As vezes, tentamos entender o que está acontecendo conosco, qual o motivo, o que está nos impedindo, o que está fazendo a gente se sentir mal, e por mais que procuramos causas, respostas, tudo parece estar (aparentemente) bem! Mas nós… não estamos!

Quando percebemos que tudo está aparentemente indo bem e que mesmo assim, nós não estamos nos sentindo bem, começamos a nos sentir pior ainda, a nos culpar, a nos sentir ingratos, e o sentimento que era apenas de estranheza, um tanto quanto desconfortante, se transforma em um drama muito maior!

O que nos confunde nesses momentos é que os fatores externos, parecem não ser, necessariamente, as causas das nossas insatisfações e tristezas internas.

A raiz do mal estar generalizado que nos acomete parece ser mais profunda, e geralmente, está tão enraizada que não conseguimos encontrá-la.

As vezes, isso acontece comigo também.

As pessoas que se encontram na Terra e que sempre estão dispostas a oferecer uma palavra amiga, um ombro, um conselho edificante, são as pessoas que mais precisam de ajuda, mas até elas, muitas vezes, demoram a perceber isso!

Isso tudo me levou a concluir que:

As pessoas que mais ajudam, são aqueles que mais precisam de ajuda!

As pessoas que mais ajudam os outros, aparentemente possuem essa necessidade visceral, uma espécie de missão! Elas sentem quando o outro precisa de ajuda, e logo se colocam a disposição, mesmo não tendo sido solicitadas para tal ajuda.

Parece que elas adivinham que estamos precisando delas, e eu sou uma dessas pessoas que sempre sei quando alguém está precisando de mim! Principalmente, as pessoas mais próximas!

Chegou um ponto onde percebi que eu não conseguia doar mais de mim a ninguém! Cheguei a um ponto de esgotamento, onde minhas energias não estavam mais sendo recarregadas, e eu desliguei, como se a minha bateria interna estivesse quebrada, e não conseguisse mais ser recarregada!

Quando me percebi assim, orei muito, por muitos dias!

Me isolei, fiquei com medo do que estava acontecendo, com medo de não conseguir me sentir bem novamente! Mas esse medo não condizia com a minha fé interna, e graças a Deus, não permaneceu por muito tempo em mim.

Mas eu sentia que alguma coisa estava bem errada, porém, não encontrava nada errado, pelo contrário, tudo estava indo muito bem!

Amo meu trabalho, amo meu chefe, amo meus amigos, amo infinitamente meus filhos e minha família, amo estar com o meu marido todos os dias e saber que ele ama estar comigo também! Então o que podia estar acontecendo?

Falta de fé? Falta de Deus?

Não era também, porque rezo quase que intuitivamente todos os dias, e tenho uma relação muito forte com Deus.

O que poderia ser então?

Falta de energia visceral!

Minha bateria, como a de um celular, estava com os dias contados, e eu entendi que precisava de uma bateria nova. Mas infelizmente, a nossa bateria não é igual a de um celular que podemos ir até uma assistência técnica e trocá-la por uns míseros reais.

A minha bateria interna precisa ser revitalizada, reenergizada, e esse processo demanda tempo e empenho.

Confesso que fiquei assim após um evento que aconteceu em minha casa! Uma pessoa me visitou e a energia que ela deixou em mim e em meu lar aparentemente foi o motivo para a falência da minha bateria interna.

Não que ela tenha conseguido fazer isso sozinha, mas há tempos eu já vinha fazendo uma doação para aquela mesma pessoa, e aquele momento de sua visita, tão inesperada e devastadora, foi o que culminou na falência total da minha bateria!

Eu neguei o fato, e mesmo eu achando que não era isso, que estava tudo bem, que aquilo não havia sido nada demais, e entendendo a limitação evolutiva e emocional dela, eu não tive muita escolha, a bateria pifou de vez.

