial: “Uma pessoa pulou do helicóptero. O piloto ficou dentro do helicóptero. A pessoa que caiu na pista era o que tinha pulado primeiro. Ele pulou na pista, caiu no chão, e o helicóptero caiu em cima dele”,

Várias declarações foram dadas a veículos de televisão, para o G1 ela explicou que foi impedida por funcionários da rodovia de chegar até o Helicóptero por conta do risco de explosão, “Mas eu queria salvar ele. Porque o piloto não pulou, ficou dentro do helicóptero. A minha intenção ali na hora era tirar ele de lá. Eu tinha que ter tirado ele de lá. Tinha que ter puxado para o meio da pista. O outro moço já tinha morrido”, desabafou ao G1.

Ainda abalada e emocionada com as cenas chocantes que presenciou, ela se culpa e queria ter feito ainda mais, mas com certeza, ela poderia ter morrido se tivesse se arriscado.

“Eu acho que poderia ter feito mais alguma coisa e não me deixaram. Eu devia ter corrido lá e puxado ele. Só que agora que eu estou aqui e que eu já sei que não tinha mais como tirar ele de lá, porque explodiu novamente. Eu vejo que eu podia ter morrido junto com ele”, finalizou.

Felizmente o motorista do caminhão teve ferimentos leves e passa bem.

Histórias tristes aconteceram nesse início de ano, mortes violentas insistem em nos mostrar como a nossa vida é frágil. Atentemos para isso!

É importante também que consigamos olhar para o que tem de positivo nesses desestres todos, a mão que se estende, a generosidade e a solidariedade de algumas pessoas… Precisamos aprender com as pessoas que demonstram ter um coração no peito! Valeu Leiliane, por ser tão corajosa e por não se acovardar em nenhum momento! O mundo precisa de pessoas como você!

Assistam a declaração dada por ela para o canal Interagindo.com

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Iara Fonseca
Jornalista, poeta, educadora social, fundadora e editora de conteúdo do Rede de Ideias: PRODUÇÃO DE CONTEÚDO. Seu interior é intenso, sempre foi, transforma suas angustias em textos que ajudam muito mais a ela própria do que a quem lê. As vezes se pega relendo seus textos para tentar colocar em prática aquilo que, ela mesma, sabe que é difícil. Acredita que viemos aqui para aprender a ser, a cada dia, um pouco melhor, para si mesmo, e para o outro!