Complexo dos Mártires: Pessoas que se aproveitam do drama para tirar proveito dos outros e se autoafirmar!

A vida pode ser difícil. Há pessoas que foram feridas – física ou emocionalmente – se tornando vítimas do destino. No entanto, também existem pessoas que escolhem – mais ou menos conscientemente – se tornarem vítimas, são aquelas que sofrem o que na psicologia é conhecido como “complexo mártir”.

O que é o complexo de mártir?

“A pessoa que constantemente chama a atenção para suas desventuras e sofrimentos corre o risco de provocar um complexo mártir e causar aos outros a impressão de que busca simpatia”, alertou Martin Luther King.

O complexo de mártir envolve a busca de sofrimento ou dor através de diferentes mecanismos para se sentir “bem” consigo mesmo.

É um padrão de comportamento autodestrutivo que leva a pessoa a fazer todo o possível para encontrar situações que podem causar angústia e sofrimento.

Quem faz o mártir é geralmente “sacrificado” em nome do amor, dever ou outro valor, pois satisfaz suas necessidades psicológicas. Como resultado, ele sofre desnecessariamente enquanto ignora suas próprias necessidades.

Freqüentemente, essa tendência ao masoquismo o leva a manter relacionamentos abusivos ou co-dependentes.

Por que uma pessoa gostaria de ser um mártir?

Existem culturas, famílias ou grupos sociais nos quais o martírio é incentivado e até pessoas dispostas a sacrificar e sofrer são vistas com bons olhos. De fato, é a mensagem subjacente de religiões como o cristianismo, na qual se espera que “pessoas boas” levem uma vida marcada por ascetismo e penitência.

A autoflagelação, característica de algumas seitas pagãs que foram absorvidas pelo cristianismo e se espalharam em larga escala durante a segunda metade do século XII, incluía todo tipo de punições físicas, como chicotadas e sacos de carvão nas nádegas. Com o passar do tempo, essa prática desapareceu, embora não tenha sido completamente extinta e a mortificação continua sendo pregada.

Em certas culturas, também se espera que as mulheres assumam o papel de mártir e se sacrifiquem por sua família.

Aqueles que renunciam a suas esperanças e sonhos pelos outros são considerados mulheres altruístas, boas, sacrificadas, gentis e dignas de exemplo.

Essas idéias, embora possamos combatê-las e até rejeitá-las em um nível intelectual, ainda estão muito arraigadas na imaginação popular, portanto, não é de surpreender que a palavra “mártir” continue tendo um halo positivo.

Isso significa que, no fundo, a pessoa com o complexo de mártir assume o papel de vítima para melhorar a imagem que tem de si mesma. Essa pessoa é vista através dos olhos da rendição e, portanto, pensa que ela não tem valor intrínseco, a menos que satisfaça os desejos e necessidades dos outros.

No fundo, as pessoas com o complexo de mártir sentem que não são dignas de serem amadas, por isso tentam “reparar-se” através dos castigos e do sofrimento que impõem a si mesmos.

Eles procuram se redimir assumindo cargas pesadas que não lhes correspondem.

Geralmente são pessoas que, por causa de sua trajetória de vida, assumiram que seus sentimentos, emoções, ideias, necessidades e até mesmo sua dor não são importantes, por isso os silenciam constantemente, apagando assim sua própria luz.

Eles acreditam que são responsáveis ​​pela felicidade e bem-estar dos outros, além do que pede o senso comum.

Parênteses: o mártir manipulador

Em alguns casos, a pessoa com complexo de mártir tira proveito de sua posição bem estabelecida de vítima para gerar tristeza nos outros e manipulá-los.

É um tipo especial de mártir que usa suas dificuldades na vida para alcançar o que deseja, apresentando-se como uma vítima desamparada que precisa de ajuda.

Esse tipo de mártir geralmente se livra de todos os tipos de responsabilidade em sua vida, colocando-a nos ombros dos outros. Ao assumir a mentalidade de vítima e culpar todos, menos a si mesmo, ele projeta seus fracassos e decepções nos outros e espera que eles o ajudem.

Se as pessoas não o fizerem, não hesitarão em recorrer à longa lista de sacrifícios e sofrimentos para gerar um sentimento de culpa e alcançar seus objetivos.

7 Características das pessoas que geralmente se tornam mártires

1- Eles tendem a ter grandes personagens na história que se sacrificaram por outros.

2- Eles se vêem como boas pessoas, heróis ou santos, considerando que o resto do mundo é egoísta e insensível.

3- Eles exageram seu nível de sofrimento, privação e abuso para parecerem uma vítima sacrificada. Eles buscam ativamente apreciação, reconhecimento e atenção através de seus “dramas”.

4- Eles têm baixa auto-estima, não acreditam que sejam dignos de serem amados pelo que são.

5- Eles têm um lócus de controle externo, portanto culpam os outros por seus problemas e se recusam a aceitar a responsabilidade pelas decisões que lhes causaram dor ou sofrimento.

6- Eles acham difícil dizer “não” e estabelecem limites, de modo que tendem a cair em relacionamentos abusivos ou, inversamente, a se tornarem pessoas manipuladoras.

