Todos nós julgamos e medimos uns aos outros por nossos próprios padrões. Aceitar isso ajuda muito na compreensão dos outros.

Uma vez conheci um cara que ganhava muito dinheiro. Ele via o mundo como uma série de propostas de valor. Tudo, desde que férias tirar, até que cerveja escolher em um restaurante, até por que certas pessoas gostavam dele ou não.

Se alguém foi rude com ele, foi porque estava com ciúmes ou se sentiu ameaçado por seu poder ou sucesso. Se alguém foi gentil com ele, foi porque admirou seu poder e sucesso e, em alguns casos, podem estar tentando manipulá-lo para ter mais acesso a isso.

Ele se mediu por meio de seu sucesso financeiro. E, naturalmente, ele mediu o mundo e as pessoas ao seu redor por meio do sucesso financeiro.

Uma vez conheci uma mulher que era bonita. Ela via o mundo em termos de atração e atenção. Tudo, desde entrevistas de emprego a descontos em restaurantes e lidar com uma mãe irritante.

Se alguém foi rude com ela, foi porque se sentiu intimidado por sua beleza ou por sua própria falta de beleza. Se alguém era gentil com ela, era porque admirava sua beleza e queria ter acesso a ela.

Ela se mediu por meio de sua beleza e atratividade. E, naturalmente, ela mediu o mundo e as pessoas por sua beleza e atratividade.

Uma vez conheci um cara que era um perdedor. Ele era socialmente desajeitado e ninguém gostava dele. Ele via o mundo como um concurso de popularidade, um concurso que estava perdendo perpetuamente. Tudo, desde o quanto ele ganhava no trabalho, ao mau atendimento que recebia nos restaurantes, às pessoas que não riam de suas piadas, tudo era porque ele se sentia um perdedor.

Se alguém foi rude com ele, foi porque percebeu o quanto era mais legal do que ele. Se alguém foi gentil com ele, foi porque viu o quanto ele era um perdedor e teve pena dele. Ou talvez fossem apenas perdedores maiores do que ele.

Ele se mediu por meio de seu status social. E, naturalmente, ele mediu o mundo e as pessoas nele por meio do status social.

Por que julgamos os outros

Meses atrás, escrevi um artigo sobre as maneiras que escolhemos para medir o valor de nossas próprias vidas. Alguns de nós medem nossa vida por meio de dinheiro e elogios. Outros medem pela beleza e popularidade. Outros medem por meio da família e dos relacionamentos. Outros medem por meio de serviço e boas ações.

Provavelmente, você mede a sua vida por meio de alguma combinação de todas essas coisas, mas uma em particular é mais importante para você. Uma se destaca e determina sua felicidade mais do que as outras.

Nesse artigo, escrevi que é importante nos avaliarmos por nossas próprias métricas internas, tanto quanto possível. Quanto mais externas forem nossas métricas para nosso próprio valor e autoestima, mais estragamos tudo para nós mesmos.

Mas tem mais.

A maneira como você se julga é a maneira como você julga os outros e como presume que os outros o julguem.

Se você mede sua vida pelas relações familiares, então medirá os outros pelo mesmo padrão – quão próxima é a família deles. Se eles estão distantes de sua família ou não ligam para casa o suficiente, você os julgará como caloteiros, ingratos ou irresponsáveis, independentemente de suas vidas ou sua história.

Se você medir sua vida pela quantidade de diversão e festa que pode ter, então você medirá os outros pelo mesmo padrão – quanta diversão e festa eles têm. Se eles preferirem ficar em casa e assistir às repetições de Star Trek: Next Generation todo fim de semana, você os julgará inibidos, com medo do mundo, coxos e sem alma, independentemente de sua personalidade ou necessidades .

Se você medir sua vida pelo quanto você viajou e experimentou, então você medirá outras pessoas pelo mesmo padrão – quão mundanas elas se tornaram. Se eles preferem ficar em casa e desfrutar dos confortos da rotina, então você os julgará desinteressados, ignorantes, sem ambições, independentemente de quais sejam suas aspirações reais.

O critério que usamos para nós mesmos é o critério que usamos para o mundo.

Se acreditarmos que somos trabalhadores árduos e ganhamos tudo o que temos, então acreditaremos que todos os outros mereceram o que têm. E se não têm nada, é porque não ganharam nada.

Se acreditarmos que somos vítimas da sociedade e merecemos justiça, então acreditaremos que outros são vítimas da sociedade e também merecem justiça.