Comecei a analisar todo o processo e percebi que quanto mais a gente doa, mais a gente tem energia para doar! Então porque a minha havia pifado?

E recebi uma intuição!

“Quando a gente doa e a pessoa que deveria receber essa energia boa e limpa se encontra em um estado de energia negativa sombria, e nos envia de volta essa energia contaminada, é como se um vírus entrasse no nosso sistema.

Mas esse vírus só consegue entrar e nos desestabilizar emocionalmente, se a situação que nos envolveu tiver nos afetado psicologicamente, e se nós, invigilantes, não estivéssemos protegidos o suficiente.

Por isso eu brinco constantemente, mas é a mais pura verdade:

“Precisamos lembrar de passar o antivírus todos os dias logo pela manhã”.

Mas a gente esquece, não é mesmo?

Tem dia que a gente acorda e sai correndo atrasada!

Tem dia que a TPM tá lascada!

Tem dia que acordamos invigilantes e esquecemos de nos blindar com o “antivírus” da oração… E assim vai!

E esses dias podem nos custar muito caro!

E para mim custou!

Tive que formatar todo o meu HD interno. E ainda sinto uma lentidão no meu sistema operacional!

Mas tudo na vida é uma lição tão lindamente articulada que até nessa fase de confusão mental eu estou me sentindo completamente grata pelo aprendizado adquirido!

Sou grata por ter tentado ajudar e não ter conseguido, isso me ensinou muitas coisas.

Uma delas é que a gente só pode ajudar quem quer ser ajudado.

Boa! Eu já sabia disso(aparentemente), mas fui teimosa, e realmente achei que conseguiria ajudar sem precisar me blindar!

Outra é que devemos proteger nosso disco rígido!

Como em um computador normal, a camada que nos protege é muito fina, extremamente sensível e magnética. E quanto mais sensíveis somos, mais temos que nos atentar para a necessidade de alinhar os pólos positivos de Deus, aos pólos negativos da nossa cabeça.

Quando passamos por uma situação perturbadora, mesmo que ela aparentemente já tenha passado, e que agora, hoje, tudo pareça tranquilo novamente, a lembrança negativa do que nos aconteceu interfere diretamente no alinhamento que fazemos com Deus!

Para nos conectarmos com Deus quando a nossa cabeça e memória carregam lembranças de episódios negativos, precisamos fazer uma ligação, e essa ligação é totalmente energética e vibracional.

Estudiosos de química conhecem a “ligação covalente molecular” e a “ligação covalente coordenada”.

Para quem é químico, é fácil entender essa minha metáfora com o processo químico, porque é apenas uma metáfora, porém, passível de entendimento.

Mas como a maioria de nós não é químico, o que quero dizer é que precisamos aprender a alinhar as energias de modo que elas atinjam uma estabilidade “eletrônica” como as que acontecem quando da “ligação covalente molecular”, essa estabilidade nos manterá plenos e intocáveis, nada conseguirá nos desestruturar, nadinha.

Mas depois que essa estabilidade acontece, tudo parece estar aparentemente bem, mas se somos doadores de energia ferrenhos, e constantemente estamos doando, sem nos abastecermos de novas energias revigorantes, chega um ponto que não conseguimos mais reproduzir essa energia, ela se esgota e não se reproduz mais, por tanto, precisaremos partir para uma ligação “coordenada”, que seria, buscar ajuda de outras pessoas que possuem energia sobrando e que possam doar para nós.

É aí que entram estudos e práticas como as dos Reichianos, as dos passes magnéticos com vinculação religiosa ou não, e os abraços fraternos e verdadeiros que são capazes de recarregar as nossas baterias internas.

Muitos não acreditam nessa história de doação energética, mas já existem estudos contundentes sobre o assunto. E milhares de relatos de pessoas que se beneficiam e se beneficiaram delas, isso, diariamente! Eu sou uma dessas pessoas!