7- Eles não tomam a iniciativa de resolver seus problemas, mas se alegram com eles e, quando finalmente desaparecem, procuram novos problemas para lamentar.

Como lidar com uma pessoa que se torna mártir?

Pare de aceitar favores e expressões de sacrifício. A pessoa com um complexo de mártir sempre procurará maneiras de provar que é “boa” e, ao mesmo tempo, criará situações que farão você se sentir “mal”.

Para acabar com esse cenário, é importante que você pare de aceitar as expressões de esforço ou sacrifício, porque quanto mais você aceita favores de um mártir, mais ele esperará de você e é mais provável que ele se sinta ressentido e crie um drama no futuro.

Obviamente, não se trata de rejeitar tudo o que a pessoa lhe oferece, pois dessa maneira você fará com que ele se sinta rejeitado, mas você deve garantir que essa ajuda não envolva um sacrifício para a pessoa e trabalhar para ser o mais auto-suficiente possível.

Aceite, mas não satisfaça a necessidade de compaixão dele.

Se você sente pena do mártir, estará alimentando o drama e o papel de vítima. É por isso que é importante que, se essa pessoa lhe disser seus problemas com a intenção de sentir pena, você possa ajudá-la a ver a situação de uma perspectiva mais objetiva, evitando frases como ” pobre, você deve se sentir muito cansado ” ou ” que azar você tem na vida.”

Pelo contrário, concentre-se nos resultados positivos que ela alcançou. Quando você não sente pena dela ou do tipo de simpatia que essa pessoa procura, ela entenderá que você não é manipulável e deixará de alimentar seu comportamento autodestrutivo.

Expresse suas preocupações diretamente.

Conversar com uma pessoa que sofre de um complexo mártir é muitas vezes difícil, mas muitas vezes é a única opção para manter um relacionamento maduro. É provável que sua primeira reação seja ficar com raiva, negar tudo ou se sentir ofendido. É importante que você não recorra a recriminações, mas concentre-se em como seus comportamentos o fazem se sentir e ofereça soluções para melhorar o relacionamento.

Deixe que ela saiba que se você está tocando nesse assunto, é porque essa pessoa é importante para você, mas você não está disposto a avançar com esse tipo de relacionamento.

Comece reconhecendo que você valoriza o esforço dela, mas depois explique como esse comportamento é prejudicial a todos.

Como eliminar o complexo mártir?

O complexo de mártir acaba contaminando todas as interações que uma pessoa tem com outras e obscurece seu papel no mundo.

É comum que essas pessoas acabem experimentando ressentimento porque não recebem tudo o que esperam dos outros. Também é provável que se tornem pessoas passivas-agressivas que acabam prejudicando os relacionamentos.

Como sair dessa situação?

Entenda que você tem outras opções, além de ser um mártir.

Todos nós queremos ser amados, aceitos e apreciados. Mas é importante alcançá-lo pelo que somos, de uma maneira autêntica. Esforçar-se para agradar aos outros, tentando provar a si mesmo, é cansativo e não dará bons resultados.

De fato, é importante que você não confunda tristeza e misericórdia com amor. Esse tipo de amor não é satisfatório porque você não está expressando quem você é, seus sentimentos e seu verdadeiro eu.

Encontre um novo papel no relacionamento.

Todos assumimos papéis diferentes em nossos relacionamentos. Algumas pessoas adotam papéis de autoridade, outras adotam papéis de igualdade e outras aceitam papéis de submissão.

Até agora, seu papel foi o sacrifício, mas você pode alterá-lo e assumir papéis mais saudáveis. Qualquer que seja o papel que você escolher, pergunte a si mesmo: é um papel saudável?

Estou acima, abaixo ou estou agindo de igual para igual com essa pessoa?

Idealmente, você deve desempenhar papéis que criem igualdade para você e para o outro.

Assuma suas responsabilidades.

Embora às vezes possa ser doloroso supor que cometemos um erro e que, de certa maneira, contribuímos para nossos problemas, é o primeiro passo para tomar as rédeas da nossa vida e deixar para trás o papel de vítima.

Faça uma linha entre o que você pode mudar e o que não pode.

Suponha que a felicidade é uma decisão pessoal e que está em suas mãos fazer mudanças positivas para que isso aconteça.

Prepare-se para as reações dos outros.

Se você manteve relacionamentos nos quais outras pessoas aproveitaram sua dedicação e devoção, é provável que essas pessoas se sintam confusas com a sua mudança e até pressionem você a voltar ao antigo papel.

A melhor maneira de lidar com essas reações é falar diretamente sobre o processo de crescimento pessoal que você está enfrentando.

Fontes:

Johnson, P. (2017) A história do cristianismo. Barcelona: Rede Sipan Barcelona.

Kets, M. (2012) Você é uma vítima da síndrome da vítima? Dinâmica Organizacional; 43

*Tradução e adaptação REDAÇÃO SEU AMIGO GURU. Com informações Rincon Psicologia

VOCÊ SABIA QUE O SEU AMIGO GURU TAMBÉM ESTÁ NO FACEBOOK E NO INSTAGRAM?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS TORNARÃO A SUA VIDA MUITO MAIS LEVE E FELIZ!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Seu Amigo Guru
Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!