Se acreditarmos que nosso valor vem da fé em um poder superior, então veremos os outros por sua fé (ou falta de fé) em um poder superior. Se nos medirmos por nosso intelecto e uso da razão, então julgaremos os outros pelas mesmas lentes.

É por isso que as pessoas que são empreendedoras tendem a pensar que todos os outros também deveriam ser empreendedores.

É por isso que as pessoas que são cristãs nascidas de novo tendem a acreditar que todos devem encontrar a salvação por meio de Jesus Cristo.

É por isso que ateus radicais tentam argumentar logicamente sobre algo que não tem nada a ver com lógica.

É por isso que os racistas sempre afirmam que todos os outros também são racistas. Eles simplesmente não sabem disso.

É por isso que os homens sexistas justificam seu sexismo dizendo que as mulheres são piores e as mulheres sexistas justificam seu sexismo dizendo que os homens são piores.

Julgando os outros (e a nós mesmos) com atenção

Isso não quer dizer que julgar seja errado. Existem muitos valores que valem a pena ser julgados. Julgo pessoas violentas e maliciosas. Mas isso é um reflexo de quem eu sou. Julgo violência e malícia dentro de mim. Esses são traços que não vou tolerar dentro de mim, portanto, não os tolero nos outros.

Mas essa é uma escolha que estou fazendo. Essa é uma escolha que todos nós estamos fazendo, quer percebamos ou não. E devemos fazer essas escolhas conscientemente e não no piloto automático.

É por isso que as pessoas que se acham feias procuram todas as maneiras como as pessoas ao seu redor são feias e as pessoas que são preguiçosas e negligentes procuram todas as maneiras pelas quais os outros cortam atalhos e também negligenciam.

É por isso que funcionários corruptos escolhem ser corruptos: porque eles presumem que todos os outros são tão corruptos quanto eles.

É por isso que os trapaceiros escolhem trapacear: porque eles presumem que todos os outros trapacearão se tiverem a chance também.

É por isso que aqueles que não confiam em ninguém, são aqueles em quem não se pode confiar.

Muitos de nós adotamos nossos próprios padrões internos não por escolha consciente, mas pela vergonha a que estamos sujeitos.

Eu adoro a frase: “Todo mundo está tentando provar ou refutar quem eram no colégio”, porque para muitos de nós, nossos padrões são definidos por como as pessoas nos viam enquanto cresciam.

Desenvolvemos uma fixação em uma área de nossas vidas porque é a área que sentimos que as pessoas mais nos julgam.

A líder de torcida do colégio que tem medo de perder a aparência quando adulta. O pobre garoto obcecado em ficar rico. O perdedor que quer dar as maiores festas. O preguiçoso que quer provar a todos o quão inteligente ele é.

Uma grande parte do nosso desenvolvimento é reconhecer nossa própria fixação, reconhecer como nos medimos e escolher conscientemente nossa métrica para nós mesmos.

Mas outra grande parte do desenvolvimento é reconhecer que cada um tem sua própria métrica. E essa métrica provavelmente não será igual à nossa. E isso (geralmente) está bem. A maioria das métricas que as pessoas escolhem está bem. Mesmo que não sejam as mesmas métricas que você escolheria para si mesmo.

Você pode ver o mundo por meio dos valores familiares, mas a maioria das pessoas não. Você pode ver o mundo através da métrica de atratividade, mas a maioria das pessoas não o faz.

Você pode ver o mundo pela métrica da liberdade e do mundanismo, mas a maioria das pessoas não o faz. Você pode ver o mundo através da positividade e da simpatia, mas a maioria das pessoas não o vê.

E isso simplesmente faz parte do ser humano. Aceitar que os outros medem a si mesmos e ao mundo de maneira diferente de você é um dos passos mais importantes para escolher conscientemente os relacionamentos certos para você.

É necessário desenvolver limites fortes e decidir quem você quer que faça parte da sua vida e quem você não quer. Você pode não aceitar as idéias ou comportamentos de uma pessoa.

Mas você deve aceitar que não pode mudar os valores de uma pessoa por ela. Assim como devemos escolher nossa própria medida por nós mesmos e para nós mesmos. Eles devem fazer isso por si próprios e por si próprios.

Mas esse conteúdo já dá para avaliar como a gente se relaciona com o mundo, não é mesmo?

Como você julga A SI MESMO E as pessoas a sua volta? COnta pra gente!

*DA REDAÇÃ SAG. Com informações MM.NET

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO SEU AMIGO GURU?

CONSELHOS INSPIRADORES TODOS OS DIAS PARA UMA VIDA PLENA E FELIZ!

RECOMENDAMOS









Viva simples, sonhe grande, seja grato, dê amor, ria muito!