Ele nasceu em Tauá, uma cidadizinha do interior do Ceará, com poucos recursos, sua família se viu em um drama ao saber que ele, Caleb Alexandrino Veríssimo, tinha nascido com paralisia cerebral, por conta de uma complicação durante o parto. Mas ele não deixou que o começo difícil determinasse o resto de sua vida! E conseguiu ir contra a tudo que todos pensaram que ele seria!

Faltou oxigenação para o cérebro dele durante o parto e isso comprometeu a sua fala, a escrita e a locomoção, mas o que não faltou foi oxigenação na alma!

A alma desse jovem é de um guerreiro que não desiste nunca, e ele agarrou todas as oportunidades que teve com garra e determinação. Sofreu preconceitos, humilhações e muitos desacreditaram, mesmo pessoas próximas, mas nada disso o abalou a ponto de o fazer desistir. Pelo contrário, as dificuldades o fortaleceram.

“Ele frequentou escolas normais, e em toda sua vida nunca ficou de recuperação!”, diz a mãe, Neuma.

Ele sempre foi um aluno exemplar e o seu ótimo exemplo reflete hoje no irmão mais novo, Filipe, que segue os mesmos passos do irmão, apaixonado por matemática.

Sua determinação é tão inspiradora que, mesmo tendo nascido com paralisia cerebral, com apenas 18 anos, ele já ingressava na faculdade de Química do Centro de Educação, Ciências e Tecnologia da Região dos Inhamuns (Cecitec), e fez um lindo trabalho, se formando com facilidade e deixando os professores muito satisfeitos e orgulhosos.

“Ele sempre foi um aluno excelente, tirava notas acima da média, nunca faltou a uma aula e estava sempre sorridente”, contou o professor e diretor do Cecitec, João Batista em entrevista concedida ao jornal local.

Sempre muito pró-ativo Caleb participou de muitos projetos onde ensina Química para alunos do ensino médio através de peças de teatro.

Uma razão para se inspirar? Sim, com certeza!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Iara Fonseca
Jornalista, poeta, educadora social, fundadora e editora de conteúdo do Rede de Ideias: PRODUÇÃO DE CONTEÚDO. Seu interior é intenso, sempre foi, transforma suas angustias em textos que ajudam muito mais a ela própria do que a quem lê. As vezes se pega relendo seus textos para tentar colocar em prática aquilo que, ela mesma, sabe que é difícil. Acredita que viemos aqui para aprender a ser, a cada dia, um pouco melhor, para si mesmo, e para o outro!