Como vencer a crise dos 7 anos no casamento? Quanto antes você lidar com seus sentimentos de descontentamento, melhor.

Altos e baixos são naturais em qualquer relacionamento de longo prazo. Mas é uma crença comum que, especificamente na marca dos sete anos, os casais tendem a cair em uma depressão, o que muitas vezes, os deixa inquietos e insatisfeitos com o casamento. Isso é conhecido como “a crise dos sete anos”.

Na verdade, a duração média dos casamentos que terminam em divórcio oscila há muito tempo em torno de sete anos, de acordo com dados do governo dos Estados Unidos. Mas, no geral, os especialistas em relacionamento estão divididos quanto à real existência desse fenômeno.

“Ninguém descobriu nada de especial sobre o sétimo ano de um relacionamento,” Karl Pillemer, o autor de 30 Lições para Amar: Advice From o mais sábio americanos sobre amor, relacionamentos e casamento, em recente entrevista ao HuffPost, disse:

“Os casais não devem temer o sétimo ano como uma ameaça única. Por outro lado, estudos mostram que, em média, a satisfação conjugal e a qualidade geral caem ao longo dos primeiros anos em que as pessoas estão juntas, à medida que a ‘vida real’ – e em particular os filhos – entra em cena”..

Os casais podem, é claro, cair em uma rotina em qualquer ponto de um relacionamento – seja seis meses, sete anos ou décadas. Mas se você é um dos casais que sente a chamada coceira chegando, não se preocupe. Procuramos especialistas que nos aconselharam sobre como reacender a faísca em seu casamento agora.

Quanto antes você lidar com seus sentimentos de descontentamento, melhor.

1. Pergunte a si mesmo se seu casamento é realmente o que faz você se sentir paralisado ou apático.

“Se você sente vontade de deixar seu relacionamento quando está perto dos sete anos, pergunte-se se está ansioso por uma mudança em geral. Se você acha que seu relacionamento está estagnado ou enfadonho, observe sua vida como um todo. Seu relacionamento está estagnado ou sua vida está estagnada? As pessoas podem transferir seu sentimento de tédio ou falta de entusiasmo por aspectos de sua vida para seu parceiro, quando seu parceiro pode não ser a causa.” – Marie Land, psicóloga

2. Lembre-se de por que você é grato por seu parceiro. Em seguida, deixe-o saber.

“Perguntem um ao outro se vocês se sentem gratos pela presença de seu parceiro em sua vida. Se você acha que seus sentimentos de gratidão – ou a falta deles – estão aquém do ideal, agora seria um excelente momento para se perguntar por quê. Depois de descobrir a resposta, recomendo que você realmente faça algo para expressar sua gratidão – e com frequência, de uma maneira que seu parceiro saiba em seu coração que você o aprecia sinceramente.

Se você realmente não consegue encontrar motivos para se sentir grato, isso é um forte indicador de outros problemas. Comece a conversar com seu cônjuge, por mais difícil que seja. Você precisa descobrir por que um ou ambos não estão sentindo e / ou expressando gratidão.” – Gary Brown, terapeuta de casamento e família.

3. Lembre-se de que a fase da lua de mel não deve durar para sempre.

“Perceba que um novo amor quente inevitavelmente se torna um amor não tão quente e antigo. Pessoas em busca de um novo amor e de um novo amor sempre que há coceira descobrem, infelizmente, que são incapazes de manter relacionamentos.

Porque essa fase eufórica do amor romântico “não consigo comer”, “não consigo dormir” é biologicamente insustentável nos humanos.

Os produtos químicos do nosso corpo surgem por volta da marca de dois anos e a euforia se transforma na fase de apego menos sexy de um relacionamento.

Já entrevistei muitos homens e mulheres divorciados que fugiram quando o novo envelheceu, e muitas vezes são essas pessoas que acabam tendo casamentos múltiplos e malsucedidos.

Esse é o desafio de fazer um casamento durar: devemos aceitar a realidade de que, com o tempo, nossos relacionamentos caem em uma rotina previsível que pode não ter o calor de uma lua de melmas tem algo maior e mais importante – que é segurança, amizade e compromisso”. – Iris Krasnow, autora de Surrendering to Marriage e The Secret Lives of Wives

4. Assuma um dos interesses de seu parceiro.

“Faça algo em que seu parceiro esteja interessado e você não. Quando um relacionamento se torna obsoleto, o ressentimento pelos interesses independentes de uma outra pessoa importante geralmente desempenha um papel importante.

Os idosos casados ​​e felizes que estudei perguntam o seguinte: O que é mais importante, como você passa seu tempo de lazer ou seu relacionamento?

Escolha uma semana e, em determinado momento, participe do interesse do seu parceiro. Ele adora música country e você odeia? Compre ingressos para um concerto country.

O amor dela por caminhadas te deixa louco? Escolha um parque local, prepare um almoço e experimente. Alguns anciãos realmente descobriram que gostavam do interesse um do outro. E pode ser melhor do que ficar em casa com raiva e deixado de lado.” – Karl Pillemer

5. Deixe de lado a necessidade de ter um relacionamento “perfeito”.

“Se você acha que precisa que tudo em sua vida seja perfeito – ou pelo menos pareça perfeito – você está em apuros. O melhor dos casamentos nunca é perfeito.

Os contos de fadas são legais, mas são apenas isso; são contos de fadas e têm muito pouca semelhança com a vida real. Se você quiser evitar a armadilha de qualquer “crise”, precisa aprender a abrir mão da necessidade de que seu parceiro (ou você mesmo) tenha um casamento perfeito. Isso coloca muito estresse em seu relacionamento e, na verdade, aumenta as chances de você se divorciar.” – Gary Brown

6. Não pare de conversar

“Se você não está falando com o seu parceiro, se você não o está tocando, você está em apuros. Sexo é muito divertido e pode aliviar a tensão de todas as outras coisas que surgem quando você está morando com a mesma pessoa na mesma casa, compartilhando filhos e contas, ano após ano.” – Iris Krasnow

7. Trabalhem juntos

“Os casais há muito casados ​​com quem conversei encontraram uma ‘solução mágica’ para estimular um relacionamento: trabalhar como voluntários juntos.

Encontre uma atividade que ajude outras pessoas que vocês podem fazer em conjunto.

Quer se trate de uma organização ambiental, voluntariado em uma escola do centro da cidade, ou outra boa causa, trabalhar juntos para tornar o mundo um lugar melhor é um poderoso renovador de relacionamento”. – Karl Pillemer.

Me conte como você superou a crise dos 7 anos!

*DA REDAÇÃO SAG.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!