Como uma pessoa que um dia amamos, se torna um estranho, do dia pra noite?

É impressionante pensar como pessoas que costumavam ser tudo em nossa vida, de repente se tornam nada. Elas voltam a ser apenas mais um estranho.

Como aprendemos a esquecer. Como forçamos o esquecimento.

O que colocamos no lugar deles nesse ínterim?

A dinâmica posterior sempre lhe diz mais do que o relacionamento – a dor é um professor mais rápido do que a alegria – mas o que significa quando você volta a ser estranho novamente?

Você nunca para de se reconhecer dessa maneira. Talvez não haja escolha a não ser torná-lo alguém diferente em sua mente, não a pessoa que conhecia suas ansiedades diárias e como você parecia nua e o que te fez chorar e o quanto você a amava.

Quando nossas vidas giram em torno de alguém, eles não param de ser importantes, mesmo que tudo o que resta seja alguma lembrança de sua memória.

Há sempre aqueles pedaços que perduram. Ficam as lembranças que ficam gravadas nos lugares por onde passou, nas coisas que disse e nas músicas que ouviu.

Todos nós eventualmente nos encontramos na fila do caixa, ouvindo uma dessas músicas e percebendo que estamos girando em torno delas novamente. E talvez nunca paramos.

Você realmente esquece os aniversários de seus amantes, ou todas as suas primeiras vezes, íntimas ou não?

Seus aniversários se tornam dias normais do ano novamente? As coisas que você fez e as promessas que fez foram realmente neutralizadas?

Eles se tornam vazios agora que vocês terminaram ou você decide ignorá-los porque simplesmente não há outra escolha?

A mente diz para você continuar, e força seu coração a seguir o exemplo, eu acho.

Quero acreditar que, ou você ama alguém, de alguma forma, para sempre, ou nunca realmente os amou.

Que uma vez que dois produtos químicos reativos se cruzam, ambos são alterados. Que as feridas que deixamos nas pessoas às vezes são muito cruas para correr o risco de cair novamente nelas.

Não quero acreditar que nos despedimos porque simplesmente não importamos mais. Eu sei que o amor não é dispensável. Eu me pergunto, e talvez espero, se alguma vez forçarmos isso por necessidade.

Talvez seja apenas porque estamos todos no centro de nossos próprios pequenos universos, e às vezes eles se sobrepõem aos de outras pessoas, e essa pequena interseção deixa uma parte dele alterada.

A colisão pode nos destruir, nos mudar, nos mudar. Às vezes nos fundimos em um, e outras vezes rescindimos porque o conforto de perder o que pensávamos saber vence.

De qualquer forma, é inevitável que você expanda. Que você fica sabendo muito mais sobre o amor e o que ele pode fazer, e a dor que apenas um buraco em seu coração e um espaço em sua cama e um vazio na cadeira ao lado podem trazer.

Se aquele buraco voltará a incluir ou não a pessoa que o fez daquele jeito… eu não sei. Se mais alguém pode ou não corresponder ao contorno de alguém que ficou tão profundamente impressionado em você… Eu também não sei.

Todos começamos como estranhos. As escolhas que fazemos em termos de amor geralmente parecem inevitáveis. Achamos as pessoas irracionalmente atraentes.

Encontramos almas feitas do mesmo material que as nossas. Encontramos colegas e parceiros e vizinhos e amigos da família e primos e irmãs e nossas vidas se cruzam de uma maneira que os faz sentir como se nunca tivessem sido separados. E isso é adorável.

Mas a facilidade e o acesso não é o que desejamos. Não é sobre isso que estou escrevendo agora. Não é o que giramos em torno depois que ele se foi. Estamos todos apenas esperando que outro universo colida com o nosso, para mudar o que nós mesmos não podemos.

É interessante como percebemos que a tempestade volta a se acalmar, mas vemos as estrelas de forma diferente agora, e não sabemos, e não podemos escolher, quais destroços podem fazer isso por nós.

Mas ainda assim, é estranho. É estranho pensar que a gente se conhecia como ninguém mais, e que de repente, nos tornamos um estranho, um para o outro.

Todos começamos como estranhos, mas esquecemos que raramente escolhemos quem acaba sendo um estranho também.

*DA REDAÇÃO SAG. Com informações TC. Foto de Kevin Nice no Unsplash.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!