Esse foi o motivo da minha queda emocional! Não consegui me reabastecer energeticamente, sozinha e não fui procurar ajuda externa!

Meus amigos, como sempre me viam bem, sorrindo, e como eu sempre estava disposta a aconselhar, a oferecer ajuda, nunca acharam que eu precisaria de ajuda, já que eu sempre pareci tão equilibrada! Eles não achavam que eu precisava de atenção, de um carinho, de um abraço, e a culpa disso tudo é toda minha, eu também acreditava que eu não precisava… Mas todos precisam!

Foi aí que resolvi fazer um “intensivão” e fui buscar energia onde poderiam me fornecer.

Aos poucos fui sentindo minha bateria se recompor, incrivelmente, e em poucas semanas, lá estava eu de novo! Novinha em folha, como se tivesse me alimentado do maior amor do mundo! E na verdade, me alimentei!

Um dos nossos maiores erros na vida é não darmos atenção para essa nossa queda energética!

É muitas vezes, acharmos que isso é normal, que é compreensível ficarmos desgostosos e tristes sem motivos aparentes, e que logo vai passar! Mas se formos relapsos não passa não, só piora!

Atentemos de uma vez por todas para as energias das pessoas, das coisas e do universo!

Bebamos daquelas que nos colocará vigorosos e dispostos!

E principalmente, aprendamos a nos blindar das energias que nos enviam aqueles que ainda vibram negativamente! Realizando orações e meditações matinais diárias e agradecimentos noturnos!

É muito importante que coloquemos isso em prática e que essas atitudes se tornem um hábito!

Não estamos e nunca estaremos livres dessas energias negativas enviadas por pessoas que nos querem mal, mas podemos, conscientes do mal que elas podem causar, nos colocarmos vigilantes, em oração, porém, nossa oração perde o alcance quando a nossa vibração cai, e quando a energia cair, precisamos buscar ajuda para recarregá-la para podermos seguir em frente!

Você está se sentindo assim? Não sabe o que é que causou?

Não precisa saber, e nem perder tempo procurando motivos, isso só te perturbará ainda mais!

Busque locais e pessoas que realmente podem te ajudar a recarregar a sua bateria! Não queira fazer isso sozinha ou sozinho!

Todos nós passamos por momentos difíceis, a diferença é que alguns possuem a humildade de pedir e buscar ajuda, e aceita ser ajudado, enquanto outros, ficam lutando internamente, negando a si e aos outros as suas dores emocionais, fingindo que tudo está muito bem obrigado, querendo se passar pela pessoa mais forte do mundo, e essa fortaleza toda, que não existe, acaba ruindo…

Abandone essa pessoa carente que suga a energia dos outros, ou aquela que apenas gosta de se mostrar frágil para chamar atenção e receber certos mimos forçados!

Mesmo que tudo pareça estar aparentemente bem, se o seu sentimento interno diz o contrário, confie nele!

É Deus te dizendo: Orai e vigiai!

Por tanto, aprenda a buscar energia nos locais certos!

Busque profissionais capacitados! Ou amigos verdadeiros que possam de abraçar com amor! Mas não cobre amor onde não existe, ou onde não podem te oferecer, pois isso fará com que a sua tristeza aparentemente sem motivo, encontre um motivo real para se instalar de vez! E se fizer isso, o mal estar que era apenas seu, será também do outro, e isso é uma tremenda sacanagem!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS

COMENTÁRIOS




Iara Fonseca
Jornalista, poeta, educadora social, fundadora e editora de conteúdo do Rede de Ideias: PRODUÇÃO DE CONTEÚDO. Seu interior é intenso, sempre foi, transforma suas angustias em textos que ajudam muito mais a ela própria do que a quem lê. As vezes se pega relendo seus textos para tentar colocar em prática aquilo que, ela mesma, sabe que é difícil. Acredita que viemos aqui para aprender a ser, a cada dia, um pouco melhor, para si mesmo, e para o outro!